Pub
Por: Manuel de Jesus Silva

 djudju1

faluchos

A ligação entre as ilhas do Maio e Santiago, por se distarem a poucas - 15 milhas -, foi sempre regular, graças aos navios movidos à vela, através da chamada “navegação à bolina”, que até rentável era porque aproveitava energia eólica, gratuita.

As duas ilhas ligavam-se por navios, popularmente designados por “falucho”, todos propriedades de naturais da ilha do Maio, pois não existem registos a dar conta que algum deles tenha sido pertences de naturais de outras ilhas:

Pequenas embarcações construídas de madeira, integram a subcategoria de “chalupa”, e ficaram popularmente conhecidas pelo nome de “falucho”.

São de pequeno porte movido a vela latina, composto de um mastro e um gurupé[1] localizado quase na horizontal para o avante da proa do barco.

Dispõem-se abaixo de “cúter” na tabela classificativa da categoria de navios.

Duas dessas embarcações, ‘Belmira’ e ‘Aleluia’ ficaram conhecidas quer no Maio quer em Santiago, particularmente Pedra Badejo, por duas razões:

- Primeiro, pela longevidade, pois são todos da casa de 1920 e inícios de 1990 ainda operavam;

- Segundo, tornou-se no meio de transporte de passageiros sobretudo com o desenvolvimento da emigração maiense para a Europa e dos estudantes que se deslocavam à cidade da Praia para prosseguirem os estudos ao nível do secundário.

Construida em 1924[2], em Biche-Rotcha, na então vila do Porto Inglês, “Aleluia” comportava 10,00 metros de comprimento por 3,20 de boca e uma capacidade para transportar 160 sacos, o correspondente a 4 moios de sal.

Inicialmente baptizado com o nome “Boa Esperança”, “Belmira” foi edificada por volta de 1915, em local ignorado, projectada para carregar 160 sacos, igual a 4 moios de sal.

Propriedade do comerciante e armador bravense, Rafael Anahory que, no conjunto da sua actividade, chegou a possuir 13 navios para viagens inter-ilhas e percurso aos Estados Unidos da América, depois de passar à posse da Casa Costa, na cidade da Praia, o veleiro veio a ser foi adquirido por um natural da ilha do Maio, na década quarenta do século XX, pela quantia de 7.000$00.

Na década de sessenta vendeu-o ao filho.

Os dois barcos – Aleluia e Natal – tiveram uma vida útil de mais de sessenta anos ao serviço da cabotagem, mantendo a ilha do Maio em ligação permanente com Santiago.

‘Aleluia’ quase só fazia viagens Porto Inglês/Pedra Badejo e vice-versa. Já ‘Belmira’, além de Pedra Badejo, fazia ligações com os portos de São Miguel e Manguinho de Sete Ribeira, pois o proprietário tinha negócios por essas localidades. E de vez em quando alcançava Fogo e Brava. Daí, ter-se ficado mais celebrizado.

‘Belmira’ acabou por ficar ainda conhecido em 1981, quando se tornou objecto de notícia internacional, devido a um naufrágio.  

O caso deu-se durante uma das regularíssimas viagens entre Pedra Badejo e Maio. Devido a dificuldades atmosféricas, o barco saiu da rota normal e manteve-se quase um mês à deriva, sem qualquer com comunicação, o que causou pânico, pois a bordo encontravam-se mais de uma dezena de pessoas entre tripulantes e passageiros.

Veio a aparecer, um mês depois, em Bubaque na República Guiné-Bissau.

Meados de 1982/1983, beneficiou de reparação e transformado em cúter – categoria de embarcação superior a falucho – com uma dimensão de 13,20 metros de comprimento por 4,50 de boca, e uma amplitude para transportar 240 sacos de sal – 6 moios –, e mudou o nome para “Natal”.

Em 1992, o Governo de Cabo Verde escolheu ‘Natal’ em gesto de homenagear as embarcações de navegação inter-ilhas, cunhou-o numa das moedas de 5$00.

Os dois barcos – Aleluia e Natal – tiveram uma vida útil de mais de sessenta anos ao serviço da cabotagem, mantendo a ilha do Maio em ligação permanente com Santiago.

Deixaram de operar, definitivamente, nos inícios de 1990 e abandonados sobre a areia da praia de “Biche-Rotcha”, na cidade do Porto Inglês.

Em homenagem a essas embarcações, que contribuíram para manter Santiago e Maio ligadas, o então Secretariado Administrativo do concelho de Santa Cruz, construiu sobre o rochedo de Ponta Pedra Badejo, uma esplanada com o nome "Falucho"

 

[1] “Gurupé”: conhecido na linguagem marítima da ilha do Maio por “Pou di bijerona”, porque suporta a respectiva vela com o nome popular de “bijerona”;

[2] Constantes dos processos de matricula dessas embarcações, arquivadas na Capitania dos Portos de Sotavento-Praia;



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # JJ Costa Pina 04-10-2019 13:48
Parabenizo o Silva pela escrita acerca do mar aqui em sotavento, ação que tem se primado pela omissão o que tem favorecido a atuação de políticos e dirigentes que têm concentrado (aí não há regionalização/descentralização) projetos e atividade numa só ilha! Da próxima não omita as embarcações e operações do ex-armador e marítimo Djuba (Cavaco) que muita vez para a ligação marítima entre os portos da Praia e do Porto Inglês.
Um abraço.
PS: Meus parabéns pela retoma do projeto de 350 milhões de dólares para Maio. Há muito que investidores querem porto de aguas profundas e produção de algas para Maio mas foram empurrados para S.Nicolau (qto a aguas profundas), ato que só acontece em relação a ilhas de sotavento! VIVA A UMA NOVA GOVERNAÇÃO DO MAR para sotavento! TURISMO
Responder