Pub

luios filipe

O Governo cabo-verdiano “alinha perfeitamente com a comunidade internacional”, designadamente a CPLP, a CEDEAO e o Conselho de Segurança das Nações Unidas e reconhece o executivo de Aristides Gomes como o legítimo da Guiné-Bissau. A posição de Cabo Verde foi manifestada esta manhã à imprensa pelo ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), que é também tutela da Defesa, Luís Filipe Tavares, após o desfile militar, realizado na Avenida Amílcar Cabral, no Platô, para comemorar o Dia da Defesa Nacional, que se celebra hoje, 6 de Novembro.

O governante disse que Cabo Verde vai continuar a trabalhar para que no quadro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) seja encontrada rapidamente as soluções para a crise política por que passa a Guiné-Bissau.

Sublinhou que Cabo Verde alinha com a posição do Conselho de Segurança das Nações Unidas, alegando que esta organização internacional “tem sido muito clara em relação a esta posição”, ressalvando que o alinhamento de Cabo Verde é o da comunidade internacional.

A este propósito, o chefe da diplomacia cabo-verdiana anunciou que a CEDEAO vai ter uma reunião “muito importante” esta sexta-feira em Niamey, no Níger, já que o presidente deste país preside à Cimeira dos Chefes de Estados da comunidade.

A Guiné-Bissau está mergulhada numa crise política institucional, com o Chefe de Estado, José Mário Vaz, a demitir o Governo de Aristides Gomes saído das eleições legislativas recentemente realizadas e a nomear um novo Governo, liderado por Faustino Imbali, dirigente do PRS.

Aristides Gomes e o seu Governo mantêm-se em funções e grande parte da comunidade internacional reconhece o seu executivo como único e legitimo na Guiné-Bissau a quem pedem que organize as eleições presidenciais marcadas para 24 do corrente.

Uma missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental encontra-se na Guiné-Bissau para mediar a crise no país.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # ministro fraco 11-11-2019 14:53
o governo de cabo verde alinha "PERFEITAMENTE" com a comunidade internacional, ou alinha INEQUIVOCAMENTE com a comunidade internacional? Sr ministro tem que saber pronunciar quando de diplomacia está a tratar.
Responder
+3 # Terra-terra 06-11-2019 22:26
Mas, estranhamente, a posicao do Oresidente da Assembleia Nacional, pronunciafa ontem na TCV vai num outro sentido! Que desacerto ou ? do Jirge Santos! Que vergonha?
Responder
+4 # so late 06-11-2019 16:18
Só agora essa posição oficial? Cabo Verde na qualidade de Presidente em exercício da Comunidade de Paises de Lingua Portuguesa já deveria ter tornado pública a sua posição quanto à decisão do presidente da GB em demitir o governo legítimo saido das eleições de março. Por isso que a nossa diplomacia está a perder credibilidade, dia após dia. Mas, quoi faire?
Responder