Pub

BAD

O vice-presidente dos serviços institucionais do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) garantiu que Cabo Verde terá “brevemente” o Compacto Lusófono, esclarecendo que o programa não foi assinado ainda por questões de agenda.

A informação foi avançada à Inforpress por Mateus Magala, à margem do ateliê de formação em desenvolvimento sustentável, que reuniu jornalistas dos vários países da África Ocidental, em Abidjan, Costa do Marfim.

Na ocasião, o responsável avançou que o compacto já estava programado para ser assinado, mas que “questões de agenda” impossibilitaram a materialização deste programa de fomento ao desenvolvimento económico para Cabo Verde.

Segundo ele, a assinatura deste protocolo será feita após a Conferência Económica da BAD, que acontece esta semana em Malabo, Guiné Equatorial.

Mateus Magala sublinhou que o compacto, além de criar oportunidades económicas aos países lusófonos, vai permitir também maior “integração funcional” neste espaço.

“É desta forma também que o compacto vai funcionar, esses países partilham língua e história, usando isso podem explorar oportunidades económicas”, observou.

Por outro lado, ajuntou que o BAD O criou o compacto  na ideia de os países da lusofonia ganharem também mais espaço na instituição, em presença, uma vez que todos os demais países da África Ocidental e outros “parecem estar mais unidos economicamente”.

“O que nós esperamos com essa iniciativa é poder melhorar o crescimento económico nesses países lusófonos”, sustentou.

Cabo Verde será o segundo país lusófono a assinar o compacto, tendo sido Moçambique o primeiro a aderir, no passado mês de Março.

O acordo do acesso a financiamento do BAD é combinado com garantias da Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento (SOFID), entidade pública portuguesa.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar