Pub

JMN UA

José Maria Neves, chefe da Missão de observadores da União Africana que acompanhou as eleições em Angola, garante que tudo decorreu na normalidade, com respeito pela legislação e procedimentos estabelecidos, mas fez recomendações visando a melhoria dos próximos actos eleitorais.

Apesar da disparidade dos números avançados pelo MPLA e pelos partidos da oposição, está oficialmente conformada a vitória do partido ainda liderado José Eduardo dos Santos, e que apresentou como candidato presidencial João Lourenço. E a União Africana, d a sua parte, mostra-se satosfaoeta com o processo.

Em conferencia de imprensa, o chefe da missão de Observadores da UA, José Maria Neves, congratulou-se com clima de tranquilidafe e respeito pela legislação e as regras prestabelecidas para as eleições em Angola, mas fez algumas recomendações que acredita virem a melhorar o processo nas eleições futuras.

O antigo primeiro-ministro de Cabo Verde sugere por exemplo a cobertura equitativa da campanha eleitoral por parte da imprensa pública, a divulgação atempada dos registos eleitorais e um diálogo permanente da CNE com todos os actores do processo eleitoral. A UA recmenda, assim, ao Governo “o reforço do órgão regulador da comunicação social de modo a garantir o acesso e a cobertura equitativos de todos os partidos políticos e candidatos nos meios públicos de comunicação social”, bem como “tomar medias que visem encorajar uma maior representação política e maior das mulheres, jovens e grupos minoritárias” no processo eleitoral.

O chefe da missão da UA, disse que os observadores presenciaram a abertura, a votação, o encerramento e o apuramento dos resultados em 260 assembleias de voto, em áreas urbanas e rurais das 18 províncias angolanas.

“O processo eleitoral ainda está em curso e, por isso, haverá um relatório final mais detalhado que será posto à disposição das autoridades angolanas em tempo oportuno”, avançou Neves, antes de apresentar um quadro do que os observadores registaram no dia 23.

“Houve uma atmosfera calma e de tranquilidade em todas as assembleias visitadas, sem nenhum incidente digno de realce”, a maioria das assembleias foi aberta atempadamente, houve material suficiente e as cabines de votação, “de modo geral foram colocadas de forma apropriada, garantindo o segredo do voto”, continuou José Maria Neves.

No que conta ao pessoal, os observadores constataram que o pessoal eleitoral estava presente, “com realce para a grande representação de mulheres e jovens nas assembleias” e que “ os procedimentos de abertura, votação, encerramento e apuramento foram realizados de acordo com a lei do país”

Neves registou "a presença dos representantes dos partidos políticos em todas as assembleias de voto visitadas, “embora nem todos os partidos tenham estado presentes”, disse. “A missão constatou a fraca presença de observadores nacionais”, destacou o chefe da missão da UA.

Depois de se referir ao “grande dispositivo de segurança, que contribuiu para um ambiente de segurança no dia do escrutínio”, que de forma discreta e profissional ficou a uma distância regulamentar, José Maria Neves indicou que “a missão constatou que a maioria das assembleias visitadas encerrou na hora prevista e o processo de apuramento decorreu nas mesas de voto em conformidade e na presença de representantes dos partidos políticos e observadores internacionais”, o que contribuiu para a transparência do processo.

Quanto à CNE, a missão da UA recomendou “considerar o reforço dos mecanismos de diálogo permanente cm actos eleitorais nacionais, por forma a promover uma maior inclusão de todos no processo eleitoral” e tomar mediadas que melhorem“o processo de acreditação dos representantes dos partidos políticos” junto daquele órgão.

As eleições angolanas do dia 23 foram acompanhadas por organizações e individualidades num número superior a mil observadores, segundo o Governo, mas a oposição acusou o Executivo de apenas ter permitido a entrada de observadores próximos ao poder.

Com Voz da América



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar