Pub

 francisco carvalho

1. Uma das formas mais eficazes para avaliarmos uma liderança está em analisar a maneira como a instituição liderada perdura após o seu líder cessar funções. O que, no limite, inclui a própria possibilidade de desaparecimento dessa instituição, após o afastamento - voluntário ou forçado - desse líder. Costuma-se recomendar que um líder deva preparar a instituição que lidera a ponto de ele mesmo passar a ser um indivíduo dispensável a essa organização. É à luz deste princípio que Amílcar Cabral ganhou para sempre o estatuto de um líder extraordinário. Construiu o processo de libertação de Guiné-Bissau e Cabo Verde de tal forma que o alcançar desse objetivo de luta, a independência nacional – como se veio a comprovar – é um resultado que acaba por ultrapassar a própria existência física de Cabral. É que a concretização da independência ocorre dois anos e cinco meses depois do seu assassinato! Falhou o plano, seguramente, considerado infalível: eliminar o líder como forma de ditar o fim da luta pela independência nacional dessas duas, então, colónias de Portugal; 

2. Em Conacri, há 46 anos, quando ocorre a fatídica noite de sábado, de 20 de janeiro de 1973, as ideias de Amílcar Cabral; o seu pensamento; e a sua forma de ver o mundo colonial de então; já lhe tinham ultrapassado, tendo-se multiplicados na alma e nas mentes de cada um dos combatentes – qual semente que germina e cresce, cada vez mais forte – a ponto de estar concluída a tomada de consciência de todos, tornando-se, assim, absolutamente ineficaz travar a luta através da eliminação do líder. Afinal, este já se tinha propagado em cada um, através das suas ideias, simultaneamente, revolucionárias e de base para a construção de uma nova Nação, constituída por homens livres da opressão colonial. Sim, nestes tempos de manipulações e redefinições de conceitos, em que nem escapa a noção de liberdade, é preciso lembrar sempre que Cabo Verde - em primeiro lugar - teve de ser liberto da sua situação de colónia, de cidadão de segunda!

Amilcar Cabral

3. Entre as várias ideias e reflexões de Amílcar Cabral – sem nenhuma pretensão de qualificar ou estabelecer qualquer hierarquia entre as mesmas – há uma que se destaca de um modo muito particular. É a máxima que, ao mesmo tempo, indica e ordena, sugere e vaticina, a única saída possível para uma Nação inteira. É quando Cabral afirma: “aprender, aprender sempre; pensar com as nossas próprias cabeças”. É nesta máxima que Cabral combina a total abertura em ouvir os outros com a imperiosa necessidade de, a partir dos saberes dos outros, construirmos os nossos próprios saberes. É um partir da humildade da abertura ao conhecimento dos outros para assumir a autonomia para a produção de um novo conhecimento do e para o país!

4. Este é o pensamento mais profundo alguma vez elaborado sobre o que é ser caboverdeano. Cria todas as possibilidades de ousadia. É uma proposta de partida, um ponto de arranque para um Estado que estaria a partir do nada, sem indústria e sem escolas superiores, o que equivale a dizer, sem centros formais de produção material, nem intelectual, sem fábricas, nem universidades. Assim, sob o risco imediato de importação de tudo, ideias e produtos, comida e pensamento. Então, Amílcar Cabral lança o desafiante caminho de proceder à importação sim, mas para agir sobre o importado. Para pensar sobre o importado. Daí o pensar com as nossas próprias cabeças;

5. Passados 43 anos da independência de Cabo Verde, estamos a fazer um retrocesso em relação ao cumprir Amílcar Cabral. As universidades depois de criadas - atingindo o seu ponto máximo de existência - ainda não produziram propostas de pensamento específico para as mazelas e mitos da sociedade caboverdeana e na sua relação com o mundo. Sem invenções, nem inovações, aprofunda-se o caminho da cópia de modelos importados. O Estado, cada vez mais fraco, vendido ao desbarato em processos de privatizações ruinosos para a construção de qualquer futuro onde poderia haver capacidade de inovar e enfrentar as receitas do FMI e do Banco Mundial. Assim, afastamo-nos de cumprir Cabral e damos mostras de, enquanto país, até ainda, não termos percebido o alcance do "pensar com as nossas próprias cabeças".



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+4 # Diniz Moreno 21-01-2019 15:40
Francisco Carvalho, é preciso ... pensar com as nossas próprias cabeças, que é um processo continuado de luta ideológica. Nem todos aceitam essa postulação teórica cabralista, porque a luta ideológica assim o permite. O que também não existe é a desideologização no processo social, ou seja, nas relações entre grupos sociais diferenciados.
Francisco, continua a ajudar-nos a construir visões sobre a evolução do processo social cabo-verdiano.
Responder
-5 # Rogério Spencer 20-01-2019 23:10
Pensar com a própria cabeça, sei não durante muito tempo seus patrões pensaram com cabeça em Moscovo e estâmago em Washington. Este artigo não parece de alguém que pensa com cabeça. Ideias truncadas, frases malfeitas, panfletagem quanto basta, eis os legados que o Francisco abocanhou dos maoistas.
Responder
-5 # Antonino Robalo 20-01-2019 08:35
Permita-me discordar da maior parte do conteúdo do seu artigo. Parece que não viveu os duros tempos do pos-independencia em que tudo era estatal, o privado foi considerado um explorador do povo, não havia incentivos aos privados, ou melhor, os privados eram praticamente proibidos de funcionar. Resultado: Só o Estado era o maior, era o que criava todas as empresas, as sustentava com os recursos do Estado porque nunca foram rentáveis, a gestão das mesmas era danosa, faltava quase tudo no mercado, era tudo importado e vendido a preços exorbitantes porque não havia concorrência, tudo era fornecido deficientemente, havia bicha para tudo, havia clientelismo para tudo, nenhuma empresa era rentável, porque não havia dono, porque o dono era o Estado e o Estado somos todos nós, a maoir parte dos recursos era roubada. As ajudas da cooperação internacional é que sustentavam o Estado, o pouco que sobrava do bico dos galos cooperantes.
Tivemos uma pequena amostra há pouco tempo, na companhia de bandeira, a Tacv que durante mais de quarenta anos funcionou a força dos recursos do Estado, mas os seus funcionários se enriqueciam à custa da empresa. As privatizações são um mal necessário. O capitalismo é um mal necessário, os privados são necessários para o desenvolvimento do país, pois são eles que criam empregos. O Estado cria empregos quando incentiva os privados a investirem.
Se Cabral estivesse vivo estou certo que ele não se enveredaria pir um Estado gordo por muito tempo. Estou certo que, havendo iniciativas de cada um de nós, o Estado criara condições para investigação, para investimentos, para i desenvolvimento da iniciativa privada. É e deverá ser a função do Estado na economia para que com impostos possa sustentar a sua máquina e desenvolver as funções sociais: a educação, a saúde, a proteção dis mais vulneráveis, prevenir catástrofes, defesa, etc.
Responder
+4 # Francisco A.Carvalho 20-01-2019 15:36
1. Na verdade o Antonino Robalo discorda de apenas um único ponto, uma única ideia: o papel do Estado;

2. A ideia de um Estado mínimo, cuja única função seja o de criar condições para apenas um reduzido grupo de pessoas se enriquecerem, é uma das ideias que está a arruinar o mundo. Esta ideia é que fez com que hoje, no mundo, 1% de pessoas detenham a mesma riqueza dos 99% de pessoas restantes! As pessoas andam a comprar gato por lebre!

3. O que me diz o Antonino do caso da Noruega em que o Estado detém a maioria das empresas do país? E são todas muitas lucrativas! Mas, há um detalhe importante: o lucro dessas empresas são canalizados para o financiamento do Estado Social:saúde, educação, transportes, etc. Sabe para onde vai o lucro do privado?

4. Este capitalismo selvagem é um dos maiores males do mundo!

5. Não há gestor privado e gestor estatal. Há gestor competente e gestor incompetente. O resto é conversa que vem enganando pessoas.

PS: tem aqui o link de uma das notícias sobre o estudo que revela essa acumulação da riqueza mundial em 1% de pessoas.

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160118_riqueza_estudo_oxfam_fn
Responder
+1 # Risolena 05-02-2019 15:07
Francisco Carvalho perfectie candidato
Responder