Pub

Antonio Monteiro UCID

O presidente da UCID, António Monteiro, disse ter ficado “surpreso” com o aumento do Governo de 12 para 20 membros considerando que a remodelação é “demasiado profunda e extensa” e contradiz os argumentos defendidos pelo MpD nas campanhas eleitorais.

O líder da União Cabo-verdiana Independente e Democrática reagia, à Rádio de Cabo Verde, a partir da sede da UCID, em São Vicente, à primeira remodelação governamental da actual legislatura, apresentada hoje pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva ao Presidente da República.

“Hoje surpreendemos com um Governo que entra, de uma só sentada, mais oito elementos, partindo de 12 para 20, o que deita por terra todos os argumentos que o Movimento para a Democracia (MpD – poder) defendeu, de ter um governo reduzido, magro e eficiente, segundo palavras do primeiro-ministro, a menos de um ano e meio de tomada de posse”, afirmou António Monteiro, que se mostra “ansioso” para ouvir os argumentos actuais e observar a eficiência que esta mudança produzirá.

Por outro lado, os democrata-cristãos entendem que os resultados que o Governo vinha apresentando estavam “muito aquém” daquilo que o país necessitava, daí que, ao assumir esta posição, segundo António Monteiro, estará a dar razão à UCID pelas críticas levantadas em termos de resultados produzidos.

“Ao fazer a remodelação, o Governo dá a mão à palmatoria e assume que não conseguia cumprir com tudo aquilo que prometeu ao eleitorado cabo-verdiano e que a remodelação era necessária”, salientou, acrescentando que a remodelação “é demasiado profunda e extensa, o que poderá prejudicar a própria eficiência do sistema”.

Em relação ao ministro das Finanças, Olavo Correia, a UCID é da opinião que é um dos que “tem-se esforçado mais” para promover o desenvolvimento da economia do país e que com as dificuldades que vinha enfrentando merecia ter, sim, mais dois secretários de Estado, no máximo, para o auxiliar na tomada das decisões.

O ministro das Finanças passou a ter, entretanto, três secretários de Estado mas, pelo facto de agora acumular as funções de vice-primeiro-ministro, mais um encargo do que aquilo que tinha anteriormente, a UCID prefere, perante este novo figurino, esperar para ver se com esta maior responsabilidade e com uma nova equipa poderá fazer um trabalho “brilhante” em termos de políticas financeiras para o país.

Quanto à deslocação da sede do Ministério dos Transportes e Economia Marítima para a ilha de São Vicente, a UCID considera uma “boa medida” tendo em conta que as questões marítimas relacionadas com o país estão concentradas na ilha.

António Monteiro alertou, no entanto, para a questão dos transportes ao observar que não se deve olhar apenas para o sector marítimo, mas, também, para o rodoviário e o aéreo, e defendeu a separação destas duas pastas por um secretário autónomo para os transportes que “não necessariamente deveria sediar-se em São Vicente”.

Esta é a primeira mudança do elenco governamental que tomou posse a 20 de Abril de 2016, que era composto por 11 ministros, além do primeiro-ministro, e não tinha secretários de Estado.

Ulisses Correia e Silva, que não apostou na substituição de nenhum dos ministros que já fazem parte do elenco governamental, disse que está satisfeito com o desempenho destes, por isso vão continuar nas suas funções.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar