Pub

Greve Bombeiros

O presidente do SIACSA, Gilberto Lima, avisou hoje que os bombeiros da Praia poderão novamente entrar em greve já no próximo mês de Agosto, reivindicando o acordo não assumido pela edilidade.

De acordo com o sindicalista, o pré-aviso de greve terá efeito no próximo mês, tendo em conta “coisas que provocaram a paralisação”, nomeadamente a convocatória da Direcção-Geral do Trabalho (DGT) em que a Câmara Municipal da Praia não compareceu.

Entretanto, fez um “balanço satisfatório” da greve de dois dias, considerando que a paralisação foi forçada pela própria câmara, ou seja, “o presidente em primeiro lugar”, que “recusou atempadamente” dar vazão a questão relacionada com o subsídio de risco dos bombeiros.

“É certo que sabemos que os bombeiros trabalham em situações de risco, sabemos que outros funcionários da câmara recebem esse subsídio e não faz sentido nenhum recuo ou morosidade na aplicabilidade do subsídio de risco para os bombeiros”, explicou.

Além disso, o presidente do Sindicato da Indústria Geral, Alimentação, Construção Civil, Agricultura e Serviços Afins (SIACSA) avançou que, apesar dos bombeiros terem um “bom quartel”, há falta de matérias propícias e isso “deriva de alguns desleixos” da parte da edilidade.

Uma outra situação apontada por Gilberto Lima, é a “falta de instrumento de regulação” em termos de progressão e promoção na classe.

Conforme referiu, “existe um documento” que paira no Conselho de Ministros há dois anos, que tem deixado a classe, efectivamente, numa “situação de calamidade” em termos laborais e “precariedade salarial”.

“Essa classe profissional é muito importante, por isso a câmara deveria assegurar os bombeiros, porque cuidam da vida das pessoas e, por causa disso, até podem perder sua vida”, observou.

Os bombeiros terminaram hoje a greve de dois dias, acusando a câmara da Praia de não cumprir um acordo assinado há três meses sobre promoções, progressões e subsídio de risco.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar