Pub

cocaina

A coordenadora do Escritório das Nações Unidas contra a Droga e Crime em Cabo Verde afirmou esta segunda-feira, 3 de junho, que o país “está na rota do trânsito da cocaína”, mas que as recentes apreensões demonstram que “é possível travar” este tráfico.

Cristina Andrade falava aos jornalistas no final da sessão de abertura da formação sobre identificação de drogas que decorre na cidade da Praia durante toda a semana e pretende “reforçar a investigação e a cooperação criminal ao longo da rota da cocaína na América Latina, Caribe e África Ocidental”.

A coordenadora do Escritório das Nações Unidas contra a Droga e Crime (ONUDC) em Cabo Verde sublinhou que as autoridades cabo-verdianas têm mostrado “um comprometimento e resultados em termos de drogas que passam pelas fronteiras”.

A este propósito, recordou as recentes apreensões de droga em Cabo Verde, com destaque para as perto de 10 toneladas de cocaína apreendidas no porto da Praia, em fevereiro deste ano, na sequência da qual foram detidos 11 cidadãos russos.

Estas ações revelam que existe “cooperação judiciária internacional, que a convenção das Nações Unidas exige, e que os agentes da Polícia Judiciária estão capazes de poder fazer esse trabalho com as autoridades nacionais”.

“O trabalho que se fizer de interdição é um trabalho mundial, é uma contribuição mundial, seja para a Europa, seja a nível da África Ocidental”, afirmou.

E acrescentou: “Globalmente, é possível travar, controlar e tratar. Não é uma luta sem resultados”.

A especialista recordou que a cocaína que passa por Cabo Verde é essencialmente proveniente da América Latina e chega por via marítima.

Cristina Andrade lamentou que parte da cocaína que passa por Cabo Verde fique localmente, pois “os jovens acabam por consumir, com os riscos que se conhecem para a saúde pública”.

“Sabemos que o consumo da cocaína está associado à instabilidade social e à criminalidade urbana e a questão é poder também facilitar o acesso – as autoridades de saúde estão empenhadas nisso – ao tratamento das dependências de qualquer substância psicótica”, referiu.

Manifestando a intenção do ONUDC continuar a ajudar Cabo Verde no combate ao tráfico de droga, a sua coordenadora neste país alertou ainda para os riscos acrescidos da mistura de cocaína com outras substâncias, uma fusão que acontece localmente, que “é um crime grave e uma ameaça à saúde pública”.

Cristina Andrade disse ainda que os traficantes têm inovado a forma como dissimulam a droga, o que é detetado aquando das apreensões, já que o produto é encontrado em todo o tipo de objeto ou alimentos.

A formação que arrancou hoje conta com especialistas de Cabo Verde, Brasil e Portugal, os quais irão abordar o quadro legal nacional e internacional, as tendências do mercado ilícito, o reconhecimento e processo de identificação das drogas e o impacto das drogas nas pessoas e na sociedade, o controlo do tráfico ilícito e operações conjuntas de repressão.

Participam na ação 38 formandos da Polícia Nacional que procuram obter maiores conhecimentos sobre o reconhecimento e identificação de diferentes tipos de drogas e o desenvolvimento de habilidades para planear e executar ações de controlo e repressão ao tráfico ilícito de drogas nas suas diversas modalidades.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar