Pub
Por: Antero Coelho

Antero Coelho1

Ontem, terça-feira, ouvi na Rádio Nacional o debate semanal, “Direto ao Ponto”, entre representantes dos Partidos Políticos, no caso Carlos Monteiro (Deputado do MPD), João do Carmo (Deputado do PAICV) e João Santos Luís (Deputado da UCID).

O representante do MpD, o “famoso” Deputado Carlos Monteiro, começou por dizer que o seu Partido é diferente, pois entende que o Estado deve ser apenas regulador, pelo que tudo o que for possível será privatizado, avisando, naquele tom da “boa” prática arrogante, de que o seu governo tem um mandato claro dado pelo Povo e vai utiliza-lo para pôr em prática a sua política de privatizações. Lembro que estava em discussão a Privatização dos TACV. Mas o deputado Carlos Monteiro não ficou por isso. Do alto da sua cátedra vomitou, mais uma vez, uma lição, exemplificando com os Estados Unidos da América, onde, diz ele, exceto as Forças Armadas e os Correios tudo mais é privado.

Não sou economista e muito menos especialistas em economia internacional, mas, como muitos milhares de cidadãos cabo-verdianos, estou também farto de assistir esses politiquinhos de meia-tigela tentando permanentemente enfiar-nos uma rolha de água ânus adentro, pensando que ainda hoje vivemos naquele circulinho tacanho, em que nós cá em baixo somos os ceguinhos e eles os poucos e únicos zorrolhos (não pensarão que são mais do que isso, não é?).

Pois é, senhor deputado, Carlos Monteiro. Não sei se você já ouviu falar de uma Instituição com sede em Holanda chamada de TransnationalInstitute (TNI)?! Talvez sim. Se sim, saberá que o TNI é um Centro de Estudos sobre Democracia e Sustentabilidade. Pois, é esta prestigiada Instituição que nos informa que a tendência mundial da atualidade é a de “desprivatização” e que a sua intocável USA não é exceção, sendo que de 2000 à 2017, nesse bastião do liberalismo, 67 empresas foram “desprivatizadas” ou reestatizadas, como queira, nas áreas da água e da energia. Pelo que a sua mentirinha para os ceguinhos tem pés de barro, pior que todas aquelas que disse desde criança.

Mas já agora vou informá-lo, sem você ter que pagar nada, que nesse mesmo período, a França realizou 152 reestatizações, especialmente na área de abastecimento de água, depois de verificar que as tarifas eram mais baixas nas regiões onde o serviço ainda era público. A Alemanha não hesitou em “desprivatizar” 348 serviços. Desses, 284 foram serviços nas áreas de abastecimento de eletricidade, gás e aquecimento, que retornaram para o controle público.

A Alemanha e a França não são países socialistas e tampouco comunistas. Têm uma economia liberal, mas não regulam com o nada, como o senhor Carlos Monteiro propõe para Cabo Verde, mormente num país pequeno, frágil e sem uma classe empresarial com recursos capaz de assumir a economia do país. Eles sabem bem o que é e como defender a sua Nação.

A ideia de que o Estado é necessariamente má gestora não é senão propaganda ultra liberal, muitas vezes papagaiada por ditos políticos do terceiro mundo, que não são senão penduras da política.

Finalmente, senhores politiqueiros, senhor Carlos Monteiro, lá por estar no poleiro, que julga acima do Povo, por favor parem. Parem e deixem de nos tratar, aqui em baixo, como mentecaptos pois estão a obrigar-nos a mostrar-vos os dentes e olhem que são muitos. E ainda mais pensar eu que pago uma boa quantia mensal a Rádio e ser, através dela, insultado por gente dessa laia.Vocês podem ter apoderado de Cabo Verde e feito vossa coutada, mas não podem, nos dias que correm, fazer o mesmo com a informação, pois ela está apenas a um clik de todos nós.

Parem, por favor!

Artigo publicado pelo autor, Antero Coelho, na sua página do facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Carlos Fortes Lopes 13-03-2019 22:20
Desta gostei, Antero e até dou palmas, porque o teu artigo trouxe está rico de informações que demonstram claramente que esses parasitas da política nem têm tempo de investigar antes de se deslocarem as instalações de uma rádio pública (paga com o dinheiro dos contribuintes nacionais) para falarem baboseiras do tipo.
Tenho discordado de várias opiniões tuas mas esta veio na hora certa com o conteúdo certo. Deus haja mais, porque muitos desconhecem essas realidades actuais das reformas governamentais nos países realmente democrático, com governantes realmente responsáveis e preocupados com o bem estar da nação e do povo.
Palmas bem fortes.
Um forte abraço daqui dos USA.
Responder