Pub
Por: Rémi Nono Womdim*

 Remi Nono Womdim

Uma nova iniciativa da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), para mobilizar 500 milhões de dólares, indica o caminho a seguir

Lidar com pragas transfronteiriças é, na melhor das hipóteses, difícil. Os padrões, as práticas, os níveis de capacidade e o engajamento variam de país para país e de região para região; as respostas são frequentemente pontuais e ineficazes. A situação torna-se ainda mais complexa quando as pragas em causa, como a lagarta-do-cartucho do milho, sobrevoam as fronteiras, ameaçando a segurança alimentar e os meios de existência de milhões de pequenos agricultores e causam graves danos ambientais e económicos. A lagarta-do-cartucho do milho é uma praga.

Através do lançamento da “Ação Global para o controlo da lagarta-do-cartucho do milho”, uma iniciativa pioneira que visa mobilizar 500 milhões de dólares americanos para o período 2020-2022, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) toma medidas radicais, diretas e coordenadas para combater a lagarta-do-cartucho do milho a nível global.

Lagarta-do-cartucho do milho: breve apresentação

A lagarta-do-cartucho do milho é uma lagarta invasora originária das Américas. Ele prefere comer milho, mas também se alimenta de 80 ou mais outras culturas, incluindo arroz, sorgo, painço, cana-de-açúcar, hortaliças e algodão. Uma vez estabelecida numa região, é quase impossível erradicar e é extremamente difícil parar a sua propagação: um adulto de boa saúde pode voar até várias centenas de quilómetros! De facto, desde a sua chegada à África Ocidental, há quase quatro anos, a lagarta-do-cartucho do milho já se espalhou por todo o continente africano e, a partir daí, para mais de uma dezena de países asiáticos, nomeadamente a China e a Índia. A Europa poderá ser a próxima região afetada.

Prada do milho

Se é difícil calcular a extensão dos danos causados ​​pela lagarta-do-cartucho do milho à escala global, as estimativas realizadas por doze países africanos em 2018 indicam que as perdas podem atingir 17,7 milhões de toneladas de milho por ano, o equivalente a 40% da produção anual de milho em África, ou seja, 4,6 bilhões de dólares americanos. Os pequenos produtores de milho do continente são os mais afetados; a maioria depende dessa cultura para escapar à fome e à pobreza.

O que é a Ação Global?

A nova Ação Global da FAO para o controlo da lagarta-do-cartucho do milho permitirá intensificar massivamente os projetos e atividades da FAO destinados a centenas de milhões de agricultores afetados. A Ação Global persegue três objetivos principais: i) estabelecer uma coordenação global e uma colaboração regional em matéria de monitoramento, alerta precoce e gestão integrada da lagarta-do-cartucho do milho; ii) reduzir as perdas de colheitas associadas; e iii) reduzir o risco de propagação adicional.

A Ação Global tem como alvo as três regiões que sofreram uma invasão da lagarta-do-cartucho do milho nos últimos anos - África, Próximo Oriente e Ásia - e se alinhará com a nova Iniciativa Mão a Mão da FAO, baseada em dados, que visa apoiar o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, associando os países mais desenvolvidos com aqueles com as taxas de pobreza e fome mais altas.

Partilha de conhecimento, inovação e pesquisa

No quadro da Ação Global, será primordial coordenar os esforços para difundir o conhecimento e a informação junto dos pequenos agricultores afetados pela lagarta-do-cartucho do milho, especialmente através da constituição e ampliação de grupos de trabalho nacionais especializados. Estes grupos reforçarão e irão mais além das atuais iniciativas da FAO, como o programa de Campo Escola do Produtor, chegando no seio das comunidades mais isoladas.

A Ação Global também promoverá o controle biológico de pragas e outras práticas de campo inovadoras, bem como tecnologias, como seja a aplicação móvel para o monitoramento e alerta precoce da lagarta-do-cartucho do milho (FAMEWS) que usa a inteligência artificial para ajudar os agricultores, através de smartphones, a detetar os danos e a tomar as ações de resposta apropriadas. Funcionando como um data center quase em tempo real, o FAMEWS permite melhores estimativas sobre a propagação de pragas e os danos nas culturas, o que ajuda a definir melhor as intervenções a fazer.

Não existe um remédio único. O combate à lagarta-do-cartucho do milho exigirá soluções sob medida baseadas na ciência e que levem em conta o contexto específico de cada área infestada. No entanto, as pesquisas devem continuar para se determinar as medidas mais eficazes e em que regiões têm melhores resultados. Nesta ótica, o conhecimento local e as décadas de experiência em lidar com a lagarta-do-cartucho do milho nas Américas serão também indicadores importantes.

Um começo auspicioso

É particularmente interessante notar que o lançamento da Ação Global, a 4 de dezembro último, tenha ocorrido apenas dois dias após a abertura oficial do Ano Internacional da Saúde Vegetal 2020 das Nações Unidas (IYPH), sob a égide da FAO. O IYPH enfatiza a importância da saúde das plantas para a saúde planetária e humana e insta a ações contra a disseminação de pragas e doenças, principalmente devido às alterações climáticas, às trocas comerciais e outros fatores.

Por fim, o sucesso da Ação Global, do IYPH 2020 e de outras iniciativas fitossanitárias será determinado pela capacidade de uma ampla gama de partes interessadas de trabalhar juntas em busca de um objetivo comum. A FAO desempenhará um papel de liderança na condução desse modelo de parceria e, nas palavras do Diretor-Geral da FAO, Sr. Qu Dongyu, comprometer-se-á “a colocar o conhecimento, a experiência e as lições aprendidas dos interessados ​​e parceiros ao serviço dos agricultores do mundo inteiro para enfrentar a ameaça global desta praga”.

*Este artigo foi escrito em dezembro de 2019 por Rémi Nono Womdim, Diretor-Adjunto da Divisão de Produção Vegetal e Proteção de Plantas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

© FAO, 2019

 

Para mais informações: http://www.fao.org/news/story/en/item/1253916/icode/ #légionnairedautomne #FallArmyworm

Comentar