Pub

Ateliê de socialização

A ministra da Educação e Inclusão Social, afirmou esta terça-feira, 19 de março, que é necessário produzir um instrumento que pune os culpados de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes, mas é preciso, também, trabalhar com a família.

Maritza Rosabal, fez esta afirmação à margem do ateliê de Socialização Pública do Anteprojecto de lei sobre o abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes, produzido pela Comissão Especializada de Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos, Segurança e Reforma do Estado da Assembleia Nacional, o Instituto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente e o Unicef, na Cidade da Praia.

Segundo a governante, os dados do país mostram que é, precisamente, no âmbito da família que as situações de abuso e exploração sexual se desenvolvem, contudo, defendeu é ali que devem agir.

“Temos, sim, que produzir um instrumento que nos ajude a punir os culpados, mas também não podemos esquecer todo o trabalho que temos que fazer com a família para que a situação se modifique. Vamos estar perante um instrumento, com valor legal, mas nós temos que fazer, sobretudo, aquilo que chamo de uma revolução cultural, para que as práticas dentro das famílias mudem”, advogou.

Em relação à questão da exploração sexual, afirmou que isso só é possível porque há “conivência da família”.

A ministra, aproveitou a presença dos magistrados na sala, para mostrar a sua indignação relativamente aos sucessivos casos em que estes aplicam ao agressor o Termo de Identidade e Residência (TIR).

“Temos problemas, sobretudo na aplicação das leis. Qualquer um de nós, preocupado com esta questão, fica sensibilizado quando vimos, por exemplo, que alguém que cometeu um crime fica apenas com Termo de Identidade e Residência. Temos que mudar também o nosso código penal”, afirmou, ajuntando que não é possível conviver com estes tipos de pessoas e que é preciso fazer campanhas públicas para que estes possam sentir o peso social daquilo que estão fazendo.

Neste sentido, exortou a todos os presentes para trabalharem, o quadro legal e o anteprojeto, mas aconselhou que o “mais importante” e o que vai mudar este país é a postura de cada um e a prática social.

Por ser hoje, Dia do Pai, a ministra aproveitou para exortar a todos a fazer aquilo que lhes compete que é cuidar e proteger os seus filhos e as suas filhas, pois, só isso lhes dará o direito de dizer “eu sou pai”.

Ao presidir à cerimónia de abertura, o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, reconheceu o facto de os dados estatísticos existentes não espelharem a realidade do país, pois, o crime de abuso é praticado no seio da família, onde muitas vezes é encoberto.

Jorge Santos alertou ainda para o facto de o turismo estar a crescer no país e com isso, disse, é “absolutamente espectável que cresça a incidência de utilização de crianças e adolescente no chamado turismo sexual”.

As novas tecnologias, as redes sociais, indevidamente utilizadas, a seu ver, constitui ambiente propício para o incremento desse tipo de “negócio ilícito e condenável”.

“O quadro legal, existente, apesar de no essencial se manter actual, tem lacunas que o torna permeável às novas formas de abuso e exploração sexual menores com recurso às novas tecnologias. Esses factos lançam-nos nossos desafios (…)”, considerou.

A Assembleia Nacional, garantiu, vai fiscalizar a aplicação da constituição das leis com atenção e vigor que a situação exigir.

Este projecto, informou, terá que entrar no parlamento como projecto de lei por iniciativa dos deputados, e, assegurou, certamente estes vão o aprovar.

Por sua vez, a coordenadora residente da ONU e chefe do escritório conjunto do PNUD, ENFA e UNICEF, Ana Graça, disse que esta iniciativa é mais um testemunho que “as crianças são prioridades absoluta em Cabo Verde e um sinal, claro, que para o abuso e a exploração sexual de crianças a tolerância é zero”.

Ana Graça manifestou a disponibilidade da Unicef em continuar a acompanhar o país na busca de soluções, na busca de melhores lei, na implementação delas e na procura de mais parceiras para a protecção das crianças.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # A.A.L.Tavares 29-03-2019 07:16
As intenções são sempre boas! "Mas, constitui uma ilusão e um auto-engano, quando queremos "mudar e/ou implementar um sistema, muitas vezes, movido apenas com visões exógenas, sem preparar e trabalhar consciências e mentalidades endógenas!

Há que colocar de lado o predeterminismo (muitas vezes inconscientes) das mudanças sistemáticas, enquanto agentes detentores "das vontades polîticas!

Há que por de lado essa "cultura de desprezo, de injustiça , de desonestidade intelectual, de protecionismo mediático e fabrico maquievélico de lideranças, sobre pessoas ou instituicões portadoras solidárias, de pistas proactivas e visionárias de solução!

A vontade política e a ética institucional nas inter-relações é fundamental!
Felicito por esta e por todas as outras vontades de "provocar mudanças reais no "status quo"!
Responder
0 # A.A.L.Tavares 29-03-2019 07:16
As intenções são sempre boas! "Mas, constitui uma ilusão e um auto-engano, quando queremos "mudar e/ou implementar um sistema, muitas vezes, movido apenas com visões exógenas, sem preparar e trabalhar consciências e mentalidades endógenas!

Há que colocar de lado o predeterminismo (muitas vezes inconscientes) das mudanças sistemáticas, enquanto agentes detentores "das vontades polîticas!

Há que por de lado essa "cultura de desprezo, de injustiça , de desonestidade intelectual, de protecionismo mediático e fabrico maquievélico de lideranças, sobre pessoas ou instituicões portadoras solidárias, de pistas proactivas e visionárias de solução!

A vontade política e a ética institucional nas inter-relações é fundamental!
Felicito por esta e por todas as outras vontades de "provocar mudanças reais no "status quo"!
Responder