Pub
Por: Redacção

aviaão eagle

Aeronave da companhia Eagle Air, que tinha como um dos tripulantes o piloto cabo-verdiano Jaime Melo, transportava combustível (querosene) quando ontem, 24, se viu no meio de chuva forte e fraca visibilidade. O LET-410 caiu e explodiu na hora, matando os quatro tripulantes.

O corpo do piloto cabo-verdiano Jaime Melo – e dos demais tripulantes do avião da companhia privada Eagle Air que caiu este domingo, 24, na Guiné Conackry – foi removido desde ontem do local do acidente e transportado para o hospital regional de Kindia, a pouco mais de 100 quilómetros da capital, Conackry.

Até este momento, não há uma versão oficial sobre as causas desta tragédia, mas a imprensa local, citando testemunhas oculares, dá conta de que os pilotos teriam sido apanhados por um forte temporal e névoa espessa que limitou a sua visibilidade. Segundo o jornal GuineeMatin, os pilotos, Jaime Melo e um alemão (que trabalham há seis meses em Conacrky, mas transportando passageiros apenas às quartas-feiras), ainda evitaram um embate frontal contra uma montanha, mas não conseguiram se desviar das árvores, tendo então caído e explodido de imediato.

O avião, um LET-410 fabricado na República Checa, transportava querosene da capital Conackry para um depósito da Sociedade Mineira de Dinguiraye, na cidade de Lero, o que pode ajudar a explicar a explosão do aparelho, ao que se junta algum desconhecimento da região. A propósito, foram os agricultores, alertados pela estrondo e intensa chama, acorreram às montanhas para tentar salvar eventuais feridos. Ao chegarem perto da aeronave depararam com os quatro tripulantes mortos. As autoridades, depois de chamadas pelos agricultores, viriam a confirmar que se tratava de um avião da Eagle Air e que a bordo estavam os pilotos Jaime Melo e um seu colega alemão e mais dois técnicos, um polaco e conackry-guineense.

Os seus corpos mutilados foram apanhados com ajuda da população, incluindo o prefeito de Kindia e o sub-prefeito da Linsan (cidade mais próxima).

Jaime Melo e um outro piloto de nacionalidade alemã partiram por volta das 10 horas deste domingo de Conackry com destino à cidade de Lero, onde o avião era esperado às 11h41m. A bordo estavam mais dois técnicos da Eagle Air, um polaco e um conacry-guineense.

Meia hora depois da decolagem o aparelho caiu em Kayala, matando todos os quatro tripulantes. Oministro dos Transportes da Guiné-Concakry já apresentou condolências às famílias das vítimas e anunciou a abertura de um inquérito para apurar a origem da queda do avião da Eagle.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar