Pub
Por: Francisco Carvalho

“Para a mentira ser segura e atingir profundidade, tem de trazer à mistura qualquer coisa de verdade” António Aleixo

1. A forma como se tem abordado o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em Cabo Verde coloca uma série de desafios, sendo que há dois que pretendemos tratar aqui, neste artigo. Por um lado, há um ataque cerrado na busca de manipulação e deturpação do próprio significado e alcance desse crescimento do PIB. Por outro lado, há uma tentativa evidente de apagar e adulterar a memória coletiva em relação ao comportamento do PIB de Cabo Verde nas últimas décadas;

2. Mas, antes de irmos à memória, é elementar que nos recordemos o que é o PIB. Poderíamos até começar por estabelecer o que não é o PIB! O PIB não é o melhor de todos os indicadores para a caracterização de um determinado país. Aliás, não existe um indicador que seja o campeão dos indicadores. A caracterização de um país é efetuada tendo em conta aquilo que nas ciências sociais é chamado de bateria de indicadores. O PIB, em resumo, é um indicador, apenas e somente, para medir a atividade económica, subdividindo-se, tendo, por um lado, as riquezas produzidas no país ao nível das indústrias, dos serviços e da agropecuária; e, por outro, considerando quem compra essas riquezas, ou seja, o consumo das famílias; o consumo do Governo; o investimento do Governo e das empresas privadas; e a soma de exportações e importações. Parafraseando alguém de outras paragens, para uma outra altura: há, seguramente, muito mais vida para além do PIB!

3. O PIB, como indicador, não tem capacidade para medir nada sobre a qualidade da educação, o grau de acesso aos cuidados de saúde, o desemprego, a criminalidade, a insegurança, a pobreza, o acesso à água potável, ou quantas refeições alguém fez por dia, entre vários outros indicadores do grau de desenvolvimento de um país. Só faz tanto alarido com o PIB quem aposta numa opção de governação demasiado voltada para um crescimento económico, cujos benefícios são quase exclusivos de uma minoria que, até ser verificada, pode nem ser do país. Foco no crescimento que é reconfessado no próprio slogan do Orçamento do Estado para o ano de 2019 (Fig. 1): “Reformar para crescer” e não reformar para desenvolver!

Imagem.FC

4. A verdade é que cada vez que ouvimos falar do impacto do aumento do PIB, contam-nos sempre a mesma ladainha sobre o crescimento. Afirmam, vaidosamente, que vai gerar mais emprego e mais rendimento para as famílias – tomemos apenas estes dois impactos garantidos de forma reiterada. Agora, passemos à sua rápida análise para que, facilmente, verifiquemos dois factos concretos que comprovam exatamente o contrário dessas duas estórias que nos contam do efeito de crescimento do PIB:

5. Facto 1: Desde 2016 que o país está a crescer e não houve nenhum aumento salarial para todos os funcionários do Estado. O último aumento concedido para todos os funcionários foi de 3%, com a introdução do PCCS, no ano de 2014 – sublinhe-se, em pleno período do chamado crescimento anémico. Este atual governo vai terminar o mandato sem conceder um único aumento salarial para todos os funcionários da Administração Pública. Isto porque o Orçamento do Estado para 2020, o último da legislatura, já está elaborado e foi apresentado no Conselho da Concertação Social e não está lá esse aumento salarial;

6. Facto 2: Nos anos de 2017 e 2018, período do badalado crescimento histórico, verifica-se que, ao invés do tal aumento de emprego jurado que viria com o aumento do PIB, dá-se precisamente o contrário, há uma destruição de 14.725 empregos, sendo 5.950 empregos a menos em 2017 e menos 8.775 empregos em 2018 – dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INE). Com base nestes dados podemos concluir que o crescimento do PIB de 3,7% do ano de 2017 não determinou o aumento do emprego em 2018. Por outro lado, tomando em consideração o próprio Orçamento do Estado para 2020, podemos também concluir que este crescimento de 6,2% que tem sido propalado não vai servir para aumentar o rendimento das famílias, uma vez que o Governo não vai conceder o aumento salarial dos funcionários do Estado, sob a sua responsabilidade;

7. Para uma mais completa compreensão do significado do PIB, eis que o desafio da memória coletiva nos obriga a recuar até aos finais dos anos 90, mais precisamente o ano de 1999, em que o PIB alcança o valor fenomenal de 12%, dois dígitos (Fig. 2)! Inacreditavelmente, foi o mesmo período em que parte dos funcionários recebiam os salários dez a 15 dias depois do final do mês e os estudantes bolseiros no estrangeiro enfrentavam todas as dificuldades que o atraso de uma bolsa de estudos representa. Foi ainda nesse período que o então Primeiro-ministro manda os caboverdeanos “apertar o cinto”! Tanto nesse recorde do PIB, em 1999, como agora, em 2019, a quase totalidade de caboverdeanos nunca irá sentir os efeitos milagreiros desse fabuloso crescimento do PIB. Pior ainda, é que nessas alturas – devido ao enfoque quase absoluto nos negócios, entenda-se delapidação dos bens do Estado – aumenta o número de pessoas a passarem fome! No fim dos dez anos iniciados com o período 1990-92 até 2000-02, a percentagem de pessoas subnutridas (com fome!), agrava de 16.1 para 19.2% (Fig. 3). Importante notar que a partir de 2002 essa percentagem de pessoas a passarem fome vai caindo até atingir o valor de 9.4% no período de 2014-2016! No passado mês de julho o relatório das Nações Unidas revelava: 13% de caboverdeanos passam fome! É assim que somos confrontados com uma nova subida de mais 3.6 pp de caboverdeanos que começaram a passar fome depois de 2016 – em pleno período de crescimento robusto da economia!

8. No limite, uma dolorosa e aflitiva constatação: nos períodos de crescimento económico anémico, houve redução crescente de caboverdeanos a passarem fome, enquanto nas alturas de crescimento económico robusto, há um aumento de caboverdeanos a passarem fome. Só nos resta perguntar: quem beneficia com este show sobre o crescimento do PIB?

*** Este artigo é o aprofundamento da reflexão sintetizada neste post, em baixo, de José Casimiro Pina. Especial atenção à data da sua publicação, 25 de fevereiro de 2016. Houve avisos.

Imagem2.FCImagem3.FCImagem4.FC

Links:

A Nação (17/Julho/2019), A fome atingiu 13% da população cabo-verdiana em 2018 – ONU

https://anacao.cv/a-fome-atingiu-13-da-populacao-cabo-verdiana-em-2018-onu/

The Washington Post (7/Fevereiro/2016), Is Africa paving a road out of poverty? (artigo mencionado no post acima)

https://www.washingtonpost.com/news/monkey-cage/wp/2016/02/07/is-africa-paving-a-road-out-of-poverty/?noredirect=on&utm_term=.8fcdf2416973



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Antero Cardoso 09-11-2019 09:53
Sociólogo quer meus artigos para fazer análise... convencido, Xico. Meus artigos não se destinam a iniciantes, mas a praticantes da racionalidade Económica. Lamento informar que teria que voltar para uma faculdade, de Economia, como meu aluno.
Responder
0 # Francisco A Carvalho 09-11-2019 17:15
1. No comentário anterior assinou com o nome de "Amandio Teixeira" e nestes dois últimos comentários assina com o nome "Antero Cardoso". É fraco até para criar perfis falsos. Esquece-se do nome que utiliza no comentário anterior;

2. Volto a lhe sublinhar: o artigo não é "sobre a economia"! O artigo é uma análise "sobre o que se disse em economia";

3. "Amadio Teixeira" ou "Antero Cardoso", esta confusão básica que faz é bastante revelador sobre o seu nível de entendimento da própria economia.
Responder
-1 # Antero Cardoso 09-11-2019 09:47
Xico, não vou descutir Economia consigo pelas razões que expliquei. Desculpe, mas descuto Economia com os meus colegas de formação. Procure sua tribo de ignorância.
Responder
-1 # Amandio Teixeira 06-11-2019 14:28
Acreditem, que nada me move contra este cidadão Xico. Mas vejamos, não será um sociólogo a trabalhar melhor os números do PIB de um País que, por exemplo o Olavo, Ulisses, Freire, o Avelino, Atelano, Cristina e vários outros economistas bons deste País. Aliás, se este Xico tivesse alguma aptidão pela Econometria, área dentro da Economia que se ocupa das medidas e cálculos económicos, acredito que o Xico seria um colega nosso e estaria ele próprio a escrever para as revistas especializadas da Economia, como eu e outros colegas, onde debatemos, concordamos, discordamos e, sobretudo, concordamos em discordar, mas dentro da racionalidade económica que esta ciência permite. Acho que fica chato perder tempo discutir Economia com um sociólogo. Como deve ser chato um sociólogo discutir Sociologia com um Eng.º Oceanógrafo.
Responder
0 # Francisco A Carvalho 07-11-2019 01:42
1. Acreditem que nada tenho contra este cidadão, Amandio Teixeira;

2. Amandio, procure perceber o seguinte: este artigo não é sobre o PIB, nem sobre economia! Explico-lhe: a sociologia pode analisar a música, mas a sociologia não compõe música. A sociologia pode analisar a religião, mas a sociologia não celebra missas. A sociologia analisa a economia, mas não faz econometria. Percebeu? É por isso que há a sociologia da música, a sociologia das religiões e a sociologia económica;

3. Amandio, analisar os "efeitos da economia na sociedade" é diferente de "analisar as mentiras contadas sobre os efeitos da economia numa sociedade". No primeiro caso é fazer economia, mas no segundo é fazer sociologia. O segundo caso é o do artigo escrito acima!

PS: aguardo um link de um artigo do Amandio publicado numa revista científica credível e farei uma análise sociológica do seu artigo económico.
Responder
+3 # Diallo 19-10-2019 11:11
Nu kata vivi di subida ô di disida di PIB mas sin di nós inprengu, povu sa sufri kaladu ku falta di job pior, nos e txeu ki katen matabidju. Obrigadu pa análise.
Responder
0 # John Miller 21-10-2019 11:03
E o emprego cria-se como? Pela mão de Midas?!
Responder
+1 # Francisco A Carvalho 21-10-2019 11:52
Jonh Miller, eu não sabia que Midas foi quem escreveu o programa de campanha eleitoral e de governação do MPD garantindo 45 postos de trabalho!
Responder
-1 # John Miller 21-10-2019 14:14
Se formos entrar por esse campo, não te esqueças que a atual líder da oposição prometeu, caso viesse a ser governo, criar 15 a 25 mil postos de trabalho/ano. Ou seja, isso equivaleria a um total entre 75 mil a 125 mil postos de trabalho num mandato de 5 anos. A proposta do atual governo é um absurdo mas a da oposição é o cúmulo do absurdo! O "Midas" da situação não consegue criar 45 mil postos, sim isso é verdade. Agora explica-me tu como é que a "Midas" da oposição, caso fosse Governo, iria criar esses tais 75 mil ou 125 mil postos de emprego?
Responder
+1 # Francisco A Carvalho 21-10-2019 16:13
Só faltava essa! Tentar dar voltas ao falhanço da governação colocando o enfoque no debate das propostas do partido que perdeu as eleições!

Ao ler esta sua passagem, "Agora explica-me tu como é que a "Midas" da oposição, caso fosse Governo, iria (...)", lembrei-me daquela dos dois compadres que envolveram-se numa briga sobre como iriam dividir entre si uma nota de mil escudos, caso, algum dia, viessem a encontrar essa nota no chão!

É por esse caminho que o John Miller quer levar esta questão dos 45 mil postos de trabalho prometidos pelo MPD.
Responder
+6 # Rivoltado 17-10-2019 18:05
Parabens sr Francisco Carvalho por este colegio do PIB. Entäo é isto que o MPD esta aenganar os caboverdeanos e Canoverdeanas... Na urna nu ta txasinas...
Responder
+7 # Atento sen djobi pa 17-10-2019 18:00
Magistral!
Responder
+7 # FIDEL CASTRO 17-10-2019 09:23
Nada mais a acrescentar sobre o que o modelo neoliberal "rabentola" é capaz de produzir para povo - miséria e mais miséria.
Responder
+7 # Gracelino Barbosa 17-10-2019 07:50
Na minha modesta openião acho que o jjornal online Santiago Magazine deveria apostar o suporte financeiro mais na deas[censurado], USA e EU...
Eu vou ver o que posso fazer em termos de un apoio mensal... Muito obrigado pelas informações preponderantes.
Responder
+8 # Jose moreno 17-10-2019 07:20
Excelente análise!
Responder