Pub
Por: Redacção

olipio

Músicos, cantores conhecidos e outros anónimos, construtores de violão, pessoas comuns que vivem a morna diriamente deram a cara numa exposição fotográfica que acompanhou o dossier cabo-verdiano sobre o estilo musical hoje classificado Património da Humanidade. Ei-las.

As fotos (10 no total) compõem o mosaico de imagens que foi exibido na Unesco, e publicado no site oficial desse organismo, para ilustrar as diversas paisagens da Morna, desde uma animação num bar, tocatina entre amigos, shows intimistas até como repertório em cortejos fúnebres. Há, claro, registos de onde se fabrica um dos instrumentos principais da morna, o violão, e a imagem imponente e sábia do percurssor disto tudo: o poeta Eugénio Tavares (estátua), que, segundo alguns documentos, terá escrito a primeira morna conhecida. Um perfeito cartão postal, portanto.

Todas as fotos, tiradas em Cabo Verde e na diáspora, saíram da câmara fotográfica de Augusto Brázio (curiosamente, uma das personalidades ontem homenageadas pelo Governo com Primeiro Grau da Medalha de Méwrito Cultural por esse feito) e foram feitas na presença de uma equipa da Unesco, à medida que percorriam todos os lugares onde se pode ouvir e sentir uma boa morna ou chamavam executantes para tocar músicas e estilos específicos O resultado foi a classificação da Morna, no pasado dia 11 de Dezembro, a partir de Bogotá, Colômbia, como Património Cultural Imaterial da Humanidade. 

 

Tema relacionado: Governo condecora grupo que trabalhou dossier Morna a Património Mundial

 

Veja, em baixo, as imagens destes ilustres desconhecidos, junto de outras tantas personalidades famosas, que "escaparam" a um elogio, menção ou qualquer referência depois de, com os seus préstimos, também terem contribuído para que o mundo soubesse o que é esta nostálgica melodia que encanta e mexe com a alma e só se faz em Cabo Verde.

eugenio

Eugénio Tavares, poeta e compositor

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018

 

 

mornapatrimonio1

Tocatina

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018

 

 

mornapatrimonio

Ricardo, guitarrista, e Tej, cantor

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018

 

 

mornapatrimonio12

Funeral acompanhado por tocadores de morna

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018

 

mornapatrimonio13

Maria Sameiro, cantora de morna

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018

 

 

mornapatrimonio14

Ivanilda Delgado com Kaku Alves e banda, noite cabo-verdiana

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018

 

 

mornapatrimonio15

Tito Paris, músico

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018

 

 

mornapatrimonio16

Brasa de Fogo Band, conjunto de emigrantes cabo-verdianos que tocam morna

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018

 

mornapatrimonio17

Aniceto Gomes, construtor de instrumentos de corda

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018

 

olipio

Sr. Olímpio Varela, tocador de violino, e Manel Caloti, guitarra de dez cordas tocando mornas antigas

© Augusto Brázio and Ministry of Cultue and Creative Industries, Cabo Verde, 2018



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Jorna Lista 20-12-2019 15:00
Estes é que são os rostos da morna!!?!? Palhaçada!
Responder