Pub

Carla Carvalho

O Governo vai extinguir o Instituto de Estradas para criar a empresa Estradas de Cabo Verde. Aliás, já é ato consumado. Matou o Instituto de Estradas para fazer nascer a empresa Estradas de Cabo Verde. Tudo na tranquilidade, visando mais eficiência e eficácia na gestão. E encomendou um estudo para provar que a nova empresa é viável.

Estradas de Cabo Verde terá como principal fonte de receitas o Fundo Autónomo de Manutenção Rodoviária, que é um dinheiro que sai diretamente dos bolsos de todos os proprietários de veículos privados de Cabo Verde. Portanto, um fundo suportado pelas famílias cabo-verdianas, fixado em 7 escudos por cada litro de combustível adquirido nas bombas de abastecimento. Uma fortuna para o Estado e uma afronta para os parcos rendimentos dos proprietários das viaturas.

Seja como for, é este dinheiro que alimentava o Instituto de Estradas e que a partir deste momento passa a alimentar a empresa Estradas de Cabo Verde. Tudo simples, dispensando qualquer outra matemática mais elaborada, mesmo que seja a matemática da Maritza Rosaball – “a matimatica manual”.

De modo que, não fosse as exigências legais, o Governo nem sequer precisava encomendar estudos, pagando um bom quinhão para o efeito - também suportado pelos parcos rendimentos das famílias cabo-verdianas – uma vez que a viabilidade de tal empresa é certa e registada, não exigindo qualquer esforço de gestão e administração empresarial. É montar as estruturas, os orçamentos – aliás, o Instituto de Estradas tem tudo isso - e começar a gastar, a realizar despesas. Como se diz na gíria popular: “tudo pagu, dinheru paradu”.

Já no preâmbulo do diploma que cria a empresa Estradas de Cabo Verde, o Governo, eventualmente por descarga de consciência, escreve que “o estudo de viabilidade económica e financeira, obrigatório por lei, nessas circunstâncias, mostra a sustentabilidade económica e financeira dessa opção política do Governo, ao que acresce todas as vantagens de economia institucional e de maior eficiência e eficácia na execução das ações que se esperam sejam alcançadas na gestão e conservação das estradas nacionais”.

Tudo certo e justificado. Todavia, não sei se será possível acreditar na bondade deste projeto, uma vez que, para este Governo, o Estado é mau gestor e tem muitas dificuldades em imprimir eficiência e eficácia na gestão. Este Governo não acredita nas competências do Estado para gerir empresas, e tão pouco conseguir “vantagens de economia institucional”. Esta premissa - a descrença nas qualidades do Estado - tem sido a base justificativa de todas as vendas públicas que Ulisses Correia e Silva e o seu vice, Olavo Correia, já fizeram ou estão em vias de fazer em Cabo Verde.

Até porque, o grupo liderado por Ulisses Correia e Silva nunca escondeu o seu amor e compromisso com a privatização das empresas e negócios públicos, assim como a promoção dos empresários amigos, a quem designam, pomposamente, de setor privado.

Hoje ninguém duvida que este Governo é capaz de vender tudo o que tem valor, e que de algum modo pode gerar lucros e riquezas, sustentado no discurso de que com a privatização irá empoderar o setor privado, e por essa via, combater o desemprego, as desigualdades sociais, promovendo assim o crescimento económico e o desenvolvimento nacional.

Ora, não sei se será possível acreditar que um Governo que pensa assim, um Governo que tem no seu programa a privatização de mais de duas dezenas de empresas públicas, com ASA e Electra à cabeça, porque o Estado não sabe gerir e por isso mesmo deve deixar esta missão com os privados, vai criar Estradas de Cabo Verde com a intenção de introduzir eficiência e eficácia na gestão? Um Governo que defende a anulação do Estado – menor Estado – para reativar o setor privado – estará a ser sério quando resolve criar uma empresa pública para gerir o maior fundo público existente em Cabo Verde – o Fundo Autónomo de Manutenção Rodoviária?

Este Governo é um Governo marcado para vender. Vende tudo. Está em vias de vender as empresas públicas mais emblemáticas e promissoras do país. Estradas de Cabo Verde, ora criada, será – é o estudo do Governo a dizer isso – uma empresa viável, portanto, promissora. Os institutos públicos não podem ser vendidos. Será que o Governo criou a empresa Estradas de Cabo Verde para de seguida vender aos empresários amigos?

É pertinente refletirmos sobre esta questão, porque alguma coisa não bate certo neste processo. Estará a empresa Estradas de Cabo Verde a caminho do matadouro, como, de resto, tem sido apanágio deste governo? Vender, vender, vender….

São questões que deixo para reflexão. Porque salvar o Estado de Cabo Verde é um dever de cidadania!



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Djo brocas 03-05-2019 09:40
Ainda por cima estão lá uma cambada de ratazanas, uns já lá estavam , outros fizeram falcatrua para la estar.
Responder
-2 # José Gomes Gomes 02-05-2019 18:27
Já agora se a Sr. Carla tem mais visão que este Governo convidua a candidatar as próximas eleições legislativas em 2021 e a Sr. Carla poderá até vencer porque ali o grande demolidor da sua candidatura Autarquica de 2016
Responder
0 # StevenTavares 02-05-2019 09:37
Ola Carla,

Gostei do seu artigo de opiniao. Do meu ponto de vista este assunto e muito mais grave...isto revela que as pessoas trabalahram neste dossie nao percebem de nada. Tradicionalmente nos paises pobres e miseraveis nao ha transparencia. A minha minha grande curiosidade e ver o curriculum profissional destes responsaveis. Se tiver possibilidade de ler este artigo: WHICH CAPITALISM? LESSONS FROM THE EAST ASIAN CRISIS
Raghuram G. Rajan and Luigi Zingales, University of Chicago
Responder
+1 # Luis Semedo Sena 30-04-2019 22:24
Bem visto! É mesmo isso! Estão a criar a empresa paa vender!
Responder
+1 # M M 30-04-2019 19:49
Excelente artigo. Ja falam em privatizar essa empresa de estradas......
Responder
+2 # Torres 30-04-2019 16:10
Boa análise ! Se vende empresas publicas, não faria sentido criar mais empresas publicas. É nesses detalhes que que vimos quão é contraditório esse Governo. Depois de tanto vende, antes de acabar teriam que inventar mais para continuarem a vender vende vender. PREOCUPANTE
Responder