• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde

Entre Mitos e Versos: A Herança de Pedro Cardoso e José Lopes nas Ilhas de Atlântida Moderna 

No coração do Atlântico, onde o mar desenha histórias e a brisa murmureja lendas, repousam as ilhas de Cabo Verde. É um arquipélago de contrastes e mistérios, onde a poesia de pre-claridosos como José Lopes e Pedro Cardoso ressoa no tempo, trazendo consigo a fascinante ideia de que Cabo Verde é afinal muito mais do que um conjunto de ilhas - é sim um pedaço sobrevivente da lendária Atlântida submergida. 

POESIA ORAL – BATUKU DI KABU BERDI - IV

“Batuku e aima di povu” (KD) & “Batuku sta na moda” (OP)

Amílcar Cabral. O engenheiro agrónomo

Nos textos Em defesa da Terra”, Amílcar Cabral, “discorre sobre o fenómeno erosivo em geral e em particular nas Ilhas que constituem o arquipélago de Cabo Verde. Assim, no ponto sublinhado - O fenómeno em Cabo Verde, Amílcar Cabral, enquanto engenheiro agrónomo, desenvolve o seu raciocínio, apontado as causas, as várias formas de manifestação da erosão no espaço rural, em particular na Ilha de Santiago, as consequências na produção agrícola, as possíveis soluções por ele inventariadas, nomeadamente a construção de diques de retenção do solo e da água, proteção...

Um Incomplacente desmantelamento dos Mitos

"Daí que,em todas as suas modulações, seja incandescente o percurso de José Luiz Tavares, sem receio da polémica e do sarcasmo quando é preciso, mas também generoso e de uma grande justeza ética. E lembremos aqui a advertência de Wallace Stevens: «a nobreza da poesia“ é uma violência interior que nos protege da violência exterior”». E mais não se peça a José Luiz Tavares, porque é daqueles que transporta o fogo e isso, a prazo, é o que dá conforto e fertilidade à morada dos homens. O resto é o gosto fátuo das farófias".

POESIA ORAL – BATUKU DI KABU BERDI - III

“Batuku e aima di povu” (KD) & “Batuku sta na moda” (OP)

O Prémio BAICV e as Manigâncias de um Júri Portador de um Estreito Conceito de Literatura mas Tomado de Incontinente e Façanhuda Sanha Administrativa

O mais esdrúxulo nesse «quarto e irregular critério apócrifo», introduzido pelo todo-poderoso júri, é a sua profunda mediocridade, quando não mesmo a retumbante e hilária necedade. O critério de correção linguística e estruturação do discurso é para redação de meninos e meninas da quarta classe, quando havia, ou tara de professorecas que da literatura têm a vaga ideia de que é uma coisa parecida com isto, mas não sabem ao certo de que substância, para parodiarmos um célebre título de Manuel António Pina. Não é esse formalismo, há muito varrido para o caixote de...

O Patusco (Daniel) Medina, Seus Fajutos Asseclas & os Descaminhos da Academia Cabo-verdiana de Letras [Ou o Diabo Volta à Arena para Novo Round de um Combate já Antigo] ]

Perante a despudorada desfaçatez usurpatória desses landgrávios de baixa estirpe, cuja única lei por eles conhecida é a do alpinismo ou do trepanço, seja social, político ou cultural (se tal fosse possível, até decretariam a usucapião para permanecerem eternamente sentados nos plintos da Academia. Aliás, para os devidos efeitos, dever-se-ia considerar a ACL sem direção, uma espécie de vacatio administrativus, não podendo a atual praticar nenhum ato relevante em seu nome), há que convocar eleições no mais curto espaço de tempo, a fim de se livrar a Academia desses contumazes...