Pub
Por: João Baptista Pereira

 joão baptista pereira1

No passado recente, a atual maioria do MPD, enquanto oposição democrática parlamentar, explorou até à exaustão o problema da segurança dos cabo-verdianos e seus bens, acusando o Governo de então de insensibilidade face à situação prevalecente. 

Quem não recorda as intervenções inflamadas dos deputados da então oposição no Parlamento sobre a problemática da segurança. O objetivo assumido era simplesmente, com recurso a técnicas trabalhadas pelos assessores de serviço, despertar a emoção dos cabo-verdianos e incentivar o levantamento popular, com o propósito confesso de tirar dividendos políticos. 

O MPD sabe que a questão da segurança assume dimensão estratégica para o País e tem plena consciência que o combate à criminalidade requer amplo consenso entre os atores,  políticos e sociais e medidas enérgicas face ao investimento daqueles que fazem da criminalidade o seu modus vivendi

Porém, este partido sempre assumiu um comportamento esquizofrénico face à problemática da criminalidade. 

De um lado, exigia do Governo medidas extraordinárias de combate à criminalidade, sobretudo na sua vertente organizada. De outro lado, criticava todas as medidas adotadas para estancar o aumento da criminalidade, seja por parte do Governo seja da parte das forças de segurança.

Alguém não se lembra do posicionamento do MPD perante a presença de militares nas ruas, para, coadjuvados pela Policia Nacional, reforçarem a segurança das pessoas e seus bens? 

Com objetivo meramente eleitoralista, o MPD colocou ostensivamente em ação todo o seu pessoal e todas as instituições por ele controladas, sejam associações públicas profissionais, sejam associações públicas municipais, descurando que semear vento é garantia de tempestades futuras. 

Quem não se recorda do posicionamento e intervenção desses atores e de destacados deputados e advogados em processos complexos, como a "Lancha Voadora" e/ou o "Voo da Águia"?

Quem não se lembra das famigeradas conferências de imprensa de destacados dirigentes da maioria sobre as contas, que estavam todas feitas, ou sobre as medidas, que estavam todas estudadas e traçadas para serem implementadas, tão logo o MPD merecesse a confiança dos cabo-verdianos e chegasse ao poder?

Afinal, está claro que a atual maioria não tinha qualquer conta feita e nem sequer uma perspetiva clara sobre a realidade concreta do País e o rumo que deve tomar.

Na verdade, volvidos um ano e quatro meses de governação do MPD, os cabo-verdianos assistem à degradação contínua, entre outros, dos índices de segurança no País, realidade que não conseguem escamotear, mesmo face à mais que visível censura e filtragem de informações nos órgãos públicos de Comunicação Social. 

Onde está a propalada tolerância zero para com a criminalidade?

Talvez só na cabeça dos atuais governantes. 

De fato, a criminalidade continua a atormentar os cabo-verdianos de norte a sul do País, pois os níveis de violência aumentaram e os crimes são perpetrados com cada vez maior requinte. Homicídios com ocultação de cadáver, assaltos armados a bancos e estabelecimentos comerciais, sequestro de pessoas deixaram de ser fantasias de Hollywood e passaram a ser vivenciados pelos cabo-verdianos.

Já não dá para esconder, pois os gritos de indignação já se fazem ouvir por todo o lado e vêm de todos os quadrantes sociais.  

É, de fato, inaceitável que, com mais recursos financeiros, mais efetivos policias, mais meios operacionais, o Governo não seja capaz de assegurar que as pessoas possam estar tranquilas, mesmo nas suas residências.

Os cabo-verdianos não podem ser relegados ao dilema de ter de consentir um atentado à sua própria vida, integridade física ou propriedade ou defender-se, correndo o risco de ir para a reclusão e ver todo o seu projeto de vida acabado.

O dilema aqui, traduzindo-se numa situação embaraçosa, para a qual não há saída senão por uma de duas opções, que se excluem, sendo ambas difíceis ou penosas, deve ser evitado pelo Governo, através do combate severo à criminalidade e aos criminosos, não havendo lugar à mais titubeias ou desculpas esfarrapadas.

 

João Baptista Pereira*

Deputado e vice-presidente do PAICV

* O autor escreve segundo as regras do Acordo Ortográfico



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # djambó 25-09-2017 14:24
Meu caro.

Estou de acordo consigo em tudo ou quase tudo quando fala de segurança do país.

Pois claro,vamos discernir os seus argumentos.

O MPD partido actualmente no governo fez da segurança o seu cavalo de batalha e conseguiu ganhar as eleições não só por causa disto mas teve a sua influência.

