Pub

escolasantacruz

Mais de 60 alunos do 5º e 6º anos da localidade de Chã da Silva ainda não foram às aulas porque a sua degradada escola não foi reabilitada. Solução? Contentores como sala de aula.

O ano lectivo arrancou há um mês, mas em Chã da Silva, localidade do interior do concelho de Santa Cruz, mais de 60 alunos do 5º e 6º ano ainda estão em casa. É que a escola local, de tão degradada, já não tem condições de segurança para continuar a funcionar, segundo confirmou um relatório do Laboratório da Engenharia Civil (LEC).

Desde há muito que os pais dos estudantes reclamam do estado físico desse estabelecimento de ensino e desde então foram informados que, para este ano lectivo, os alunos seriam colocados em contentores adaptados, tendas ou até deslocados para a escola de Achada Ponta, que se encontra vazia. E para tal, o Ministério assumiria as despesas com os transportes.

Mas decorrido todo esse tempo, aguardam pela resposta que, dizem, tarda a chegar. E enquanto isso esses mais de 60 alunos do 5º e 6º ano de escolaridade permanecem em casa, quase um mês depois do início das aulas em todo o país.

O delegado do Ministério da Educação de Santa Cruz, Adilson Freire, confirmou o caso. E explicou à Inforpress que após a constatação do LEC – de que a escola não tinha condições a nível de infra-estruturas – reuniu-se com a comunidade para lhes informar de tais problemas, tendo saído como solução a procura de espaços para colocar os mais de 200 alunos, ainda que seja com recurso a arrendamento.

Freire esclarece que os alunos de 1º a 4º anos iniciaram as aulas normalmente em espaços alugados, ficando apenas os de 5º a 6º anos. E para estes alunos, “tendo em conta que não havia mais espaços para arrendamento na comunidade”, a solução foi optar pela sua deslocação para uma escola vazia em Ponta de Achada em que asseguravam os transportes. Só que a proposta encontrou resistência de alguns pais por causa da distância, pelo que acabou sendo posta de lado.

Segundo o delegado da Educação em Santa Cruz – que reconhece que os alunos não ficarão atrasados relativamente às matérias – de momento a solução é a colocação de um contentor adaptado para escritórios, oferta de uma empresa, ajuntando que começaram a fazer os trabalhos de preparação do terreno, e que já tem blocos e outros materiais. Falta apenas a montagem da “sala”, por parte da empresa doadora.

Com Inforpress

Comentários  

0 # José Realista 02-11-2017 15:10
Seria bom investigar quem é proprietário do contentor. Deve haver gato ai no meio. Será que no local não há uma casa para aluguer? ai ai ai !!!!
Responder
0 # Samir Reis 17-10-2017 21:37
Meu Deus do céus!
O que falta mais para acontecer?
Acredito que é dessa forma que vamos construir um concelho e um país melhor, continuem.
Acredito que houve tempo suficiente para reabilitação da escola que desde há muito tempo tem dado sinal de precariedade e as autoridades tiveram tempo suficiente para o fazer mas como os nossos decisores gostam de trabalhar na resolução dos problemas é nisso que dá. Louvado seja Deus.
Responder
0 # Deputado Comunitário 14-10-2017 11:09
De facto estamos perante uma situação de ameaça à saúde pública. É a primeira vez história das duas repúblicas de Cabo Verde independente e democrático, que nos deparamos com uma situação de incúria, injúria e exposição ao ridículo de uma comunidade que merece ter tudo igual com as demais. