• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde

Homicida de agente da PN em prisão preventiva

Fender vai aguardar julgamento na cadeia central da Praia, em São Martinho, por supostamente ter matado, com sete tiros à queima-roupa, o agente policial Evandro Lopes, no passado domingo.

Predadores sexuais no facebook. Arguidos vão ser ouvidos pelo juiz

Dois irmãos, ambos residentes na Praia, estão acusados de dezenas crimes sexuais, coacção e chantagem através da rede social facebook – foram 13 vítimas. Estiveram detidos, foram libertados e esta terça-feira, 5, vão enfrentar novamente o juiz em Audiência Contraditória Preliminar (ACP).

Praia. Polícia assassinado com sua própria arma

Evandro Lopes, 31 anos, polícia da Guarda Fiscal e um dos três agentes suspeitos de assalto a residências, foi morto com sete tiros na madrugada deste domingo… com sua própria arma. O suposto agressor, Fender, já está detido.

Segurança. Governo quer acabar com a impunidade

No dia em que se comemoram os 147 anos da Polícia Nacional, o primeiro-ministro condecorou a instituição policial com a medalha de mérito de 1º grau. E aproveitou a ocasião para exigir, de todo o sistema, um combate forte contra a impunidade dos suspeitos de crimes.

O PROCESSO, O JULGAMENTO E A JUSTIÇA

Este artigo escrito e publicado em Agosto de 2004, demonstra o que o Advogado Amadeu vem dizendo. Não digo, taxativamente, o mesmo porque não sou Advogado, mas que há algumas plantas daninhas nos Tribunais que precisam ser removidas isso, as há...

Rotura na Ordem dos Arquitectos. Movimento “Resgate da OAC" ameaça impugnar eleições

Um grupo de membros da Ordem dos Arquitectos de Cabo Verde (OAC), denominado Movimento “Resgate da OAC” , representado por Frederico Hopffer Almada, Aureliano Ramos e Cipriano Fernandes (são ao todo 78 arquitectos), ameaçam impugnar as eleições que aconteceram no domingo, 29, onde o arquitecto António Pedro Mendes Bettencourt, foi eleito numa lista única para suceder César Freitas.

Cadernos "kumi bebi" voltam ao mercado. Proprietária exige indemnização da IGAE

IGAE retirara esses polémicos cadernos das lojas, mas não encontrou suporte legal, pelo que ordenou o seu comércio novamente. A empresa Adel&Glória, que confeccionou e comercializou esses cadernos "Kumi Bebi" quer o prejuízo "Tudo Pago" pela Inspeção-Geral das Actividades Económicas.