Pub
Por: DRC

Palavras. Apenas palavras. Estrados de desvendamento de pensamentos e reificação das liberdades. Sublime! O poder do verbo na definição do homem enquanto animal social e arquiteto de um mundo finito e imperfeito.

 Palavra

Casimiro de Pina é um tipo interessante. Escreve muito bem em Português. Usa as palavras com perícia, com arte. Artilheiro experimentado, dificilmente falha o alvo. Atirando sempre para matar, o tipo é inilidível quando o tema é o uso da palavra.

Portador de um acervo considerável de turpilóquios, Pina pode muito bem ser definido como um exímio sepultureiro da individualidade alheia, sobretudo daquela que se recusa a embarcar nas suas melopeias e evagações existenciais, a que normalmente classifica de análises jurídico-filosóficas.

E nessa missão faz uso de um combinado de “estudiosos”, a quem confere agnições supremas. E, quando em aperto, ou apenas para mostrar trabalho e impressionar a canzoada, arremessa citações desses “estudiosos” por todos os lados, como quem dispara espingardas contra uma alcateia de lobos sedentos de sangue inocente.

Porque Casimiro de Pina é um tipo inocente. E bem-intencionado. Sempre. Em tudo o que diz e escreve. Defende a liberdade como um fim em si mesma. Todavia, até aos umbrais da sua tenda. Porque, a partir dali a liberdade perde a emancipação e se sucumbe ao que ele diz ou escreve. A partir dali ele, Casimiro de Pina, assume a natureza do verbo, e já nada pode ou deve prevalecer para além daquilo que diz ou escreve.

Um tipo interessante, este rapaz! Capaz de se reinventar, indefinidamente, sempre que se sentir ameaçado por elasticidades metafisicas que não se reconhecem nas suas já referidas melopeias e evagações existenciais, a que normalmente classifica de análises jurídico-filosóficas.

Cabo Verde deve muito a esse tipo. Sim! Alguém acha que não?... Distinto no ser e no parecer, Casimiro de Pina tem dado um contributo relevante no alvorotar deste país para o relativismo inerente ao processo de desenvolvimento económico, social, político e cultural das sociedades humanas.

Com os seus escritos, o tipo tem desimpedido as portas para se perceber as substruções daquilo que à partida não se deixa falsear e daquilo que é naturalmente falsário, e o perigo, ou a satisfação, que tudo isso pode representar para a estabilidade emocional e psíquica de uma comunidade, região ou país.

E isto, verdade seja dita, é indubitavelmente um grande contributo que Casimiro de Pina tem dado ao país. Pois, claro!

Comentários  

+1 # golo.luis 11-05-2020 13:51
Interessante ironia sobre um idiota que se julga ser o senhor da verdade: Casimira de pina! Não é por acaso que perdeu sempre as eleições em Mosteiros, sem que ele próprio pudesse vota em si mesmo (pois é, anda sempre na lua!). São tantas as críticas sobre as suas "perturbações noturnas", mas, estranhamente, ele não consegue despertar das suas lucubrações! Que ser estranho! Parece um E.T.
Responder
+3 # Johny di Fogo Vulcao 22-04-2020 14:04
Um psicopata, intensamente movido por um complexo pessoal. Um frouxo mental auto convencido, manhoso e armado em "sabe tudo" e mais que os outros... Tudo que ele afirma não tem nenhuma base coerente e muito menos cientifico... ( é um simples licenciado) um copiador mal intencionado de ideias alheias... enganando os distraidos ...
Responder
+7 # FIDEL CASTRO 31-03-2020 12:43
Quem minimamente entende o "gajo" alvo desta análise sarcástica, sabe que ele é do tipo intelectual "copy & paste", um autêntico "Don Quijote" nas suas ditas análises jurídico-filsofóficas, que frequentemente e estúpidamente desemboca na intolerência.

Simplesmente mais um louco na sua missão divina contra, como já dizia o outro, a "esquerdalhada".

Tenho dito.
Responder
+9 # Joana Inês Sá 27-03-2020 23:34
Excelente texto! Bela definição do visado. Um exacto retrato de quem se julga superior aos outros. Ele só precisava de trabalhar como os outros e deixaria de ser tão arrogante e presunçoso.
Responder
+1 # Rosa 27-03-2020 19:23
Q pulso tem DRC pra passar seu visão sobre C.da P sem ofender-lho , pois a verdade não ofende e sim a forma como se diz ,confesso que me fez sorrir pois lembrei-me do rifirafi "jurídico-filosofico" x ele e a Sra Odette ,viuva do Ex PR A.M , que da suporte a este artigo , q dito seja oportuno , nenhum dos dois em diferentes esquinas expus o motivo a defender ,pois prevaleceu muito sarcasmo ,uma pena ,mais todos somos humanos ,ne'!. Axo q CdP vai refletir para bem .
Responder
-3 # Kre mi e Ksimiru 27-03-2020 14:03
Não entendi nada. Sinceramente
Responder
+3 # Paulo Mendes 27-03-2020 15:09
Bom ami intende tudo. E basta ke textos de Casimiro de pina bu ta intende.
Responder