Pub
Por: Pedro Alexandre Rocha

 

O nosso Primeiro-ministro foi ousado e estreante, como chefe de governo, em expressar -se em inglês, num fórum cuja plateia era formada, na sua maioria, por anglófonos. Não tinha que ter a fluidez do inglês e nem o sotaque londrino ou nova-iorquino como pretende, incompreensivelmente, o autor do artigo publicado nesse jornal on-line, senhor Samilo Moreira.

Os falantes do inglês expressam-se nos mais diversos sotaques e não há um sotaque padrão, daí entender o quão absurdo é este esforço sagaz do autor desse artigo de apoucar e desprezar o PM deste País, fruto quiçá de uma inveja atroz e de um profundo desrespeito pelo eleitorado cabo-verdiano.

O mais confrangedor em tudo isto é a ausência total de humildade e uma presença omnipotente de arrogância do senhor Samilo Moreira em querer ser, pateticamente, omnisciente, mestre de todo o saber universal, o mais perfeito no uso de instrumentos de comunicação e, ridiculariza-se falando de conceitos linguísticos que não figuram em nenhum estudo científico do mundo, a não ser no seu universo de lucubrações quimeras: fala, toscamente, de língua universal, numa total ignorância, fazendo alusão ao inglês.

Na verdade A IGNORÂNCIA É ATREVIDA. Ora, não existe uma língua natural que é ao mesmo tempo universal. Isto é impossível, do ponto de vista linguístico. Daí que o inglês, e não só, jamais seria uma língua universal. No contexto da contemporaneidade uma língua universal só o poderia ser do ponto de vista artificial. Daí se falar de língua artificial e não universal. E o inglês não é o caso.

Existe uma língua artificial, inventada pelos estudiosos da linguística, que se pretende que seja, efectivamente, uma língua universal à qual devem aderir, num futuro imaginário, os falantes do mundo inteiro, como um esforço didáctico e pedagógico para facilitar a comunicação entre os humanos. Uma espécie de ficção de um mundo sociolinguístico imaginário, artificial e utópico.

Denota-se, por isso, uma ignorância confrangedora do Samilo Moreira ao pretender pisar a ceara que não domina e lhe falta habilidades para ceifar nesse espaço que lhe é sinuoso. Esta é uma atitude grotesca de quem quer protagonizar uma guerrilha que subjaz num complexo, de todo desconhecido e labora num mundo de megalomania, característico de uma politiquice que teima em subsistir, como resultado de "dor de cotovelo" que vem apoquentando os tantos Samilos destas aventuradas ilhas. Tenho por certo que Ulisses Correia e Silva fala, fluentemente, o crioulo que é a sua língua materna e o português que é a língua oficial de Cabo Verde.

É o quanto basta para o PM de Cabo Verde. Se poder comunicar em inglês, este não tem que ser fluído, posto que não é o dever e nem é uma obrigação política, ética, moral, profissional, protocolar ou oficial que o PM de um país tenha que falar, fluentemente, o inglês ou outras línguas, ou seja, tenha que ser um poliglota. Esta exigência só pode ser de quem nutre um complexo de inferioridade face a outra cultura e subestima a sua origem sociocultural e linguística. Conhecer e dominar outras línguas é uma riqueza e uma virtude, mas nunca uma condição imposta ao cidadão para exercer um cargo de governação e muito menos a garantia de ser, por este motivo, um bom governante.

Agora, o mais confrangedor de tudo isto é o facto de o Samilo Moreira que pretende se apresentar como um exemplo de “profissionalismo” e “perfeccionismo”, querendo dar lições de linguística, neste espaço, ser aquele que comete erros crassos e de palmatória ao fazer o uso da língua portuguesa, a língua oficial do seu país. Aí sim, é que é muito grave! Critica, ferozmente, o PM e o humilha, publicamente, desprezando o seu inglês e traz aqui a este debate um texto eivado de erros estruturantes do português, do ponto de vista sintáctico, lexical, semântico, ortográfico e de coesão de pensamento.

