Pub

emprofac

A consultora internacional Ernst & Young vai assessorar o governo, nos próximos sete meses, no processo para a privatização da Emprofac, a fechar em Julho do próxino ano. O concurso será aberto em Junho de 2020, mas já existem, ainda que informalmente, interessados: uma empresa portuguesa e outra cabo-verdiana.

O processo de privatização da empresa pública de distribuição de medicamentos, Emprofac, já arrancou. O Governo acaba de contratar a prestigiada consultura internacional, Ernst & Young, para preparar todo o processo que deve ficar concluído em Julho de 2020 com o anúncio do vencedor do concurso internacional.

Segundo fontes de Santiago Magazine, a Ernst & Young venceu o concurso de consultoria e tem agora um prazo de sete meses para avaliar a empresa de distribuição de medicamentos e orientar o governo sobre qual a melhor estratégia a adoptar para privatizar a Emprofac. Na verdade, e conforme atestam as nossas fontes, a Ernst & Young tem duas missões bem distintas: primeiro, efectuar a avaliação da empresa e como irão ficar os 40% que a Emprofac detém no capital social da Inpharma, a produtora de medicamentos; e depois orientar o Governo sobre qual a melhor opção para a privatização, se um concurso público ou restrito.

Todo esse trabalho de preparação terá de ser feito em sete meses (Outubro deste ano a Maio de 2020), para que em Julho seja conhecido o vencedor do concurso de privatização da Emprofac, que deve ser lançado um mês antes. 

Entretanto, e ainda a meses do lançamento das candidaturas, já se conhecem interessados. Um deles é o grupo português Mercafar, que já trabalha com a Emprofac (é o seu segundo maior fornecedor com 12,97% do total de transacções) , e que manifestou o seu interesse em entrar no capital da empresa de comercializaçáo de medicamentos através de uma entrevista do seu PCA ao boletim Saúde & Comunicação, da Emprofac.

Também está de olhos nesse processo a Sodifarma, sociedade liderada pela Farmácia Santa Isabel (Achada Santo António), pertencente à família Maurício dos Santos, antigo secretário de Estado dos Transportes e Telecomunicações, tutelado pelo Ministério das Infra-estruturas, na década de 1990. Aliás, fontes deste diário digital atestam que essa sociedade (era para ter todas as farmácias como accionistas, mas muitas negaram investir 3 mil contos, pelo que a farmácia pertencente à família dos Santos ficou com a fatia mairitária) estará na pole position para vencer o concurso de compra das acções da Emprofac.

E logo que o Governo anunciar oficialmente a abertura do concurso para a privatização da Emprofac outros interessados deverão aparecer, sobretudo de Portugal, principal mercado fornecedor de Cabo Verde. Acresce-se a isso o crescimento vertiginoso da empresa nos últimos tempos. A comercializadora e distribuidora de medicamentos fechou 2018 com um lucro de 200 mil contos (2 milhões de euros), com subida de 13,6% nas vendas, segundo o seu relatório e contas.

Poderá ser também um factor aliciante a diversificação dos países fornecedores, isto é, hoje a Emprofac procura relações comerciais com empresas do Senegal e Marrocos, a fim de evitar a excvlusividade do mercado português.

(Actualizado às 11:01, 10/10/2019)



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

-1 # toto 13-10-2019 14:16
" A consultora internacional Ernst & Young vai assessorar o governo" ou a Famíglia Santos ?
Responder