Pub

 manuel pina

Um desentendimento entre o presidente da Câmara Municipal de Ribeira Grande de Santiago, Manuel de Pina, e o vice-presidente da Juventude do Partido Africano da Independência (JPAI) vai parar à esquadra policial com acusações de ambas as partes.

Tudo começou, segundo contam os dois envolvidos, no sábado durante os jogos das finais, disputados no encerramento do Praia Beach Games 2019, na cidade da Praia. Dia em que a formação da Ribeira Grande de Santiago venceu Os Deep por 2-1, sagrando-se campeão em futebol de praia masculino.

Conforme relatou Abdulay Fonseca este foi preso “injustamente” pela Polícia Nacional, a mandado de Manuel de Pina. Isto, porque, disse, estava ele no meio dos adeptos de Ribeira Grande que, descontentes pelo facto do autarca ter comparecido apenas na final, gritavam que este não era bem-vindo.

“Ausentei do local e, quando voltei, encontrei o presidente acompanhado de dois agentes da polícia. Ele (Manuel de Pina) me deu voz de prisão e me levaram para esquadra, com alegações que eu estaria a perseguir e faltar ao respeito ao presidente com palavras”, contou o vice-presidente da JPAI na Ribeira Grande, negando as acusações de Manuel de Pina.

Abdulay Fonseca disse ainda que ficou detido na esquadra de Achada de Santo António desde as 23:00 de sábado até as 13:00 de domingo, quando sua advogada foi pedir Termo de Identidade e Residência.

“Eu não poderia ser detido apenas por causa de uma queixa. Eu não discuti com Manuel de Pina e nem o dirigi palavra em nenhum momento”, afirmou este “jota”, questionando as razões que levaram à sua detenção. Aliás, respondeu o mesmo que o presidente da câmara o mandou prender apenas por este ser vice-presidente da JPAI em Ribeira Grande Santiago e por estar constantemente a confrontar a edilidade sobre as políticas para a juventude no concelho.

Mais adiante, Abdulay Fonseca disse ter-se sentido humilhado e prometeu levar este caso até “as últimas consequências”, a começar por apresentação de uma queixa-crime contra Manuel de Pina e o comandante da Esquadra da Polícia Nacional de Achada de Santo António.

Por seu turno, Manuel de Pina afirmou que esteve no local a convite da Câmara Municipal da Praia para ir participar na final do referido torneiro. “Logo que cheguei na Gamboa este indivíduo começou a perguntar o que fui lá fazer. Pensando eu que ele estaria a brincar fui para o cumprimentar, mas este se recusou”, completou.

Em seguida, o edil de Ribeira Grande disse que seguiu o seu caminho e foi se sentar, mas que Abdulay Fonseca “continuou a dizer e a instigar mais pessoas a gritar” que Manuel de Pina não tinha nada que estar ali a fazer.

Ao ver que a situação estava a ficar agravada, frisou Manuel de Pina que teve de avisar a Polícia Nacional que estava a ser perseguido por “aquele indivíduo” e que iria lhe dar voz de prisão, por conta daquilo que classificou de “tamanha falta de respeito”.

“Durante todo o tempo que estive ali e de costas para a bancada. Corri o risco de alguém atirar algum objecto contra a minha pessoa. Este indivíduo tem me perseguido até nas redes sociais, me chamando de todos os tipos de nomes. A partir de agora vou tomar medidas. O caso já está no tribunal e vou levar até as últimas consequências”, completou.

Manuel de Pina criticou ainda o facto de Abdulay Fonseca ter passado apenas um dia detido. “Dormiu um dia na esquadra. Mas era para ter ficado ali até segunda-feira para ser entregue ao tribunal”, acrescentou o autarca, afirmando que a justiça cabo-verdiana funciona “bastante mal.

“O procurador que mandou soltar Abdulay Fonseca, dentro do período normal do processo, fez um mau serviço à Justiça cabo-verdiana. Queria saber se ele estivesse na mesma situação, a ser xingado e chamado de vários nomes publicamente, como é que agiria”, criticou Manuel de Pina, frisando que “por isso é que esta terra tem indivíduos a agir à margem da lei, sem respeito à lei e às autoridades”.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # LIDIA BRITO 15-08-2019 12:39
"xingado e chamado de vários nomes publicamente". O Presidente da CMRGS foi xingado e chamado de vários nomes publicamente durante uma manifestação pública na Cidade Velha, porquê não chamou as forças armadas contra os Manifestantes? O PM foi xingado e chamado de vários nomes publicamente várias vezes em Gamboa e em São Vicente e nada aconteceu. E agora a justiça funciana mal neste país ? Paxenxa
Responder
+1 # vasco mascarenhas 14-08-2019 09:39
Agora é um presidente de uma CM que ordena aos policiais quem deve ser preso????? Que país é este??Que policiais são esses e que polícia é essa, que trabalha a mando de políticos??
Responder
+3 # imparcial 13-08-2019 21:29
Os políticos sao instados a agir em estrito respeito pelo Estado de Direito democrático. Volta e meia os políticos fazem asneiras de todo o tipo, mas basta um cidadão manifestar o seu descontentamento, ainda que de forma pacífica, eles sentem-se ofendidos, e pior do que isso, tem atitudes prepotência e abuso de poder. É preciso parar com essas cenas porque a democracia nao é propriedade de nenhum político. O presidente da Câmara de Ribeira Grande devia ser preso por ter abusado do poder.
Responder