Pub

O Estatuto da Pequena Agricultura Familiar é uma iniciativa do PAICV, cujo anteprojeto foi distribuído aos deputados no dia 3 de agosto de 2018.

agricultura

O email, cujo teor Santiago Magazine teve acesso, é da autoria da diretora de gabinete do Grupo Parlamentar do PAICV, Haïcha Vera-Cruz, informa ainda que o anteprojeto consta da agenda legislativa do PAICV.

“Vimos, por este meio e por incumbência superior, enviar, em anexo, o Anteprojeto de Lei que aprova o Estatuto da Pequena Agricultura Familiar, com a informação de que o diploma consta da Agenda Legislativa do Grupo Parlamentar do PAICV e que será objeto de análise e discussão, oportunamente, pelo Grupo Parlamentar”, lê no referido email.

pequena agricultura

De acordo com o preambulo do referido diploma “o Estatuto da Pequena Agricultura constitui um enorme incentivo ao sector privado agrícola, porquanto permite a criação de uma economia de escala na agricultura; a melhoria do acesso ao financiamento da agricultura; a criação de emprego para os jovens através do reforço das competências técnicas e do empreendedorismo no sector agrícola; o fomento do investimento no sector agrícola; a valorização do mundo rural numa óptica de sustentabilidade e do reforço da coesão social e territorial”.

Neste contexto, a Estatuto da Pequena Agricultura Familiar visa “reconhecer e distinguir a especificidade da Pequena Agricultura Familiar nas suas dimensões económica, territorial, social e ambiental; promover políticas públicas adequadas para este estrato sócio profissional; fomentar o investimento no sector agrícola; promover e valorizar a produção local e melhorar os respectivos circuitos de comercialização; promover uma agricultura sustentável, incentivando a melhoria dos sistemas e métodos de produção; contribuir para a fixação das pessoas no campo; conferir á Pequena Agricultura Familiar um valor estratégico a ter em conta, designadamente, nas prioridades da política agrícola nacional”.

Num país a braços com graves problemas de desemprego, este diploma poderá servir para atenuar um pouco este flagelo social que condiciona de forma estrutural a economia nacional e a vida de milhares de famílias cabo-verdianas.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar