Pub

Olavo Correia Sistema de credito

O Governo socializou esta sexta-feira, 20, o anteprojecto de lei de registo de penhora de bens móveis, de forma a garantir por exemplo que um carro ou outros equipamentos possam servir de garantia para se ter acesso ao financiamento bancário.

Segundo o consultor do Ministério das Finanças, Simão Monteiro, trata-se de uma componente ao crédito, que visa melhorar o acesso ao financiamento por parte das empresas, e de forma particular as micro, pequenas e médias empresas.

“Em regra os bancos pedem a penhora ou hipoteca sobre bens imóveis porque os bancos funcionam com o princípio da confiança de que os créditos serão reembolsados. Então o Governo quer ver como é que em termos de legislação possamos trazer os bens móveis para o centro de acesso ao crédito”, explicou.

“Por exemplo se uma empresa tiver um computador, um estoque de mercadorias equipamentos porque é que eles não servem para dar de garantia aos bancos? e este projecto de diploma trata desta matéria e para isso é preciso que os bens móveis estejam registado e o que penhor seja publicitado”, acrescentou.

Simão Monteiro frisou que quando num empréstimo uma pessoa ou uma empresa dá um prédio de garantia, esse prédio é registado no registo predial. Entretanto os bens móveis não têm registo.

Por isso o ante-projecto de lei prevê em socialização prevê esse registo, não do bem móvel em si, mas da garantia que é dada ao banco.

O projecto de lei prevê a criação de Plataforma Web do Código onde os bens apresentados como garantia possam estar registados e todos possam, por exemplo saber, que uma pessoa ou uma empresa fez um empréstimo X e que o bem móvel, por exemplo uma viatura, está sob a penhora.

Segundo o Vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, este é mais um incentivo que o Governo está dar aos empresários e aos talentos cabo-verdianos de concretizarem os seus projectos.

“O desafio em relação esse ante-projecto de penhoro e registo de bens moveis tem a ver com a criação de condições para que possamos ter mais garantias que possam ser concedido ao sistema bancário e aos credores para que as micro, pequenos e meios empresários possam ter acesso ao financiamento”, disse.

Contudo, incentivou as empresas a terem as contas em dias e a utilizar as tecnologias para que informação possa ser acessível a todos com qualidade, segurança e em tempo oportuno para que os riscos possam ser bem avaliados e quem for bom empresário bom gestor tiver bons projectos possa ser escolhido em tempo certo e ser financiado.

Olavo Correia reiterou que o Governo está a trabalhar com as câmaras de comércio para mudar o ambiente de negócios e garantir acesso ao financiamento mais facilitado.

“Mas estamos no caminho certo, temos a parceira do sistema bancário, mas também é preciso que tenhamos bons projectos, bem gerido, empresas formalizadas, empresas que nos consigam dar a confiança e capacidade para criar valor. Portanto esse trabalho tem de ser feito em parceira com o sector empresarial, com as empresas, com sistema bancário, e o próprio mercado de capitais”, disse.

O governante adiantou que há uma agenda “muito forte” que está ser implementada com resultados “muito concretos” e precisou que até este momento mais de 600 mil contos foram concedidos de financiamento, ao abrigo do ecossistema, com intervenção directa do Governo.

“É um resultado muito palpável que precisa ser acelerado e temos que aumentar também o caudal e o impacto global na economia”, anotou.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Gérôme 24-09-2019 16:26
Este Ministro é tudo que os cabo-verdianos merecem???? Haja paciência para ouvir e ficar calado com as idiotices deste tipo!!!! Escolhidos em função do único critério: ser militante, nomeados membros do governo se acham!!! Este então, diz asneiras para cima de asneiras que nem a boca consegue fechar. Ô povo sacrificado !!!!
Responder
0 # Rigor precisa-se! 24-09-2019 11:52
“Em regra os bancos pedem a penhora ou hipoteca sobre bens imóveis porque os bancos funcionam com o princípio da confiança de que os créditos serão reembolsados. Então o Governo quer ver como é que em termos de legislação possamos trazer os bens móveis para o centro de acesso ao crédito, explicou." - Não se quererá dizer que os bancos pedem, não a PENHORA, mas sim o PENHOR?
Responder
0 # Atento 21-09-2019 12:13
Comentar para que, + uma manobra para distração
Responder