Pub

JHA

A presidente do PAICV, Janira Hopffer Almada, considerou esta segunda-feira, 27 de maio, que a situação da Boa Vista “é complexa e sem perspectivas” de melhoramento, indicando que a pessoas não” sentem “nenhum avanço, mas sim um retrocesso”.

Durante a visita de três dias, que terminou esta segunda-feira, para auscultar a população da Boa Vista, a líder do maior partido da oposição considerou que “há necessidade de se definir um conjunto de desafios para melhorar e definir metas claras para a ilha de Boa Vista”.

Janira Hopffer Almada afirmou que durante estes dias pôde constatar que “houve um grande atraso e retrocesso no desenvolvimento da ilha de Boa Vista”, e questionou “sobre as medidas e soluções prometidas pelo Governo para a ilha e que, ao seu ver, não estão a ser tomadas”.

“Boa Vista tem um liceu inacabado, não tem uma infra-estrutura de saúde digna, não se resolveu os problemas de evacuação. Até as calçadas, todas às vezes que venho à ilha, deparo-me com as ruas na mesma situação. Isto é triste”, afirmou.

A líder defendeu que é preciso “qualificar o turismo na ilha e transforma-la num destino de referência”. Para isso, adjunto que se tem que “pensar no impacto que o turismo está a ter e garantir que o turismo continue a crescer e dar condições de melhoria de vida às pessoas, com um acesso inclusivo”.

Acrescentou ainda que “isso implica fazer investimentos na ilha de Boa Vista, no que diz respeito ao acesso à água, à educação e á formação profissional”.

Durante esta estada na Boa Vista, Janira Almada levantou também questões sobre os investimentos que, ao ser ver, são necessários fazer, nomeadamente no sector do agro-negócio, na mobilização da água, na transformação de produtos, capacitação no sector de agro-negócios e no sector das pescas.

“Aqui há um grande consumo de peixe. Tendo em conta as unidades hoteleiras, porque não avançar com uma unidade de transformação do pescado, avançar com uma plataformas de frio, capacitar para transformar, avançar com alternativa a pesca extractiva, porque não avançar com a pesca semi-industrial”, questionou Janira, sublinhando que “Cabo Verde tem de ter estas ambições para que o turismo tenha este real impacto nos outros sectores, promovendo o seu desenvolvimento”.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar