Pub

 Carlos Maura Audições Parlamentar

Ex-presidente da Comissão Executiva (PCE) do Novo Banco responsabiliza os accionistas pelo descalabro do banco público. Porque, diz, não reforçaram o capital como os estudos recomendavam e os próprios assumiram.

Carlos Moura, que foi PCE do Novo Banco entre 2013 e 2016, não tem dúvidas: “se tivesse sido cumprido as realizações de capital, conforme ditava o plano de negócios, as coisas poderiam ser diferentes”, disse esta quarta-feira, 12, o ex-gestor do Novo Banco à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), criada para esclarecer os contornos da criação e extinção dessa instituição financeira criada em 2010 e extinta este ano pelo BCV.

Segundo Moura, ao longo dos anos não houve qualquer reforço do capital, que, de acordo com o plano de negócios, devia atingir os 900 mil contos. “O capital inicial era de 300 mil contos e o plano de negócios descrevia que o reforço do capital devia chegar até 900 mil contos”, afirmou, reiterando que “o problema do capital bloqueou todo o desenvolvimento do Novo Banco”.

O gestor sublinhou aos deputados da CPI que todas as auditorias feitas indicavam para a necessidade de investimentos no Novo Banco, que, entretanto, não eram suportados pelos accionistas, daí rejeitar qualquer acusação de má gestão como a causa pelo descalabro financeiro do NB - de resto uma posição que já tinha assumido anteriormente na imprensa.

O banco, revelou ainda, funcionava sem um departamento de auditoria interna porque a sua criação teria que aumentar os custos de estrutura e de certa forma complicar o resultado seu líquido, que, na altura em que entrou, já era negativo. “Nós fomos fazendo aquilo que podíamos porque o banco estava a funcionar e não havendo capital não podíamos fazer despedimentos, não podíamos fechar” disse.

Conta ainda que quando entrou para a gestão do Novo Banco, em 2013 encontrou a “situação já complicada”, tendo recebido também a indicação que os accionistas não estavam dispostos a injectar mais capital.

Por isso, adiantou que elaborou um plano de recuperação e saiu em busca de parceiro externo. “Encontramos esse parceiro, Afriland First Bank dos Camarões, e o trouxemos para aqui, mas o negócio não foi para frente”, revelou, acrescentando que houve também um plano encomendado do PWC, empresa portuguesa, que também não foi viabilizado pelos accionistas.

Carlos Moura é de opinião que caso esses planos tivessem sido aprovados pelos donos o banco estaria a funcionar normalmente pelo que considera que “foi um erro o fecho do Novo Banco”.

Único banco de capital público em Cabo Verde, o NB foi encerrado em março deste ano através de uma medida de resolução decretada pelo banco central, e que consistiu na alienação parcial das suas actividades e da maior parte dos seus activos e passivos à Caixa Económica de Cabo Verde (CECV). Em causa o au funcionamento do NB que causou prejuízos de mais de um milhão e 800 mil contos aos Estado. Como resultado da sua extinção cerca de 60 trabalhadores foram para o desemprego.

Eram accionistas do Novo Banco, o Estado de Cabo Verde que tinha uma participação de 42,33%, o Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) com 28,28%, a com CECV 11,76%, os Correios de Cabo Verde com 7,35%, a Imobiliária Fundiária e Habitat (IFH) com 7,35% e o Banco Português de Gestão com 2,94%.

Santiago Magazine/Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar