Pub

O deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Nuias Silva, disse esta quinta-feira, 24 de outubro, que a Cabo Verde Inter-ilhas tem sido uma “não-solução” para o país, particularmente para a região Fogo e Brava.

transportes interilhas

Nuias Silva, que falava em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, para fazer o balanço da visita efectuada à ilha do Fogo, lembrou que a referida região era servida, quase que diariamente, pelos navios da Cabo Verde Fast Ferry, “com conforto, pontualidade e a preços controláveis”.

“Actualmente, temos apenas um navio, velho, a fazer este percurso, com todas as consequências negativas para esta região e para a circulação das pessoas e bens”, afirmou.

Segundo o parlamentar do maior partido da oposição, esta situação não pode continuar, porque, conforme avançou, há denúncias de trabalhadores que estão a fazer “mais de 90 horas por semana de trabalho”.

“Isto é uma violação, flagrante, da nossa lei laboral, mas também é um perigo e um alerta para a segurança, sobretudo, nesta zona que conhecemos o mar e o comportamento das ondas, convém que os marinheiros e as pessoas das embarcações estejam com os descansos necessários para puderem transportar as pessoas com segurança”, defendeu.

Para Nuias Silva, a segurança deve estar “sempre em primeiro lugar” e não apenas a questão do lucro.

“O navio Sotavento não tem dado respostas e nem dará respostas para este eixo. Nós exigimos que o Governo encontre uma solução, e urgente, para repor as seis ligações semanais com a ilha do Fogo”, manifestou.

Conforme referiu, se for caso disso, “que o Governo denuncie o contrato com a Cabo Verde Inter-ilhas” por incumprimento, “cabal” do caderno de encargos.

A Cabo Verde Inter-ilhas, que assumiu a ligação marítima no mês de Agosto, é detida em 51% pela Transinsular e Transinsular CV, do GRUPO ETE, que opera há mais de 30 anos em Cabo Verde desempenhando um “papel importantíssimo” na economia do país.

Os outros 49% do capital são detidos pelos armadores nacionais.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar