• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde

O Prémio BAICV e as Manigâncias de um Júri Portador de um Estreito Conceito de Literatura mas Tomado de Incontinente e Façanhuda Sanha Administrativa

O mais esdrúxulo nesse «quarto e irregular critério apócrifo», introduzido pelo todo-poderoso júri, é a sua profunda mediocridade, quando não mesmo a retumbante e hilária necedade. O critério de correção linguística e estruturação do discurso é para redação de meninos e meninas da quarta classe, quando havia, ou tara de professorecas que da literatura têm a vaga ideia de que é uma coisa parecida com isto, mas não sabem ao certo de que substância, para parodiarmos um célebre título de Manuel António Pina. Não é esse formalismo, há muito varrido para o caixote de...

POESIA ORAL – BATUKU DI KABU BERDI - II

O crescente interesse verificado na investigação parece estar ligado às suas várias repressões e repúdios antes da Independência Nacional como se constituindo enquanto uma ação de resistência, de luta para a manutenção da cultura. Com a IN – valorização de tudo que era visto como cabo-verdiano – o Batuku foi retomado e aceite no quotidiano das pessoas e hoje património nacional.

ROSTO SOBERANO (PRIMEIRA ESTAÇÃO) -TERCEIRA VERSÃO- TERCEIRO EXCERTO

E da minha mãe fez e fez-se / Esteio seguro e trincheira firme / Nas atribulações da velhice / E nos dias e nas noites / Da precoce e longa viuvez

ROSTO SOBERANO -PRIMEIRA ESTAÇÃO- (SEGUNDA VARIAÇÃO)

Resta-me o delírio / Do teu rosto soberano / Suserano de mim / Vassalo do meu coração / Da sua anti-agonia…

"Temos de cortar a cultura despesista e colocar os pobres no Orçamento do Estado"

Conforme temos vindo insistentemente a referir, Cabo Verde precisa de uma mudança evolucionária, de medidas de política para poder poupar mais de três milhões de contos que deverão ser canalizados para a área social (educação, saúde, luta contra a pobreza e mais oportunidades de emprego para os jovens). Temos de cortar com a cultura despesista e colocar os pobres no Orçamento do Estado.

“A qualidade da nossa música é preocupante. Há canções que não valem nada”

Compositor e guitarrista santiaguense, radicado há 34 anos nos EUA, abre o coração e diz tudo o que pensa sobre a música, as suas decepções , conquistas, superações e revela o que o inspira e o magoa na música que se faz hoje em Cabo Verde. Nesta entrevista exclusiva, Calú di Guida conta como tudo começou e como vem evoluindo – em um ano, garante, escreveu 1140 composições – humanamente e espiritualmente.

"O governo continua gordo e a fazer apelos à compreensão dos que menos ganham"

Orlando dias, deputado do MpD pelo círculo de África, teceu duras críticas ao Governo acerca das despesas públicas. Num post publicado esta manhã, 27, na sua conta do facebook, o político santacruzense lembra que há cerca de três meses Ulisses Correia e Silva declarou situação de emergência para voltar a pedir ajuda dos parceiros internacionais, e a justificar o não aumento dos salários dos que menos ganham com o argumento de que o país não tem condições. "Se o Estado não der o exemplo na contenção das despesas, não tem moral para pedir sacrifícios às cabo-verdianas e...