Pub

hotel oasis porto grande

Três crianças morreram durante a madrugada de hoje num incêndio numa casa na zona de Pedra Rolada, ilha de São Vicente, informou à agência Lusa a polícia, adiantando que os pais de dois dos meninos ficaram feridos.

Segundo a Polícia Nacional (PN) em São Vicente, o incêndio terá sido provocado por explosão de uma garrafa de gás, quando as três crianças e a mãe de dois dos menores, o outro é um sobrinho, se encontravam na casa.

O pai das duas crianças, que estava nas imediações, ainda tentou socorrer os meninos, mas acabariam por morrer carbonizados, ainda de acordo com a polícia, informando que tanto o pai como a mãe ficaram com queimaduras.

Segundo a Inforpress, as crianças tinham 4, 5 e 6 anos e o incêndio deflagrou numa casa de tambor.

A mesma fonte adiantou que as crianças já foram enterradas, mas os dois adultos e um adolescente estão a receber cuidados hospitalares.

A agência de notícias cabo-verdiana referiu que o adolescente é o que tem mais ferimentos, porque ficou mais tempo na casa e ainda conseguiu salvar um bebé de cinco meses.

Com Lusa

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # Maurino C.B.Delgado 02-01-2020 09:22
Uma tragédia, humanamente, insuportável para as famílias e que nos sufoca a todos . Ninguém fica indiferente e os factos interrogam-nos, para evitar que situações semelhantes venham a acontecer no futuro. Qual é a responsabilidade institucional dos políticos e dirigentes de São Vicente, nessa tragédia? Qual é a nossa cota parte de responsabilidade, enquanto munícipes ?
Vejamos: a lei nº12/VIII/2012, que estabelece as bases gerais da proteção civil, diz que um dos objetivos da proteção civil é prevenir a ocorrência de acidentes graves; a proteção civil é da responsabilidade do Estado, das Autarquias e dos cidadãos; o Serviço de Proteção Civil e Bombeiros faz a informação e formação das populações, visando a sua sensibilização, em matéria de autoproteção, etc, etc…
O Estatuto dos Municípios diz que o Presidente da Câmara Municipal é o principal responsável da proteção civil nos Municípios.
Por isso depreende-se: se em vez do Presidente da Câmara Municipal de São Vicente, estar em guerra permanente com os Bombeiros, procurasse pôr em prática essas medidas de proteção civil, que são fundamentais para a salvaguarda da vida e da segurança das pessoas, esse acidente grave seria evitável e, se por uma fatalidade qualquer acontecesse, não estaríamos a carregar tantos remorsos. Infelizmente, as pessoas que andamos a escolher para gerir São Vicente, não estão à altura dessa responsabilidade.
Responder