Pub

 chiquinho

A CV Interilhas, concessionária do serviço de transportes marítimos de passageiros e cargas em Cabo Verde, anunciou esta terça-feira, 28 de janeiro que chegou ao país o seu primeiro navio, batizado de Chiquinho BL, que inicia viagens em 18 de fevereiro.

Em comunicado, a CV Interilhas, liderada pelo grupo português Transinsular, referiu que o navio, construído no estaleiro de Busan, na Coreia do Sul, chegou hoje ao Porto Grande, no Mindelo, ilha de São Vicente, após 54 dias de viagem.

A mesma fonte adiantou que o navio será agora encaminhado para os estaleiros navais da Cabnave onde será armado e aguardará a conclusão dos respetivos procedimentos administrativos de licenciamento, nomeadamente alteração de bandeira.

O barco deverá começar as viagens entre as ilhas de Cabo verde em 18 de fevereiro, conforme previsão da CV Interilhas, que continuará a realizar as suas operações normais com os cinco navios fretados.

A concessionária vê a chegada do Chiquinho BL como um "marco importante" para o país, representando uma "viragem" na melhoria da qualidade e eficiência do serviço público de transportes marítimos em Cabo Verde.

O novo navio da frota da CV Interilhas tem 76 metros de comprimento, capacidade para 430 passageiros e 50 veículos ligeiros, podendo carregar viaturas até 50 toneladas.

O barco será dedicado exclusivamente à linha de maior tráfego do país - S. Vicente / Santo Antão - e a CV Interilhas prevê que venha a transportar, ainda este ano, cerca de 300 mil passageiros e 30 mil viaturas.

A CV Interilhas está a operar desde 15 de agosto em Cabo Verde, tendo já realizado mais de 2.000 viagens, transportando mais de 250 mil passageiros e 20 mil viaturas.

A CV Interilhas é detida em 51% pela Transinsular, do grupo português ETE, enquanto 49% pertencem a armadores cabo-verdianos, que fornecem os navios para estas ligações entre ilhas e que antes operavam de forma independente nas ligações entre ilhas.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar