Pub
Por: Marlene Rodrigues

 Marlene Poemas

É assim:

Ecrãs nossos amigos,

solidão nossa vizinha,

certos amigos do ecrã nossos perigos

estamos juntos, mas cada um no seu mundinho,

é a nossa modernidade.

 

A convivência física encurtou

o individualismo aumentou

não contamos mais a história,

e dos avós? Não conhecemos a trajetória,

é a nossa modernidade.

 

Como estamos?

mais perto dos que estão longe

mais longe dos que estão perto

uma presença que não reage

porque o espírito está ausente,

ausente e em outro canto,

é a nossa modernidade.

 

Viver é simplesmente um espetáculo

ganha poder quem mais aparece nas mídias

falta da tecnologia apresenta um obstáculo

porque o medo de não acompanhar a aceleração

aumenta todos os dias,

é a nossa modernidade.

 

O espaço para guerra duplicou

a distância encurtou

antes apenas bullying

hoje, bullying + cyberbullying,

é a nossa modernidade

 

se acompanhamos mal o ritmo

somos atrasados

se acompanhamos bem

somos influenciados

mito destruído

razão privilegiada,

é a nossa modernidade.

 

Para muitos, pensar é sacrifício

e a internet os facilita, logo um benefício

o mundo real empobreceu

fomos todos para o ciberespaço

e o mundo virtual enriqueceu,

é a nossa modernidade.

 

O amor mais declarado

o mesmo menos vivido

é tanta informação

numa curta duração,

acedem os interconectados

e repassam aos desconectados,

é a nossa modernidade.

 

O falso ego virtual

mais adorado que o próprio eu real

um mundo de pouco abraço

porque vivemos mais no ciberespaço,

é a nossa modernidade.

Pelo mundo inteiro já viajamos

todos países já conhecemos sem deslocarmos

cruzamos com estranhos todo dia

e a desatenção civil aumenta cada dia,

é a nossa modernidade.

 

O livro não é mais lido

num mundo em que a falta de conhecimento,

apresenta um perigo

acede ao mercado de trabalho,

quem mais tem o expediente

e já não mais, os mais experientes,

é a nossa modernidade.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Arena crítica 28-12-2019 21:36
Bem dito.
Responder