Pub

agua y energia fotolia maxi 1

A Agência Reguladora Multissectorial da Economia (ARME) divulgou as novas tarifas de electricidade e água que apontam para a redução generalizada dos preços que entraram em que vigor a 20 de Setembro.

De acordo com a nova tabela, os preços diminuíram entre 11,5 e 15,5 por cento (%) na electricidade fornecida pela Electra e entre 8,6 e 12,2% na tarifa de electricidade produzida e distribuída pela Água e Energia de Boa Vista (AEB).

Assim, na Electra, a energia de baixa tensão doméstica, no escalão inferior ou igual a 60 kilowatts hora por mês (Kwh/mês) passou dos 28,30 escudos para 24,14 escudos, uma variação negativa de 14,71%.

No escalão superior a 60 kwh/mês, a diminuição foi de 11,51% com o consumidor a passar a pagar 32,03 escudos em vez dos 36,19 escudos que pagava até 19 de Setembro.

No que refere à baixa tensão especial houve uma redução de 13,11% passando de 31,76 escudos para 27,60 escudos, enquanto que na média tensão o preço passou de 26,79 para 22,63 escudos.

Para iluminação pública vai passar a ser pago 24,14 escudos, quando antes o consumidor pagava 28,30 escudos, uma redução de 14,71%.

Em relação às tarifas praticadas pela AEB, a redução foi menor, mas ainda assim foram registadas quedas nos preços em todos os escalões. Assim, na baixa tensão doméstica a redução foi de 10,73%, tendo o preço descido de 31,85 escudos para 28,43 escudos no escalão igual ou superior a 60 kwh/mês.

No escalão superior da 60 kwh/mês, a redução foi de 8,60%, tendo o preço caído de 39,74 para 36,32 escudos.

Na electricidade de baixa tensão especial, o preço passou de 35,31 escudos por cada kwh/mês para 31,90 escudos (-9,68%), mé -dia tensão de 30,35 escudos para 26,93 escudos (-11,27%) e para a iluminação pública passa-se a pagar 28,43 escudos, quando antes era 31,85 escudos (-10,73%).

Em relação à tarifa de água, as reduções variam entre 4,38% e 9,52%, com a diminuição mais acentuada a acontecer no escalão doméstico (inferior a seis metros cúbicos) e nos escalões e no consumo de carácter social aplicável aos hospitais, fontenários públicos, associações de carácter social sem fins lucrativos.

Assim, o consumidor que gastar até seis metros cúbicos (6m³) passará a pagar por cada m3 246,54 escudos da água da Electra, e para os consumos superior a 6m³ e inferior a 10m³ o preço será de 368,74 escudos e superior a 10m³ 495,61 escudos.

Para a indústria, cada metro cúbico passar a custa 434,26 escudos, uma variação de -5,63%, para o turismo 566,43 escudos, com diminuição de 4,38% e nos consumos de carácter social 274,37 escudos, inferior em 8,64%.

No escalão do comércio e serviços, o consumo igual ou superior 20m³ o preço ficou estipulado em 454 escudos (-5,4%) e superior a 20m³ em 531,91 escudos (-4,65%).

Em relação à água fornecida através de autotanques, as tarifas passam a ser de 276,90 escudos (-8,56%) aplicável as instituições de carácter social e 472,23 escudos (-5,21%) para outros usos.

A ARME chama atenção, entretanto que as tarifas de água da Electra referem-se apenas à Electra Norte, que opera nas ilhas do Sal e de São Vicente.

Já em relação AEB, as reduções variam entre 3,04% e 6,77% com os preços a oscilarem entre os 243,02 escudos e 562,92 escudos.

A ARME justifica a redução dos preços com a variação dos preços dos produtos petrolíferos de Março a Setembro de 2019.

As novas tarifas vigoram até Março de 2020.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar