• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde

Comité de Proteção de Jornalistas pede que a PGR desista de investigar Hermínio Silves

O Comité de Proteção de Jornalistas (CPJ) pediu às autoridades cabo-verdianas que desistam da investigação ao jornalista Hermínio Silves e ao Santiago Magazine que publicou uma notícia sobre a investigação do Ministério Público ao ministro da Administração Interna.

O Kafkiano processo e o “silêncio dos inocentes”

A imprensa cabo-verdiana está sob ataque e se calhar muitos não perceberam o tamanho da bomba. Não é este jornal, nem eu, que o sistema atenta, com texto solene e surdino aviso. É contra si mesmo, quando, encavalitado na sua própria trama, procura cercear a liberdade de expressão e de informação, princípios consagrados na Constituição da República de Cabo Verde do meu país.

Recuo ou atrapalhação? Novo despacho da PGR desmente a si mesmo e diz que Santiago Magazine e Hermínio Silves não são arguidos

Um novo despacho do procurador da República da Praia, Vital Moeda, afirma que nem o jornal Santiago Magazine, nem o jornalista Herminio Silves foram constituídos arguidos, contradizendo notificação anterior que intima o jornal e o jornalista/director de SM a responderem no próximo dia 26 como réus no processo criminal por violação do segredo de justiça.

O PGR nosso de cada dia, amém!

 Nero, imperador romano do primeiro século depois de Cristo, era bom a tocar harpa. Enquanto Roma estava a arder num voraz incêndio, ele, Nero, continuava a sorrir e a tocar o seu instrumento de cordas predilecto. Quem ainda dança a fúnebre melodia de Nero? O PGR e o Primeiro-Ministro, alheios ao fedor de carne assada de gente que morre.

Batota judicial. PGR manda excluir todas as diligências feitas pelo procurador Ary Varela no caso da morte de Zezito denti d’Oru

A Procuradoria Geral da República, através do Departamento Central de Acção Penal (DCAP), ordenou o “desentranhamento de todas as diligências desencadeadas pelo procurador Ary Varela”, no âmbito da investigação à morte de Zezito Deti d’Oru, em que estão arguidos inspectores-chefes da Polícia Judiciária por “homicídio agravado”, num processo que faz referência ao ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, então director adjunto da PJ e alegado líder dessa operação.

PGR e Segredo de Justiça. O som e a fúria – a imprensa sob ataque

Daqui a poucos dias vou ter de responder, perante o Ministério Público, por fuga de informação no processo que investiga a morte do cidadão Zezito Denti d’Oru, em que estão indiciados elementos da PJ, liderados, à época (2014), por Paulo Rocha, ex-espião, actual ministro da Administração Interna e ex-líder da operação da Judiciária que ceifou a tiros de metralhadora a vida de um ser humano. Ora, é este mesmo neurótico Ministério Público, que hoje me acusa num feroz ataque à imprensa, quem desencadeou a investigação a esse suposto extermínio de há sete anos sem dizer...

Três inspectores-chefe da PJ constituídos arguidos na morte de Zezito denti d’Oru

Sete anos depois, a Procuradoria da República da Praia acaba de constituir arguidos no processo de investigação à morte de Zezito denti d’Oru – tido como o assassino da mãe da inspectora da PJ, em 2014 – três inspectores-chefe da Polícia Judiciária, suspeitos de “homicídio agravado”.