Pub

tv

O ministro da Cultura e das Indústria Criativas, que também tutela a Comunicação Social, fez essas declarações após ter presidido o acto de abertura da exposição alusiva ao 20º aniversário da Biblioteca Nacional de Cabo Verde (BNCV), no hall do respectivo estabelecimento, na Cidade da Praia.

“Neste momento temos a cobertura de Televisão Digital Terreste (TDT) em quase 75% do território nacional”, avançou Abraão Vicente, citando “algumas dificuldades” em Santo Antão, Fogo e São Nicolau, lhas que, segundo disse, são em termos geológicos e geográficos “mais difíceis”, mas que, mesmo assim, já se está a terminar a montagem do suporte técnico.

O governante anunciou ainda durante o seu discurso que irá acontecer uma visita técnica em Julho e Agosto dos consultores internacionais que estão a fazer esse acompanhamento.

“Eu acredito que até o final do ano temos que fazer o “switch off” do analógico porque ter os dois sistemas a funcionar ao mesmo tempo é um custo enorme para o país”, avançou.

Com isso, significará, de acordo com Abraão Vicente, que todos os canais nacionais terão que fazer uma contratualização com a Cabo Verde Broadcast (CVB) para as suas transmissões.

A “grande vantagem” para o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas é que todos os canais passam, automaticamente, a ser canais nacionais.

“Canais que hoje só tem impacto na Cidade da Praia ou na região sul do país passam a ter acesso nacional”, frisou Abraão Vicente, anunciando que terá ainda que se ver a Lei da Publicidade, Código da Publicidade e tudo aquilo que tem a ver com a distribuição dos recursos do mercado publicitário.

“O próprio Estado tem que estabelecer o modelo de distribuição das suas publicidades para podermos garantir também a sustentabilidade dos novos canais”, defendeu o ministro, dando também conta que a própria equipa da CVB está a negociar a entrada de novos canais.

“Eu devo confessar que tem sido uma alegria enorme perceber nas localidades mais remotas o impacto que é ainda ter acesso à televisão e ao mundo através da televisão”, finalizou.

Com Inforpress

 

 
 


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar