Pub

BCV

O Platô transformou-se nestes últimos tempos num centro público de lavagem de dinheiro e branqueamento de capital. Tudo ao gosto do freguês. Consta que até armas de fogo e munições circulam tranquilamente entre os “feirantes”. Ou melhor, entre quem vende e quem compra. Tudo isto acontece à luz do dia e é do conhecimento de cidadãos e instituições.

São várias dezenas de indivíduos, de ambos os sexos, que durante o dia fazem câmbio e outros negócios, na barba-cara do Banco de Cabo Verde, tido como regulador do sector financeiro, e paredes meias com bancos comerciais, INPS, Seguros e demais instituições judiciais e de ordem pública e comunitária, concretamente o tribunal da Praia, a Câmara Municipal da Praia e o Comando Geral da Polícia Nacional.

O centro da capital do país, Platô, concentra, desde sempre, as principais instituições da República, pelo que é impossível que as autoridades não tenham tomado conhecimento desta situação do mercado negro do dinheiro, a funcionar de portas escancaradas no coração da cidade há mais de duas décadas.

Centro do poder político e administrativo, Praia é uma cidade que deve inspirar confiança aos seus habitantes e ao país inteiro.

É certo que o negócio do dinheiro no coração da capital do país é uma grande ilegalidade, podendo configurar-se em crime financeiro. São milhões que fogem ao controlo financeiro do país e ao crivo do banco central, que exerce o papel de supervisão e regulação do mercado financeiro nacional.

Num país com as características de Cabo Verde, onde todo o mundo conhece todo o mundo, como é que se explica este silêncio institucional à volta deste ato que se não for crime público é pelo menos um crime em público?

Sabendo que as rabidantes são física e psicologicamente “chicoteadas” pelos guardas municipais, pelo simples facto de venderem frutas, dropes e outras bugigantes de modo a garantirem uma refeição para os seus filhos, como aceitar este fechar do olho institucional e social em relação a este ato, que se configura crime público - ou será crime em público - cometido pelos negociadores do dinheiro?

Com efeito, não deixa de ser estranho que os serviços de fiscalização camarária estão investidos de poder e autoridade para correr atrás de vendeiras ambulantes, em certas situações com violência, e não têm este mesmo poder e autoridade para impedir que pessoas bem identificadas façam negócios ilícitos com toda a naturalidade no coração da capital do país.

São situações e factos que interpelam o estado de Direito, e colocam a cidade da Praia nos limites do abandono, no que tange à organização e cumprimento de normas de civilidade.

Por exemplo, o funcionamento desta feira do dinheiro é tanto mais gravoso, quando se sabe que muitas vezes os “feirantes” chegam a vender e comprar o produto – dinheiro – na mesma rua onde está o gabinete do Diretor Nacional da Polícia Nacional, a entidade máxima quando o assunto em pauta é ordem pública.

É algo preocupante, mas que, apesar de tudo, tem passado completamente à margem das agendas oficiais, seja judicial, policial, política ou administrativa. Há décadas que esta situação acontece nas barbas das autoridades. Completamente impunes, totalmente à-vontade.

O gabinete do Vice-Primeiro ministro e ministro das Finanças está um pouco mais abaixo, porém na mesma plataforma, e como os “feirantes” normalmente andam á caça de potenciais clientes um pouco por todas as ruas adjacentes e até na praça em frente à Igreja Matriz, é possível que tenham já interpelado o Olavo Correia para comprar ou vender divisas. E faz sentido, o homem anda sempre em viagens, certamente há de em algum momento ter consigo umas divisas nos bolsos… Ou escudos, para cambiar.... enquanto aguarda uma próxima missão…?

Por outro lado, sendo o ministro das Finanças um amigo confesso dos empresários e demais empreendedores, pode ser, eventualmente, que estes “feirantes” também façam parte do pacote do setor privado a ser incentivado e empoderado… quem sabe?

São questões que ficam a aguardar respostas de quem de direito…

Quanto ao papel da Câmara Municipal da Praia e dos seus serviços de fiscalização está claro que a aposta é “infernizar” a vida das vendedeiras ambulantes, arrombar as casas clandestinas construídas por essas mesmas vendedeiras, ou por famílias da mesma condição social que elas, delapidar os terrenos municipais em Parceria-Público-Privado de legalidade duvidosa, ou em leilões com vencedores antecipados.

É esta a realidade da capital de Cabo Verde, que as autoridades políticas, administrativas e judiciais fingem desconhecer.

É sim! Por isso, antes de terminar, fica aqui um apelo a cada cabo-verdiano de boa vontade, no sentido de responder, para si mesmo, que capital está a ser construído? E quem diz capital, diz Cabo Verde…? Estará a máfia definitivamente infiltrada no poder político ou o poder político conquistou a máfia?

A direção,



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+3 # Delgado Matias Anton 05-09-2019 10:51
Peço que continuem a fazer este grande serviço aos Cabo-verdiano porque para coitados que labutem para ter pão para seus filhos o Estado carrega em cima deles , para os de fatos e grevata o Estado faz -se de cego mudo e paralítico .Desejo-vos milhões de força para continuarem a dar ao povo todas essas informações
Responder
+2 # Delgado Matias Anton 05-09-2019 10:40
Eu só vos peço de continuar a trabalhar nessa mesma maneira independente de quem está no poder. Para os pobres coitados à mão pesada para os de fato e gravata fechamos os olhos . Força e mais Força .
Responder
+6 # Somada 04-09-2019 11:25
Em Assomada, também, é o mesmo que acontece. Vários jovens e pessoas mais velhas circundam o cruzamento do mercado nesse negócio que aguarda cobro por parte das autoridades deste país.
Responder
-8 # França 04-09-2019 09:46
SANTIAGO MAHAZINE KUSA FLA DJA KABA ........NHOS KA TENI MAS NADA ATAKA CÂMARA E GOVERNO DJA BEM KU ES ASSUNTO. ATÉ É VERDADE EM ALGUNS PONTOS ME MAS NHOS ESCREBI KUSAS MA POLÉMICO E MAS FORTE PA OPINIAO PUBLICA PODE COMENTA. KELI SEMPRE EXISTIU DESDE TEMPO PORTUGUÊS, PA KABA É DIFICIL.
Responder
+6 # Jaime Silva Miranda 04-09-2019 08:58
Este país está em dias de ser, o que antes nunca imaginara. Esperamos para quando os casinos estiveram a funcionar, correndo muita massa, o que fará os poderes para acautelarem a circulação dessa grande massa monetária.
Responder
-9 # Dinhero k ka ta kaba 04-09-2019 08:53
"A direção,". Que tal assinares o artigo com o nome próprio???
Responder
+5 # Paulo Pires 04-09-2019 09:44
Anho Cambista na Plato ou na Eugénio Lima.

Praia esta um Cidade moda fora.

Munti brabo sem qualquer educação e civismo.
Responder
+8 # Candido 04-09-2019 08:11
Não é por acaso que cabo verde afigura neste momento como o segundo país do mundo com mais riscos de lavangem de capitais. Aqui os traficantes e narcotraficantes recem o nome de empresarios de sucesso, os politicos recebem financiamento de proveniencia duvidosa, os traficantes sao activistas politicos como o caso de Eugenio Lima aonde um conhecido traficantes fazia campanhaa favor do partido Mpd, os rios de dinheiro que anda a circular em cabo verde alias alguem disse dinheiro que nunca acaba advem wm grande parte de lavangem de capital e narcotrafico
Responder
0 # Djosa Neves 04-09-2019 07:25
Quando a ESTUPIDEZ faz parte da natureza, nem com banhos de diplomas se consegue evitar a proliferação da MIRDIA.
Responder
-6 # Aquilino 04-09-2019 06:56
De tão vontade de publicar notícias falsas e (para não diser besteras) nem se querem prestarem a atenção nos teclados para escrever ou corrigir depois.
Santiago magazine parece ser um blog dos populistas.
Responder
-7 # Bento Fortes 04-09-2019 06:43
em todos os paises existe isto. é ilegal mas é uma forma de fugir das taxas abusiva dos bancos comerciais. a vista grossa das autoridades é entendivel. mas o submundo deve ser combativo. na holanda a venda de droga é legal, mas o crime é rigorosamente punido.
Responder
+7 # Paulo Pires 04-09-2019 09:43
No Ecobank paga-se 140 escudos em Taxas para câmbio.
E não há risco de dinheiro falso!
Responder
+3 # Carlos Rocha 04-09-2019 09:29
Não, não é verdade que a venda de droga é legal na Holanda, daí, como disse e bem.."é rigorosamente punido. O que é liberal, ou seja legal, é o consumo da droga sendo o Estado um dos distribuidores deste estupefaciente aos consumidores/drogados
Responder