• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde
O historial da violência na Casa Para (LAMENTAR) de Cabo Verde
Ponto de Vista

O historial da violência na Casa Para (LAMENTAR) de Cabo Verde

Cabo Verde tem dos melhores documentos legais e, talvez as melhores leis legislativas do mundo.

Os representantes políticos continuam a não cumprir o seu papel de trabalhar com seriedade e afinco para o bem-estar da nação e o seu povo.

Depois de analisarmos os factos referentes ao desempenho do nosso parlamento, a partir da abertura política e eleições “democráticas”, verificamos que afinal os parlamentares nunca foram pacíficos nos debates políticos e, a maioria tem demonstrado sinais de ser malcriados e ou mal-educados.

A Casa Para(lamentar) nacional deixou de ser apenas um espaço de ataques verbais para passar a ser um campo de batalha física.

Desde há muito, os insultos e acusações gratuitas nas seções parlamentares atingiram um nível insuportável e vergonhoso. Portanto, o episódio desta passada Sexta feira 9 de Novembro não foi muita surpresa para muitos de nós.

Como é do conhecimento de todos, no parlamento cabo-verdiano, não se debate assuntos de interesse nacional mas sim assuntos relacionados com a vida privada e publica dos eleitos. Ao fulanizarem os debates, em demasia, os resultados finais não poderão ser diferentes do que acabou de acontecer na Assembleia Nacional.

Pois, a agressão física foi o culminar das vias de facto. Se formos visitar as imagens dos acontecimentos no interior da Assembleia, constataremos que afinal desde a década de 90s esses casos veem sendo uma realidade parlamentar nacional. Quem não se lembra dos casos entre o Djon d’Djiny e o Silvino da Luz; Nha Mina e Jaime dos Tubarões; Eutrópio Lima da Cruz e António Tomar; Mário Cabral e Mário Fernandes; José Filomeno e Rui Semedo; José Maria Veiga e Carlos W. Veiga.

Tudo isso, sem termos que recordar a estória do Gualberto a fugir literalmente do Simão Monteiro e do JLL no decorrer do ano 1997.

Já o Deputado Orlando Dias não vale a pena estarmos aqui à gastar o tempo dos leitores porque só basta analisar o percurso deste para se concluir que, como muitos outros, de ambas as bancadas, não têm perfil nenhum de representantes do povo.

Portanto, como se vê, o historial dessa casa parlamentar é tudo menos pacífico.

Não é por acaso que existe uma predominância insuportável do uso dos artigos 144 e 123 do Regimento da Assembleia Nacional.

Esta casa Parlamentar está infestada de mal-educados que nada mais fazem aí do que gerar tensões de violência, e, só um pacto sério do regime poderá resgatar a urbanidade e respeito mútuo nos debates políticos, nessa Casa do povo.

Partilhe esta notícia

SOBRE O AUTOR

Redação

    Comentar

    Inicie sessão ou registe-se para comentar.

    Comentários

    • Este artigo ainda não tem comentário. Seja o primeiro a comentar!