Pub

Jorge carlos Fonseca00

O Presidente da República promulgou a lei que extingue o International Support for Cabo Verde Stabilization Trust Fund, assim como aquele que cria o Fundo Soberano de Emergência e extingue o Fundo Especial de Estabilização e Desenvolvimento.

Esta informação foi avançada pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, numa publicação efectuada na sua página oficial do Facebook.

“Apesar de algumas dúvidas e reservas quanto à solução encontrada para a medida de distribuição de recursos para o Fundo de Emergências e para o Fundo de Garantia do Investimento Privado (10 milhões e 90 milhões de euros, respectivamente) – art.º 2.º, n.º 1 do diploma -, não encontrei razões consistentes e legítimas que justificassem outra decisão que não a promulgação”, escreveu o PR em relação ao Trust Fund.

Igualmente, fez saber o Chefe de Estado que promulgou o diploma que cria o Fundo Soberano de Emergência e extingue o Fundo Especial de Estabilização e Desenvolvimento (FEED).

A proposta de lei que extingue o International Support For Cabo Verde Stabilization Trust Fund foi aprovada a 17 de Maio passado no Parlamento com 34 votos favoráveis do MpD, 19 contra do PAICV e três abstenções da UCID.

Contrariamente às outras propostas de lei, a que cria o Fundo Soberano de Emergência e extingue o Fundo Especial de Estabilização e Desenvolvimento mereceu a unanimidade dos 54 deputados presentes, sendo 33 do MpD, 18 do PAICV e três da UCID.

O International Suport for Cabo Verde Stabilization ou, simplesmetne, Trust Fund, foi criado em 1998, com o objectivo de sanear a dívida interna cabo-verdiana. Nos primeiros dois anos foram desembolsados para o Trust Fund (gerido pelo Banco de Portugal) cerca de 100 milhões de dólares, principalmente dinheiro das privatizações e donativos de parceiros externos.

Estas contribuições serviram para transformar as obrigações do tesouro na posse das instituições do sistema financeiro (Garantia, BCA, BCV e INPS) em Títulos Consolidados de Mobilização Financeira (TCMF).

A mesma lei que criou os TCMF fixou a data de 17 de Agosto de 2018 para a sua extinção e respectivo resgate junto das instituições que os detêm.

O Fundo Nacional de Emergência, criado pelo Governo de Cabo Verde, para fazer face a catástrofes naturais vai ser dotado de um capital de 20 milhões de dólares que estarão disponíveis para respostas em caso de necessidade.

O anúncio foi feito em Junho pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, na cerimónia de assinatura de um acordo com o Banco Mundial, que pela via do empréstimo, já disponibilizou 10 milhões de dólares para a capitalização desse fundo soberano.

Já o FEED foi criado pela Lei número 71/V/1998. Tinha como principais receitas, as comparticipações, dotações transferências e subsídios provenientes do Orçamento do Estado e a participação nos resultados líquidos do CVDTF (Cape Verde Development Trust Fund). Ou seja, no final de cada exercício o FEED deveria receber 5% desses resultados.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # SÓCRATES DE SANTIAGO 25-07-2019 13:52
Em verdade, em verdade, não se esperava outra coisa do nosso Presidente, Jorge Carlos Fonseca. Pois, o nosso Homem foi um dos fundadores do MPD e do defunto PCD, actual ala governativa do MPD e do Governo, tinha que ter, sim, esse gesto de solidariedade com os manos do Governo. Mas uma coisa é certa, este nosso Presidente escritor, num ano e meio do mandato, já escreveu e publicou cerca de 8 livros, tem participado em todos os festivais e festas de romarias municipais e em todas as activiadades culturais e recreativas que se realizam na nossa diás[censurado]. Upa! Isto é mesmo obra! Caramba, pá! Onde vai o nosso Poeta Presidente arranjar tanto tempo e tanto power para tantos trabalhos e tantas actividades? Isto parece coisas só nossas, este feito suis generis deve ir para guinesbook e merece um prémio nobel de qualquer coisa. Nisto, caros manos verdianos, Jorge Carlos Fonseca ultrapassa de longe o seu homólogo e amigo português, Marcelo Rebelo de Sousa.
Responder
+3 # Xalana 24-07-2019 18:56
Nho bai toca lata, este senhor aparece o Pôncio Pilatos sempre a lavar as mãos, aconteceu com o sofa, aconteceu com o orçamento do estado do ano 2017 em que a aconteceu com taxa de lacticínios lei medida para proteger o ministro olavo e ainda com muitas outras diplomas, o homem para agradar a gregos e troianos faz um papel de ridículo de lavar as mãos para tentar agradar a todos. Vai passear e usufruir do regabofe atividade que o senhor mais deseja.
Responder