Pub

Fechou-se o pano sobre a assinatura do acordo que permite o exercício das Forças Armadas Norte-americanas no território nacional, conhecido por SOFA. Neste momento, o primeiro-ministro estará seguramente a empreender os últimos contactos com as autoridades daquele país amigo e com a comunidade cabo-verdiana ali residentes, antes de regressar ao arquipélago.

Antes, porém, o chefe do Governo estará lado a lado com o Presidente da República num jantar de gala com os nossos emigrantes. Será, certamente, o primeiro encontro presencial entre os dois homens, depois de Fonseca ter denunciado na comunicação social que não discutiram suficientemente o SOFA, antes da assinatura com as autoridades norte americanas. E se assim for, esta festa terá cumprido a sua missão – a promoção do cinismo e da hipocrisia, aqui encarnados por dois órgãos de soberania, o Governo e o Presidente da República.

Numa tirada simplista e desprovida dos amparos teórico-científicos, a diplomacia pode ser definida como a ciência que estuda as relações e os interesses entre as nações. Em detalhes, esta definição estende-se ao serviço dos Estados nas suas relações internacionais.

Assim, num mundo onde as fronteiras tendem a desaparecer e consequentemente as instituições são obrigadas a abordar as questões locais de forma global, para vincular outras nações, outros mercados, outras culturas e outros desejos, a diplomacia ganha um estatuto especial – passa a ser a coluna vertebral da gestão de um país, de uma nação.

Ora, perante este quadro, a ameaça de Jorge Carlos Fonseca em não ratificar o SOFA - um importante instrumento de cooperação no domínio da defesa e segurança, e que é o corolário de um aturado trabalho desenvolvido no campo diplomático entre Cabo Verde e Estados Unidos de América, desde o reinado de José Maria Neves - atingirá certamente pilares estruturantes no quadro das relações do Estado.

A ameaça de Fonseca, neste particular, é bastante clara. “Não é bom que o Governo assine um acordo, o Parlamento aprove e não haja ratificação e o acordo não vigore”, afirmou o mais Alto Magistrado da Nação perante os órgãos de comunicação social.

O que virá a seguir? Vejamos. Se Jorge Carlos Fonseca avançar com a sua posição de não ratificar o SOFA, Cabo Verde estará (i) a desferir uma valente machadada nas suas relações com um país que tem sido seu parceiro desde a independência; (ii) a desprezar a palavra dada por um dos seus órgãos de soberania mais importantes no campo da política externa – o Governo; (iii) a mostrar ao mundo o quanto as suas instituições democráticas se encontram desnorteadas no que concerne ao diálogo político e administrativo sobre as grandes questões do Estado e da nação.

São, com efeito, palavras que vinculam o Estado. Cabo Verde não pode ficar indiferente em relação a este assunto. As afirmações de Jorge Carlos Fonseca mostram que o país precisa acertar os passos em assuntos estruturantes para a afirmação e bem-estar da nação.

É o combate pela palavra e suas implicações. O silêncio da oposição é o prenúncio de um país à beira do descrédito. A hipocrisia e o cinismo não podem assumir a identidade da mensagem e muito menos do mensageiro. Porque aqui a mensagem é Cabo Verde e o mensageiro também é Cabo Verde.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Roberto 01-10-2017 01:31
Manifestação de subserviência: o primeiro ministro de Cabo Verde mais o seu ministro dos estrangeiros desloca-se ao gabinete dum funcionário subalterno do governo americano para assinatura dum acordo de cedência de prerrogativas de soberania às autoridades americanas. Quem é o seu interlocutor? O equivalente a um diretor geral.
Como dizem os portugueses, a quem muito se abaixa aquilo aparece.
Responder
+1 # José Luís Lima 30-09-2017 13:17
Esta é a República do Desmentido.
Presidente de Cabo Verde desmente Primeiro Ministro de Israel. Ministro dos Negócios Estrangeiros desmente Embaixador na ONU. Governo de Cabo Verde desmente seu Embaixador em Washingtion. Primeiro Ministro de Cabo Verde desmente Presidente da República. A estrada luminosa da diplomacia caboverdeana!
Responder
0 # Ze 30-09-2017 08:40
Nem mais. Tudo dito por quem pena com elevaçao e fundamento.
Responder