Pub
Por: Redacção

arnaldo silva

O Tribunal da Praia aplicou esta terça-feira, 14, Termo de Identidade e Residência (TIR) ao suposto agressor de Arnaldo Silva, no domingo dentro da sua casa. O antigo governante e ex-bastonário não esconde a sua insatisfação e vira as baterias contra o juiz. Silva diz-se inseguro e quer proteção policial.

Em declarações à Rádio de Cabo Verde, Arnaldo Silva mostrou-se indignado com a postura do juiz que decidiu aplicar, como medida de coação, o Termo de Identidade e Residência ao seu alegado agressor. Segundo Silva foi "uma irresponsabilidade do juiz" aplicar TIR a um individuo “que me queria matar”. "Esse rapaz é perigoso, tem cadastro mil, é violento, drogado e pode matar alguém a qualquer momento. Ainda há bocado me telefonaram a dizer que o viram a rondar a minha casa. Peço às autoridades que coloquem agentes à volta da minha casa para protecção, porque se esse individuo voltar a entrar em minha casa será um homem morto", adverte, em jeito de ameaça.

O ex-Bastonário e actual presidente da Assembleia Geral da Ordem dos Advogados considera, também, estranha a decisão desse Juiz, sobretudo por se tratar do mesmo magistrado “que permitiu e compactuou" com a sua detenção, no passado mês de Setembro."Se para um criminoso cadastrado esse juiz fixa TIR e para mim que não fiz nada ordena interdição de saída pergunto onde é que vamos parar? É preciso denunciar", desabafou.

Silva diz temer pela sua segurança, já que o seu suposto agressor é um individuo “criminoso cadastrado” e que ficou em liberdade, pelo que pede proteção policial a si e à sua família. Efectivamente, o seu suposto agressor foi aplicado apenas TIR, sem sequer uma distância mínima que doravante teria de manter da residência de Arnaldo Silva, dele próprio e da sua família, como seria expectável.

Arnaldo Silva foi agredido no domingo, por volta das 14h00, à porta da sua residência, no Palmarejo, por um indivíduo que se autodenomina de “satanás” e que teria a intenção de o matar dentro da sua residência. O homem, conhecido por Felisberto, teria entrado na residência "com pedras e uma faca ponto de mola". Abordou Arnaldo Silva directamente deferindo-lhe pedradas na cabeça que provocaram no advogado um ferimento de sete pontos, além de contusões noutras zonas do corpo. Segundo explicou, o seu filho e um cunhado que estavam na casa é que conseguiram impedir mal maior, separando Silva e o seu suposto agressor no chão. O homem pôs-se em fuga, enquanto Silva era conduzido ao Hospital Agostinho Neto.

Antes, em declarações ao jornal O País, Arnaldo Silva havia dito que fora vítima de um assalto. Agora, com a nova versão de "clara intenção para me matar", referida pelo advogado, que até denuncia a presença do suspeito a rondar a sua casa, o caso muda de figura. Aliás, o próprio já pediu protecção policial com receio de voltar a ser atacado pelo mesmo individuo.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

-1 # Sasi 16-01-2020 22:57
Gente, o Naná tem toda a razão de ficar furioso, chateado , magoado ao ponto de querer matar o satanás caso ele apareça de novo ?!? Reparem bem: a ação foi de todo deselegante. Usar - se pedrada, paralelo ?? Ele nem
Sequer mereceu um um tiro de pistola que convenhamos seria o mais elegante não .!! Isto até parece brincadeira de menino . Haja um pouco mais de respeito: sendo o Naná um senhor advogado dever - se - ia ter um pouco mais de elegância na escolha da arma do crime!!!!!
Responder
0 # OBSERVADOR INTERNACI 16-01-2020 08:47
P nhôs fadiga é oras ki kusas começa ta afeta nhôs ou nhôs familias.
Responder
-1 # toto 15-01-2020 22:21
ser golpeado na cabeça com uma pedra que intenção alem da morte o código penal recolhe para a Justiça ter aplicado o TIR ? "E' de covardes fazer lenha do arbol caído " A justiça não pode humilhar nenhum homem .
Responder
0 # zé luis 15-01-2020 15:59
ahahahahaha A COBRA ACABA DE EXPERIMENTAR O PRÓPRIO VENENO ahahahahaha NÃO ÉS UM DOS MENTORES DO NOSSO FAMOSO CÓDIGO PENAL ??? AFINAL ?
Responder