Meu caro DPT, lembremos também ouvir o seu líder e então primeiro ministro a dizer na altura que a questão da segurança é uma herança dos Cabo-Verdianos, até porque vinha desde os tempos de netinho de vovó.

Disse ainda em umas das suas entrevista, que ele já fez a sua parte, falta os outros fazerem a parte deles. Confesso que esta não compreendi o que ele queria dizer com esta esplicativa.

No entanto na minha análise, estou percebendo que alguns atores políticos utilizam esta questão tão sensível como o da segurança social do país, para meros vantagens políticas. Desta forma parece serem tão fracos que não conseguem ganhar votos utilizando outros argumentos.

Vóis Sóis professores confesso destes criminosos.

Meu caro DPT, se estou certo, este seria o pior erro político de principiante que estaria a utilizar em vantagens própria.

A questão de segurança do pais é uma responsabilidade nacional. não de um mero partido político.

Meu caro, você está também a utilizar este meio de comunicação para tirar vantagens políticas em questões tão sensíveis como a de segurança.

A sua obriga, enquanto DPT, e no exercício das suas funções, colaborar, participar na criação de leis, normas, regras que permite ao nosso sistema de administração da justiça cabo-verdiano ter mecanismo inovadores, realista, aplicáveis que os permite punir todos os prevaricadores, incómodos a sociedade, para que as leis que se diz serem produzidas na nossa CPTR, não passam de lixo que vão em portugal para ser aplicados em cabo verde.

caso o seu artigo neste semanário fosse neste sentido de encontrar soluções para combater este flagelo estaria eu em 100% contigo.

A questão de segurança nacional extravasa e em muito somente a responsabilidade de um só partido. Não tire dividendos políticas também deste mal, colabore e contribui para a eliminação deste flagelo-lo.

disse.
Responder
0 # Cratch 13-09-2017 11:04
Mas alguem de boa consciencia, alguma vez, acreditou que com a chegada do MPD ao poder, a situaao da inseguranca iria melhorar?
Era so ver de que partido eram os advogados mais fervorosos defensores dos delinquentes.
Responder
0 # Puxim 08-09-2017 08:14
Na verdade havia muitos comentários de que alguém estaria a ganhar com aquela onda de insegurança e muitos falavam no patrocínio.
O que ficou claro que era uma associação patrocinada a alto nível incluindo o próprio Presidente da República tanto que agora ele perdeu a língua porque o seu principal adversário está fora combate.
Responder
+1 # Berdiano 07-09-2017 08:30
Meu Sr,
Quem lhe disse que o MPD quer trabalhar para assegurar os CV a segurança?

Ele só queria chegar no cofre para esvaziar...
Quem não se lembra de tesouro sem dinheiro em 2000?
Alguém se lembra de um Sr. que foi posto nome "Dja Podo"? Sabem porquê? Ele arranjou emprego nos professores para ir perguntar no Banco todos os meses se já havia posto os salários, e ele recebia crujecta...
Ele não tem problema de insegurança, aliás ontem ele demonstrou que está seguro, em São Vicente, nós é que temos que desenrascar, e ninguém deve reclamar porque sabe que é o próprio MPD a insegurança nacional com a sua desgovernação do país e é conhecido. Por isso, nós é que temos que tomar precaução.
Responder
0 # Helena Fontes 07-09-2017 10:37
E o famoso Sr "Dja Podo" vai encontrar emprego já já!
:D
Responder
-1 # Helena Fontes 06-09-2017 13:30
EXCELENTE JPB!
E tem mais! A própria OACV desde 2001 faz parte dessa associação de malfeitores que é o MpDorlas! Até concordaram com a decisão de extinguir as Casas de Direito! E assim os cidadãos vêem-se limitados e amordaçados do seu direito constitucional à informação, e ao Direito, e de preferência à Justiça!
Muita máfia mesmo!
Agó!
Só malvados e malvadas esses rabentolas!
O que eles querem mesmo é só $$$$ à cu$ta da "ignorância" do povo cabo-verdiano!
E nós com mais insegurança, mais crimes hediondos, mais paludismo, mais desemprego, mais depressão, mais desalento!
É preciso bloquear duma vez esse governos sem djobi pa ladu!
É preciso deletar esse movimento para a desgraça de Cabo Verde e suas entidades satélites.
E o Presidente da República continua sisudinho no conforto das suas viagens à custa do povo e no conforto do Palácio do Plató!
Porca vergonha nacional!
:P
Responder