Pub
Por: João Cardoso

João Cardoso1

I

Não são cartas de amor porque já não tenho idade para escrevê-las. Apagou-se, dentro de mim, a paixão quer na explosão do desejo bruto quer no silêncio sobro das minhas desconcentradas delícias celestes para justificá-las com vontades febris tão terrenas.

II

Sinto hoje, medo de te beijar muito apaixonadamente. Parece-me como pedras fora do chão ou de um qualquer alguém que quer passar pelos perdidos atalhos sufocados. Sei que andas sempre como sítios desviados como quem não ama a luz nunca pode ter medo da escuridão.

III

Eu não vou adoecer a estudar a tua loucura nem a estudar morse. Sei que cartas poéticas do amor brotam e dão sombras, ao mesmo tempo, que iluminam esperanças de sobreviventes vivos de alguns sítios desviados do lugar sem caminhos. Sei que o Mundo não merece o fim do mundo.

IV

Eu adoro a brancura dos algodoeiros como um barco a zarpar nos oceanos. São, são tantos sacos de vento contra mar&vento e de não poucas marés. Digo. Não arriscando… não arriscava mesmo com toda a propriedade vocabular, e, não ominosas intenções de que a Elisabeth foi-se embora como uma frustrada raposa ou como o gole num copo de água que causa soluço, como um vento no asfalto.

V

Coscuvilha-se algures que a Elisabeth de vez em quando manifesta-se, sem aviso, numa só palavra só: crises e delírios para lá das várzeas e várzeas, para lá das várzeas com alguma roupa, um ou dois ou três roupas para apimentar as coisas.

VI

Lembrei-me que a minha eterna inspiradora, Tina Turner – “What’s Love Got Do With it”- nasceu no dia 26 de novembro de 1939, Happy Birthday, apagou 79 velas (!) Para Tina escrevia, sim, mil cartas de amor com penas.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar