Pub

Eis a questão. Quem é culpado pelo estado de insegurança que o país está a viver? Será o povo? Porque os partidos políticos do arco do poder não a querem assumir. Enquanto o PAICV, oposição, liga o MpD, no poder, ao estado de insegurança que se instalou no país, o Governo, por sua vez, afirma que a situação foi herdada da anterior governação.

As afirmações foram feitas pelo deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), José Maria Veiga, ao usar da palavra no período antes da ordem do dia, da sessão parlamentar, que teve como base a questão da segurança nacional.

“A segurança é uma questão séria, complexa e determinante para o futuro de desenvolvimento de Cabo Verde, mas o Governo não tem cumprido com a sua responsabilidade e como consequência existe um certo risco de a sociedade caminhar para uma situação de mal-estar”, sublinhou o deputado, frisando que os últimos acontecimentos na ilha do Sal, Figueira das Naus e Ribeirão Manuel, em Santa Catarina de Santiago, são sinais preocupantes e tem acontecido “um pouco por todo o país”.

Segundo o parlamentar, a solução tem de ser vista de forma “global e integrada”, não só na instalação de postos de policiais, mas também pela qualidade que deve reflectir das políticas governamentais para os jovens em formação profissional, emprego, desporto e cultura.

Para José Maria Veiga, há que priorizar recursos orçamentais para estes sectores, com vista a autonomia dos jovens,  aumentar o acesso a recursos e reduzir tanto a privação da vulnerabilidade e exposição de risco, como criar condições para melhorias de qualidade de vida.

Caso ao contrário, assinalou, cria-se uma sociedade que poderá ser surpreendida por acontecimentos capazes de pôr em causa a coesão cabo-verdiana, enquanto nação.

Em resposta ao PAICV, a deputado do Movimento para a Democracia (MpD, no poder), Joana Rosa, reconheceu que tem havido “alguns casos que constituem preocupação” para o Governo, mas disse que “assaltos a residências, mortes de forma horrível não são novidades”,  sendo, precisou, “ocorrências que aconteciam desde a anterior governação”.

Joana Rosa assegurou que o Governo está a trabalhar na implementação de medidas que visam “quebrar e minimizar” um “problema herdado” do anterior Governo, tendo ressalvado que os últimos dados demonstram que o índice de segurança no país “reduziu substancialmente”.

“O PAICV não pode estar a atribuir responsabilidades ao Governo porque são acontecimentos que ocorrerarm no passado e foram omitidos”, afirmou a deputada, que garantiu que o executivo trabalha para garantir a segurança das pessoas e assumiu o combate à insegurança como uma “questão prioritária” para o país.

Para Joana Rosa, Cabo Verde é hoje um país “com mais segurança”.

“Tem havido sim uma migração dos criminosos porque as medidas que estão a ser tomadas nos centros urbanos tem feito com que esses delinquentes emigrem para outros centros”, ajuntou.

Segundo a deputada, cabe a cada um “assumir a sua responsabilidade”,  porque a segurança é uma questão que “interpela a todos” e, muitas das vezes, as linguagens e mensagens vinculadas “são agressivas e criam um certo medo e pânico” na sociedade.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # 100% AMADEU OLIVEIRA 23-05-2018 14:13
A culpa é do Supremo Tribunal de Justiça. Cambada de preguiçosos(as) que só querem passear na chapa amarela! Ficam a djongor em cima dos processos, ano entra, ano sai. A culpa é do Conselho Superior de Magistratura Judicial que não faz o seu trabalho de verificar se os juizes estão a trabalhar como deve ser. Ou seja, despachando em tempo e com qualidade. Mas a culpa também é do Conselho Superior do Ministério Público que não tem exercido convenientemente o seu papel e, por isso, temos um Ministério Público muito fraco. Portanto, A CULPA É DA JUSTIÇA! Um país sem Justiça ou com esta na UTI, nao funciona. A prova está evidente e ao alcance de toda a gente ...
Responder
0 # Maturidade 23-05-2018 11:21
Ao senhor atento di Picos.
Quantas pessoas desapareceram em s. Vicente no mandato do seu partido? Apareceram algumas? Quando é que zezinho catana vendeu carne humana em CV? No mandato do MPD? Tenha vergonha e deixe de fanatismo!
Responder
0 # Atento di Picos 23-05-2018 13:17
Maturidade... Fanatismo parece com a tua cara. Eu não sou fanático em nada. Simplesmente fiz uma pergunta porque o que está a passar entre o discurso e a realidade e paradoxo?
Queres defender a de[censurado]da se calhar que tudo está bem... Também cada um pensa da sua maneira e consoante as suas circunstâncias...
Responder
0 # Atento di Picos 23-05-2018 08:50
Para Joana Rosa, Cabo Verde é hoje um país “com mais segurança”. Só pode ser disparate... A de[censurado]da onde anda? Parece que não está em Cabo Verde, ou se estiver não está a acompanhar os factos mais marcantes em Cabo Verde?
Digo-lhe apenas uma coisa. Porquê tantos desaparecimentos em Cabo Verde, nestes últimos 2 anos e que ainda continuam a persistir?
Tenhamos lata e assumamos as nossas culpas, responsabilidades mas com coerência. Não é só chegar no palanque para abrir a boca e dizer apenas asneiras... Chega de Bla bla blá.
Responder
0 # Elisio Semedo 22-05-2018 22:35
Apenas posso dizer que ambos os governos falharam e falham redondamente. Me interessa o presente e neste presente ha mais desilusão porque houve promessa e não minima capacidade de e cumprir em matéria de segurança. Nada de diferente está sendo feito. A mesma metodologia. A querer, em três dias, os decisores poderão ter S nelhores ferramentas de combate à criminalidade. Uma tremenda desilusao. Nao interessa medir os crimes mas sim medir os criminosos e estes nunca diminuíram. Fico por qui pois que o que tenho a dizer já o disse desde há muito.
Responder
0 # Djosa Neves 23-05-2018 01:20
Pois, está visto: comparações para quê? avaliações, que coisa estupida, não é? Para mais quando o passado é incomodo!!Neurónios são coisas incomodativas. E no entanto, ao mesmo tempo : "nada de diferente está sendo feito" Isto é branquear o passado, fingindo que não importa e ao mesmo tempo colar o presente ao que de negativo aconteceu. De que se esconde o PAICV? Porquê não defende seus resultados? E como pode avaliar, se o passado recente foi esquecido?
Responder
+1 # Bruno Almeida 22-05-2018 21:59
O PAICV e a sua representante que deixem de tretas. Todos sabemos que em termos de criminalidade o PAICV muito pouco fez para travar ou mesmo acompanhar e monitorar atentamente a tendência ao surgimento de fenómenos criminais modernos. A prova irrefutável disso é a ligeireza que JMN e a Marisa Morais trataram o surgimento da delinquência organizada nos bairros: a solução foi fazer jogos de futebol de confraternização e cházinho entre a PN, JMN, Marisa Morais e os chefes de grupos delinquentes da cidade da Praia...o resultado toda a gente já sabe!
Responder
0 # Djosa Neves 22-05-2018 20:40
Em vez de destacar a possibilidade de se terem criado condições para um PACTO sobre a Segurança e daí a porta se abrir para outros caminhos positivos, o artigo fica á volta dos desvarios de alguns PAICVistas. Parece que estão contra JHA, numa das primeiras vezes que se destaca pela positiva.
Responder