• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde
A ecofeminista que existe em mim
Elas

A ecofeminista que existe em mim

Existem verdades que nunca me couberam, vulnerável, submissa atrás de um grande homem existe uma grande mulher.

Sou cabo-verdiana, fruto de uma sociedade muito patriarcal, e onde o machismo é visível.

Sempre fui muito curiosa e atenta, e desde muito cedo me apercebi que tanto a natureza como as mulheres estão sendo exploradas e submetidas a diferentes tipos de dominação. Essa realidade é perturbadora, e fez nascer em mim uma vontade enorme de mudar esse paradigma que faz com que nós mulheres sejamos estrupadas, vítimas de feminicídio que faz com que as matas e as florestas sejam destruídas.

Foi então que adotei essa filosofia, que diz que existe uma ligação sui generis entre o feminismo e a ecologia. Hoje faço parte do movimento eco feminismo de Cabo Verde e somos um grupo que tem atuado com foco no desenvolvimento sustentável, na inclusão social, justiça social e climática.

Houve uma separação entre nós mulheres e a natureza, e essa separação teve grave consequências, fez com que milhares de mulheres fossem parar na fogueira, só pelo facto de terem uma relação de muita proximidade com a natureza, essa separação fez com que nós mulheres não aceitássemos a “existência” de uma linearidade padronizada em nós, porque somos cíclicas.

Há uma necessidade de quebrarmos os tabus que existem sobre nós, no que toca os nossos ciclos menstruais, o nosso prazer, e sobre a nossa sexualidade.

É altura de não aceitarmos os padrões que nos são impostos, é altura de tomarmos uma decisão para combater as alterações climáticas. A nossa geração tem uma grande missão, que é a de salvar o nosso planeta.

A natureza é a nossa mãe!

É altura de fazermos as pazes com ela, temos de voltar as nossas origens, e só assim podemos ser mulheres bem resolvidas e empoderadas.

Acredito que se nós mulheres, unirmos, garanto que podermos mudar o nosso paradigma.

Partilhe esta notícia

SOBRE O AUTOR

Redação

    Comentar

    Inicie sessão ou registe-se para comentar.

    Comentários

    • Este artigo ainda não tem comentário. Seja o primeiro a comentar!