Pub

O PAICV) interpôs uma queixa junto à Agência Reguladora da Comunicação Social (ARC) contra a Direcção da Televisão de Cabo Verde. O partido acusa a Direcção da Televisão de recusar emitir o seu tempo de antena.  

Conforme escreve o PAICV na sua página no Facebook, o partido tem direito a um tempo de antenas de 7 minutos e 41 segundos, por mês [5 minutos enquanto partido com assento parlamentar e mais 5 segundos por cada um dos 29 deputados eleitos [alínea b) do artigo 3º da Lei nº 90/III/90 de 27 de Outubro).

Em sintonia com o que diz a lei, afirma o PAICV, “esse tempo pode ser utilizado, no mês, da forma que melhor entender”. Afinal, afirma o partido, “é a própria Lei nº 90/III/90 (que está em vigor) que diz taxativamente no nº 2 do seu artigo 2.º que ´o tempo de antena pode ser utilizado de uma só vez ou parcelarmente´”. 

E assim mesmo decidiu o partido: repartiu em dois o tempo a que tem direito, optando por usar uma na primeira quinzena de Janeiro (dia 15) e a outra na segunda quinzena do mês. No entanto, acusa o PAICV, “a Direcção da Televisão se recusa a fazer a emissão desse segundo programa, “o que consubstancia um claro atentado aos direitos dos partidos políticos” e à própria lei, dizem os tambarinas. 

“A TCV e o seu director não podem, unilateralmente e à revelia da lei vigente, recusar o parcelamento do tempo de antena dos partidos políticos, até porque está obrigado, com a colaboração dos titulares de antena (que são os Partidos neste caso), a organizar planos gerais (para todos) de respectiva utilização (nº 2, do artigo 65.º da lei de Televisão) ”, afirma o PAICV. 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Zona 30-01-2019 10:08
Ora essa. . Também só na Kabu Verdi di MPD qui sr. PINCHU pudia ser chefi de qualquer cuza. Deus nos pedoi.......
Responder