• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde
Um abismo chama outro abismo. Este país está doente!
Editorial

Um abismo chama outro abismo. Este país está doente!

Presidente da Assembleia Nacional tenta cassar mandato de deputado. Magistrados chantageiam o parlamento. Deputada é ostracizada e ofendida porque chama atenção para o estado da justiça, no exercício de funções outorgadas pelo povo. Instituições democráticas em silêncio absoluto. Presidente da República, o árbitro, não vê, não ouve e não sente. Efetivamente, este país está doente.

A Bíblia Sagrada adverte que um abismo chama outro abismo e aqui em Cabo Verde este facto está sendo comprovado todos os dias, para desespero de grandes e pequenos, ricos e pobres, letrados e iletrados, dirigentes e dirigidos, como se não bastassem as secas cíclicas, a escassez de recursos naturais e a exiguidade territorial, que aprisionam sonhos, iniciativas e projetos, individuais e coletivos.

A democracia cabo-verdiana está presa. Foi sequestrada pelos seus principais agentes e instituições, a começar pelo parlamento - a casa das leis, o centro do poder político – seguindo-se o poder judicial, o governo, e adiante, sendo certo que quando se atingir a liberdade e a autoestima populares então ficará consumado o seu morticínio, que, contra gritos e suspiros da sociedade, vem sendo anunciado desde há algum tempo, em atos e omissões, por altos dignatários do poder do Estado.

Quando, em plena sessão parlamentar, uma deputada, eleita pelo povo, fala do laxismo e eventuais atos corruptos praticados pelos magistrados, com destaque para os juízes do Supremo Tribunal da Justiça, o país respira de alívio na esperança de que finalmente alguma solução para o estado da justiça seria encontrada, tanto mais que as palavras da ilustre legisladora viriam a conferir novo fôlego às inúmeras denúncias do advogado Amadeu Oliveira, divulgadas em artigos de opinião, entrevistas e queixas judiciais e que são conhecidos em todo o país e na diáspora.

Na verdade, é justo e convencional que se abrisse um amplo debate sobre a justiça, considerando a importância do parlamento enquanto órgão do poder no conserto dos grandes desafios nacionais, e logo, pedra angular no processo de construção do país democrático, justo, desenvolvido e próspero que se pretende e se vende por aí.

Entretanto, o que viria a seguir certamente nem no mais profundo delírio seria imaginado por este povo que se convencionou definir de brandos costumes.

É visível o desconforto e a descrença da sociedade cabo-verdiana em relação à qualidade da justiça que o Estado oferece.

Com efeito, se a justiça não satisfaz a demanda da sociedade que ela mesma propõe servir, então significa que alguma coisa precisa ser feita para se identificar as causas e preparar soluções, remendar roturas e unir as pontas soltas ou os extremos.

Era isso que a sociedade cabo-verdiana esperava que acontecesse logo após a intervenção da deputada do MpD pelo círculo eleitoral de São Vicente, Mircéa Delgado. Mas não! O país passou a assistir, a partir desse momento, a uma insana tentativa de diabolização e ostracização da referida deputada, tanto pela sua própria bancada e partido, como pelos magistrados.

Num primeiro momento, o vídeo da sua intervenção saiu do ar, sem qualquer explicação, seguindo-se uma longa arreata de afrontas nas redes sociais, para descredibilizar e ofuscar a importância dessas denúncias enquanto posição de uma legisladora investida de poderes conferidos pelo povo e que tocaram a coluna vertebral de todo e qualquer sistema democrático – a justiça, o poder judicial.

É certo que essas investidas não calaram a ilustre deputada. E é aqui é que apareceram os magistrados, em bloco, a defender as honras da classe, com atitudes de vitimização e lamentações de virgens ofendidas, sem, no entanto, pronunciarem uma única palavra sobre, por exemplo, os caminhos que vão escolher para melhorar as suas prestações e assim oferecer uma justiça mais célere e competente para responder à demanda social.

Durante esse período de tempo, a pressão só subia, o mal-estar entre os sujeitos em liguilha era percebida por todos, até que os juízes do STJ procuraram os órgãos de comunicação social para anunciar que vão suspender a participação em eventos oficiais enquanto se mantiver o clima de “hostilidade institucional”. Traduzido, o STJ quer que o parlamento tome uma posição em relação às declarações da deputada Mircéa Delgado, por entender que a classe foi ofendida e maltratada na sua honra.

Cabo Verde está perante uma chantagem de um órgão do poder do Estado – o poder judicial – em relação a um outro órgão do poder do Estado – o poder legislativo. Isto aqui é inédito em regimes democráticos, e mostra que, efetivamente, a democracia nacional não anda de boa saúde. Falta equilíbrio, falta respeito, falta bom senso.

Normalmente nos regimes democráticos os conflitos resolvem-se em tribunais. Aqui ninguém está acima das leis. Chantagens, vitimizações, ofensas, ostracizações não podem sobrepor-se ao poder das leis e do direito.

Recorrentemente assiste-se em Cabo Verde ao rasgar de leis por entidades que juraram cumprir com elas em todas as circunstâncias, começando pela Constituição da República para terminar nos bons costumes. É assim que se viu, nessa sessão parlamentar, o presidente da Mesa da Assembleia Nacional rasgando a Constituição da República e o regimento da casa do povo, quando decidiu cassar o mandato de um deputado.

Efetivamente, como adverte a Bíblia Sagrada, um abismo chama outro abismo. Este país está doente e perdido nos seus próprios labirintos. Há que reencontrá-lo, para resgatar e salvar o Estado de Direito.

A direção,

Partilhe esta notícia

SOBRE O AUTOR

Redação

    Comentar

    Inicie sessão ou registe-se para comentar.

    Comentários

    • Este artigo ainda não tem comentário. Seja o primeiro a comentar!