Pub

lino magno

Quem não sabe esperar perseverando, se complica, boicotando o seu presente e anulando o futuro. A perseverança é a qualidade indispensável para o alcance de grandes objetivos. Sua inclusão no processo da maturidade pessoal é necessária e fulcral. É o factor responsável para o equilíbrio emocional, um antídoto contra a pressa e a bipolaridade. Se soubermos desenvolver esse valor, as etapas da vida não serão antecipadas. Ninguém que deseja crescer com qualidade deve excluir a perseverança da sua pauta diária. 

A história regista grandes vencedores que fizeram da perseverança uma companheira íntima. Não existe sucesso sem o exercício da perseverança, ela é o elemento que impulsiona e faz dos resultados uma soma de prazer, gerando uma adrenalina saudável. Enriquece a mente e nos ajuda a desenvolver uma vida emocional equilibrada.

Com a emergência e a ditadura do imediatismo na esfera individual e coletiva, o cultivo da perseverança se sucumbiu, como resultado, patologias sociais e pessoais vem somando gradualmente formando um ciclo sem precedente. Quem aprende a cultivar, a manter a perseverança como princípio da e para a vida, estará a semear uma genuína qualidade de vida.

Muitas doenças de natureza psiquiátrica e psicológica ganham uma proporção nada favorável. Vivemos o século mais turbulento de todos tempos em matéria de qualidade da saúde mental. A OMS especula que teremos em breve trecho graus elevadíssimos de depressão e a ansiedade, uma previsão preocupante para a humanidade.

Esperar com perseverança deixou de ser um valor individual e coletivo. Somos estimulados de várias maneiras a não esperar, para muitos esperar é sinônimo de enercia, cruzar os braços, não ser competitivo. A sociedade contemporânea nos ensina a não esperar, a pedagogia acadêmica nos ensina a não esperar, a família nos ensina a não esperar. Infelizmente a sociedade atual está alienada em matéria de lucidez psicológica, se não mudar será um apocalipse universal.

Comentários  

0 # Edwige M. Andrade 04-01-2019 10:15
É totalmente verdade e lógico! Sabemos disso! no entanto quém vai reconhecer e se sobmeter? Mesmo sabendo que é para o nosso bem? O problema é que sabemos que a nossa sociedade não ajuda mas insistimos nos mesmos caminhos preocupantes, querendo satisfazer-nos mesmo e indiretamente esta mesma sociedade. Que o Senhor do Alto nos ajuda!
Responder