Não são gralhas, nem lapsos de linguagem e nem "erros de empatia". Repito, são erros imperdoáveis para quem pretenda aparecer como o grão-mestre, que se arma em o "sábio dos sábios" dando lições de linguística, desprezando o inglês do outro e no entanto, pior que isso, publica um artigo que faz rasgar a gramática da língua portuguesa. Digo isso por causa da sua atitude arrogante e desprezível, quando ele mesmo comete piores erros. E o mais grave, não em inglês (que até seria compreensível), mas sim em português que tem o dever de o escrever correctamente, já que pensa, arrogantemente, ser um catedrático em linguística.

Se o Samilo insistir na sua arrogância e megalomania, pedirei licença, em sinal de respeito e desculpas ao público e apontar-lhe-ei os erros graves do seu texto, em matéria de construção frásica, inaceitáveis para quem se considere, ironicamente, um "cultor da língua de Camões".

Comentários  

0 # Paulino Oliveira 19-05-2018 11:57
Bem dadu nhós lê nhos txora nhós aguenta bem dadu samilo de nhós é um copy paste.
Anhós é dor de cutuvelo ki nhos tene inda nhos ta aguenta por muito tempo derrotados.
Responder
0 # Terralonge 18-05-2018 08:12
Apelava os comentadores a deixar o Pedro sossegado, pois, ele sabe o que está a fazer. Tacho é preciso para se viver melhor nesta terra. Ele, ao defender a mediocridade do PM, está a posicionar-se numa das estações mais próximas onde deverá estacionar o comboio do governo para deixar os maus inquilinos do Palácio da Várzea para apanhar novos. Ele quer ser governante neste país, quiçá, ministro da Educação para poder defender melhor a sua visão medíocre para o país.
Responder
0 # Apartidário 17-05-2018 10:03
Pondo de lado esta discussão acirrada e de certa forma "brincalhona" e saudável entre os ilustres comentadores, há que dizer que mediocridades não reprovadas e denunciadas normalmente tendem a multiplicar-se em mais mediocridades e as consequências são as que todos conhecemos (gestão ruinosa e danosa de património público, erros médicos reiterados, debates políticos de carácter infantilóide, "Manual de Matimática",...)

Por isso há que denunciar, reprovar tais mediocridades e resolver tais erros de forma pedagógica, no sentido de não só "reeducar" os que o cometem como também toda a nação.
Responder
0 # SÓCRATES DE SANTIAGO 16-05-2018 18:13
Prezado patrício Pedro Alexandre Rocha, sei que o Senhor é Professor de Português, hoje, na reforma, e, hipocrisia à parte, nutro um grande respeito por si, sobretudo pela sua escrita impressionante, característica de quem domine razoavelmente a língua de Camões e de Fernando Pessoa. Não vou entrar nesta "briga" entre si e o senhor Samilo Moreira, pois, como se diz no dialecto crioulo desta nossa grande ilha de Santiago, "Anju é ka di meu", porém, tenho de lhe dizer esta verdade, mesmo que doa: O inglês falado pelo nosso Primeiro Ministro, Senhor Ulisses Correia e Silva, naquele infeliz "forum", assemelha-se mais a um PIDGIN do que uma língua verdadeira, um inglês verdadeiro. Neste preciso momento em que escrevo este humilde comentário, estou a rever paralelamente o famoso "video" do inglês do nosso Primeiro Ministro, Senhor Ulisses Correia e Silva. E olhe, Senhor Professor Rocha, que a nível fonetico-fonológico, morfossintáctico, semântico e pragmático, o inglês do nosso Chefe de Governo parece um "PIDGIN ENGLISH" ( "INGLÊS PIDGIN") usado em Cantão ao longo dos séculos XVIII e XIX. Sinceramente, não estou a brincar e nem desprezar o inglês, aliás, "PIDGIN" do nosso Primeiro Ministro, tendo em consideração que ele não possui a proficiência nessa língua. Porém, aqui o Senhor Professor terá de concordar comigo, o Senhor Ulisses Correia e Silva cometeu o erro gravíssimo, pois, não possuindo competências em língua inglesa e tendo um auditório constituído por ilustres e esclarecidas personalidades, ele, deveria, sim, falar português, a nossa língua oficial, que seria traduzido por um intérprete/tradutor de serviço. Assim, só assim, meu caro Professor, o nosso PRINCIPAL GOVERNANTE sairia em grande e evitaria essa infeliz exibição, uma autêntica "TCHOKOTA" e VERGONHA NACIONAL. O Senhor Ulisses Correia e Silva não é o ZÉ PRETO, o nosso querido engraxador da Praça Grande do Plateau. O Senhor Ulisses Correia e Silva não é o JOÃO RATÃO, o nosso simpático amigo da Cidade Velha. O Senhor Ulisses Correia e Silva, meu estimado Professor de Pedra Badeijo, Pedro Alexandre Rocha, é o PRIMEIRO MINISTRO DE CABO VERDE, o HOMEM FORTE do nosso Regime Democrático. Cumprimentos socráticos!
Responder
0 # #Montanha 16-05-2018 17:45
Iooooi planalto!!! Nhu fitxa koraji nhu infrenta Pedro Alexandre, kobardu! Nhu teni medu di toma kosta na txon? Nhu luta; nhó ê bibu tanbê! Ka nhu sukundi nau, ta fika feiu!
Responder
0 # João Rodrigues 16-05-2018 15:35
O planalto está mesmo em alto plano covardia! Aparece! Não paga multa, nem vai à cadeia! Estamos em democracia e há liberdade de expressão! Está com medo de enfrentar Pedro Alexandre? Assim o senhor dá a entender que apenas quer destruir a nação caboverdiana, esquecendo que também faz parte dela É a auto censura em plena democracia?
Responder
0 # Pedro Alexandre Roch 16-05-2018 10:57
Planalto, olhe para o seu espelho e ponha a mão na sua consciência e consiga discernir quem é coitado em tudo isto. Quem não tem a coragem de dar a cara e despir as vestes de "mascarado" para confrontar o outro com argumentos não tem outro nome que não seja um COVARDE autêntico. Vejo que neste espaço há uma quadrilha de covardes, free-lance, encapuçados, qual caçubodistas, prontos para atacar à mão armada qualquer um que aparece a propor um debate sério e construtivo. São todos carentes de argumentos e capacidades para um debate construtivo. São "escribas" compulsivos, talhados no aprendizado, mais rele, de ofensa, zombaria e calúnia, portanto ávidos em retirar-se contra a sua presa com escárnio e mal-dizer, com tamanha sagacidade que faz lembrar o lobo solitário e temerário. Mas não passam de covardes. Nunca dão a cara. Têm medo de serem confrontados com a verdade é a força de argumentação, como o Diabo tem medo da cruz. Eu confrontei o Samilo neste espaço com a verdade é a força dos argumentos. Estou no aguardo. Espero que ele não venha a se esconder, covardemente, atrás de uma máscara para me atirar com a pedra, como tem sido a prática de muitos quando não têm argumentos. O Planalto ainda não provou a sua inteligência superior. Fez um exercício de desprezar o ensino em Cabo Verde e os jovens quadros e não trouxe nenhum conhecimento para rebater os meus argumentos. Seja homem e se apresente para um confronto de ideias. Não se escuda na covardia para se proclamar de sábio e de inteligência superior desprezando e insultando o outro. Tenho orgulho do meu nome e sempre me apresento com a minha identificação autêntica exercendo a minha cidadania e a minha independência de pensamento. Faço-o em meu nome é assumo tudo o que eu Expresso neste espaço e recuso toda e qualquer tentativa de silenciamento. Resistirei contra isso até à última consequência. Que tirem o cavalinho da chuva porque ninguém vai poder amordaçar-me. Sou orofessor, hoje na reforma, e quem me avalia são aqueles que foram meus alunos. Sinto-me feliz quando os oiço reconhecer o papel que eu desempenhei na vida deles e quando os vejo hoje quadros deste País a contribuir para o desenvolvimento destas ilhas. Só isto me reconforta e me deixa feliz. O Planalto é, manifestamente, incompetente para me avaliar e para avaliar o ensino deste país. Tem que deixar de ser covarde para ganhar alguma qualidade e hombridade.
Responder
0 # Planalto 16-05-2018 15:32
Pelos vistos, isto está a dar! o Pedro está aflito pa carâmba, pa!

Não. Pedro tenha calma! Veja que a caminhada é longa e há muitas botas por descalçar. Nós estamos cá para seguir a governação do MpD, seu partido e, pelos vistos, as estórias serão muitas para contar e divertir-nos. Claro que com muita preocupação, como deve calcular, porque isto mexe com a vida de todos nós. Mas uma coisa é certa! As mediocridades devem ser reprovadas e denunciadas por todos, incluindo o senhor, sobretudo, porque é, ou foi professor. É uma virtude e condição básica para o avanço de um povo. É isto que nos faz avançar! Não concebo um professor que não é capaz de identificar, repudiar e denunciar as mediocridades. Com isto, estou a imaginar como é que trabalhou como professor. Bem, também neste país, qualquer um pode ser professor, presidente de câmara, etc.
Responder
0 # calisse 16-05-2018 14:09
Wau!!! ''cachàs'' està furioso!!! Corram, escondam - se porque ai vem o bufalo defensor dos ditos ofendidos. Oh pedrao quem te viu que te ve. So troça!!!!.
Responder
+1 # Planalto 16-05-2018 08:47
Coitado do Pedro Alexandre Rocha!!!

Isto faz-me lembrar uma vez em que ele falava na rádio, a propósito da morte do CATCHÁS (ou CATXÁS) e ele começou literalmente assim,
Bem, o CACHÁS ....

