Pub

Programa Pro Credito

O Governo fez hoje a apresentação pública do Programa Pró-Credito que tem por objectivo financiar a assistência técnica das micro, pequenas e médias empresas de modo a incentivar a passagem de unidades produtivas informais para a economia formal.

Financiado pelo Banco Mundial em 2,7 milhões de dólares (cerca de 270 mil contos), o programa visa prestar consultorias às micro, pequenas e médias empresas com vista a melhorar as condições de acesso ao crédito e facilitar a realização de negócios empresariais, e por essa via promover o crescimento e a melhoria da competitividade do sector empresarial em Cabo Verde.

Durante a apresentação do programa, o presidente do Instituto de Apoio e Promoção Empresarial (Pró-Empresa), Pedro Barros explicou que o máximo de cofinanciamento é de 75% e corresponde a 450 contos, e pode atingir 500 contos para as empresas promovidas por mulheres, empresas que criem mais de três postos de trabalho ou então empresas que estejam fora de conselhos mais dinâmicos como a Praia, Mindelo e Sal.

“As candidaturas podem ser feitas através da plataforma electrónica, mas também nos balções da Pro-Empresa e nos pontos de atendimento dos nossos parceiros e abrange todas as áreas e todo tipo de empresas em termos de dimensão”, assegurou realçando que a ideia é apoiar as micro para que amanhã possam ser pequenas e posteriormente médias e chegarem a grandes empresas.

Por outro lado, vai ainda incentivar a passagem de unidades produtivas informais para a economia formal bem como a implementação de contabilidade organizada.

Estruturando em três eixos, o primeiro eixo trata dos apoios e incentivos directos às micro, pequenas e médias empresas, o segundo está direccionado aos parceiros, financiando trabalhos que poderão ser prestados e o terceiro vai contemplar as micro, pequenas e médias empresas que se ocupam da inovação particularmente empresas de base tecnológicas que desenvolvem software para criar serviços financeiros ou optimizar aqueles que já existem.

Por seu turno, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia realçou a importância deste novo programa para a dinamização da economia nacional que, segundo o mesmo, vai apoiar as empresas em relação à sua formalização, melhor gestão e governança.

Segundo avançou o governante, os recursos estão disponíveis, as condições criadas com o suporte do parceiro neste caso o Banco Mundial que tem trabalhado com o Governo a nível de financiamento, formação, sistema de informação, gestão de riscos de modo a garantir um acesso mais facilitado ao crédito.

Na ocasião considerou que os parceiros do Governo, nomeadamente as instituições de micro finanças, as Organizações Não Governamentais (ONG) e os bancos são parte importante nesse processo uma vez que conhecem os actores.

Durante a sua intervenção, desafiou as empresas a prestarem contas e assumir a sua responsabilidade social, cumprir com as suas obrigações fiscais e com aquilo que é o quadro legal existente no país, assegurando que o estado vai ser implacável com os incumpridores.

O Programa Pró-Credito está inserido no programa de fomento empresarial e é gerido pela Pro-Empresa.

À margem da apresentação, foram assinados protocolos de cooperação com Associação Profissional de Micro Finanças, BIC, DNA Praia e FULCRO.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Amândio Barbosa Vice 27-09-2019 13:29
Prestar consultoria às micro empresas, quem são os consultores, os boys do mpd, há concurso publico para se ser consultor, nao, os requisitos para se ser consultor, é ser militante ativo do mpd, logo os 270 mil contos vao para aos bolsos dos boys do mpd!
Responder
0 # Amândio Barbosa Vice 27-09-2019 11:45
Prestar consultoria às micro empresas, quem são os consultores, os boys do mpd, há concurso publico para se ser consultor, nao, os requisitos para se ser consultor, é ser militante ativo do mpd, logo os 270 mil contos vai para aos bolsos dos boys do mpd!
Responder