• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde
Como a chuva beneficia o mar e a pesca artesanal?
Colunista

Como a chuva beneficia o mar e a pesca artesanal?

O Azul marinho dá lugar à cor da lama quando as cheias fazem-se dona das ribeiras e das praia seus estuários para fertilizar o mar.

Aqui se assiste a mais um fenómeno natural que nossa condição de território de baixas e irregulares precipitações questiona e põe em causa, induzindo o Estado e seus Governantes a mobilizar milhões para desenvolver projectos estruturantes de retenção das águas, com o forte argumento de que a água de rega é uma prioridade e que a agricultura é a principal atividade económica rural, tendo até uma delegação administrativa e técnica em cada município do país. Entretanto, é sempre, tecnicamente, prudente, considerar o factor equilíbrio e a transversalidade da sustentabilidade ambiental, ecológica, económica e social ao tratarmos do processo de desenvolvimento de um sector, sem pôr em causa a fragilidade de outros de igual ou relativa importância.

"A terra é que fertiliza o mar."

Conhecer este principio, básico nos permite rever o ciclo natural da água e concluir que com a queda das precipitações, auxiliado pela gravidade e a topografia do relevo com fortes e ou moderadas pendentes, a água se direciona sempre para o mar, transportando consigo toda a matéria orgânica em decomposição e ou já incorporadas ao solo, contendo elementos essenciais necessários ao aproveitamento das plantas- Nitrogénio ou Azoto (N), Fósforo (P), Potássio (K), Sódio (Na), Cálcio (Ca) e Magnésio (Mg).

Sucede que o mar, tal como a terra, são ecossistemas dinâmicos e produtores de vida, por isso, suas funções de regeneração, respeitam o princípio da complementaridade ecossitémica, depositando desta forma, no mar o fertilizante através da torrente das cheias.

O ecossistema marinho e costeiro agradece, na medida em que os ovos depositados em seus fundos arenosos geram nossas vidas em ambiente fertilizado e estas por sua vez encontram o fitoplanton (vegetação marinha)- limo e outras plantas marinhas, da qual os alevinos se alimentam, crescem para formar espécies adultas, prontas para satisfazer a demanda do sector pesqueiro costeiro artesanal e consequentemente o rendimento das populações costeiras, a restauração, o setor turístico, enfim, aqui se forma uma cadeia que acaba por afetar o Produto Interno Bruto da Nação.

Agora sim, os tubérculos, leguminosas, cereais, hortaliças e frutas, encontram alternativa à carne e aos ovos, no balanceamento necessário à segurança alimentar, como determinam os objectivos gerais da base de manutenção de alguns Ministérios suportados pelo Estado e seus orçamentos em nome do Povo.

É preciso perseguir e encontrar o equilíbrio na gestão, onde as decisões e suas ações respeitem os princípios do equilíbrio ambiental e ecológico, da transversalidade integral dos ecossistemas e da segurança e autosuficiência alimentar, todos ao serviço do bem-estar coletivo, da justiça, felicidade individual e social.

Partilhe esta notícia

SOBRE O AUTOR

Redação

    Comentar

    Inicie sessão ou registe-se para comentar.

    Comentários

    • Este artigo ainda não tem comentário. Seja o primeiro a comentar!