O Senhor, por azar e por acaso, foi professor neste país. Quando é que viu um Professor que é Professor a aprovar e defender os erros e as mediocridades? Se alguém é medíocre, é medíocre!, seja quem for! e deve ser denunciado, como fez o Samilo. Pelos vistos já vi que tipo de professor foi o senhor. Com atitudes dessas, só podemos continuar onde estamos. O Samilo e ninguém defende que um cabo-verdiano tenha o sotaque londrino, mas convenhamos, há limites nas besteiras e devem ser travadas.
O Samilo está de parabéns e mais, prestou um grande serviço à nação, pois, com atitudes dessas, ele nada mais fez do que chamar atenção aos governantes deste país a ter em atenção a importância da língua inglesa nos dias que correm, razão pela qual é preciso prestar uma grande atenção ao seu ensino neste país. É grave! Costumo comparar certas disciplinas que temos nos nossos currícula ao trabalho das FAIMO, ou seja, têm poucos efeitos práticos. Reparem que, praticamente, todos nós estudamos inglês vários anos na escola, mas esses estudos pouco nos servem. Quem deseja falar inglês tem que vir mais tarde desembolsar para o efeito. Ora, isto deve levar-nos todos a refletir e a aplaudir o posicionamento do Samilo e dele tirar as ilações para um profunda reforma no modo como o inglês é ensinado nas nossas escolas. Isto sim, ao invés de estarmos cá a perder tempo com a estória do ensino da língua chinesa. Alguém já viu algum fórum a realizar em língua chinesa?
Responder
+2 # KUKULI 16-05-2018 08:43
"O nosso Primeiro-ministro, EM LISBOA DE PORTUGAL, foi ousado e estreante, como chefe de governo, em expressar-se em inglês": Capo Verdi ten islands, veri gudi, gudi cultura, gudi katchupa, gudi criolasss. but no rain, veri seku this year and vacas no comida. But Capo Verdi veri gud for mi. Capo Verdi veri seifiti, no pancadas, no kassubodi, gudi mesmo, nhos kam li na Sal, to oganaizid the Foromiss. I envite yu. Senkiu, senkiu, senkiu veri matchi
Responder
0 # Pedro Alexandre Roch 16-05-2018 08:28
Com esses covardes mascarados de anonimato porque nunca dão a cara e têm vergonha dos seus escritos não é possível um debate sério, objectivo e descomplexado. Não têm argumentos para contrapor, são carentes do poder de argumentação e por isso partem para a baixaria, o insulto e a ofensa, como único recursos à sua disposição. Dou por desbarato esse procedimento. Agora , para quê insistir? Há um reconhecimento que, para exercer um cargo político que resulta de um processo electivo, não é precisso proficiência em línguas estrangeiras. Seria uma autêntica aberração exigir que um cidadão para exercer o cargo de PM tem que ter o domínio do inglês. Neste caso nem José Maria Neves que exerceu, recentemente, esse cargo sê-lo-ía, pois sei que ele não tem o domínio do inglês. E porquê exigir isso ao Ulisses? Sejamos razoáveis e justos nas nossas críticas. Senhor Alertador eu não receio o Samilo Moreira e por isso eu confrontei-o, com argumentos, e espero-o para um debate tb com argumentos. Estou no aguardo. Senhor Hilar, desafio-o tb que traga para este debate citações de algum trabalho científico reconhecido no mundo científico e académico que reconhece o inglês como língua universal. Djoncabafun, o senhor tem tacho e presta este serviço em troca de tacho. É desta forma que mostra a sua inteligência superior? Seja homem e leva o cidadão Pedro Alexandre ao Tribunal para ser julgado como qualquer cidadão. Se não o fizer o senhor não passa de um difamador e caluniador covarde que vem para esse espaço defender o seu tacho. Estou no aguardo, "na linha de todas as batalhas.
Responder
0 # SANKIO 16-05-2018 12:21
Pedro Alexandre Rocha acho que baixaria, insulto e ofensa , foi desnecessariamente feitp pelo Sr.
Relê o seu texto. Parece um pau mandado.
como bem disse o planalto, um professor a defender a mediocridade é grave.
Responder
0 # calisse 16-05-2018 10:54
Pedro Alexandre o teu problema é que levas tudo para debates politico e entre partidos. Comparaçoes entre primeiro ministros etc o que leva a que a discussao sai imediatamente do contexto puramente académico. Se tivesses tomado o tempo necessàrio para pensares no que escreveste talvez nao tivesses tido esta rage e agressividade patentes no conteudo da tua mensagem. Mas, pedir - te isto seria nao conhecer a pessoa que és!!!! O bufalo, o grande guerreiro , aquele que fica cego quando enfurecido. Por isto tudo é que as pessoas preferem rir de ti no anonimato. Acalma - te, somos todos Caboverdianos!!!!
Responder
0 # KUKULI 16-05-2018 10:33
Senquiu, senquiu Misterrre Alexanderrre. Veri gudi, veri gudi mesmo. Você gudi profissori. Veri naici. Yeh. Goci li spiki é so ingrês.
Responder
0 # Zebe 16-05-2018 10:29
Pelos vistos, o Pedro está muito irritado. Coitado!
Responder
0 # Pipilita 16-05-2018 10:01
Pamodi ke ka papia na kel ke ta intendi?
Responder
+1 # Katchas 16-05-2018 07:02
.... foromiss .... senquiu. Alguém pode traduzir apenas essas duas palavras dita pelo 1 ministro, há ainda várias outras que estou tentar compreender mas esta sendo difícil
Responder
+3 # Alertador 16-05-2018 05:12
Ago nho Pedro Alexandre Rocha, prepara , ka parcem Samilo ta deixa passa.kkkkkkkk...
Responder
+2 # Hilar 15-05-2018 22:16
kkkkkkk conceitos linguísticos que não constam em nenhum estudo científico do mundo? como é que o sr. sabe disso? Por acaso o sr já leu todos os estudos científicos do mundo? Nhu xta na xuxadeira propi Homem, qualquer vaga de emprego hoje xta exigido inglês e informática na óptica de utilizador e agó um 1º ministro ta parce ku um inglês de kel natureza?
Responder
0 # Djoncabafum 15-05-2018 22:14
A ignorância é atrevida ...
Responder
+4 # Djoncabafum 15-05-2018 22:13
Nao entendi o objectivo deste artigo Sr. Pedro Alexandre Rocha. Parece querer defender a mediocridade a ignorância e a baixeza de espírito daquele que o até hoje era meu primeiro ministro. É tarefa de estúpidos e nao de professores. Queremos fazer bem as coisas sr. Ai sr, Pedro Alex . . . . . . . .. .que fazer com a sua fraqueza mental....... Está á procura de tachos outra vez..? Quer outra vez pagar faimo a partir da sua janela ? Tenha um pingo se sensatez . . . . . . .
Responder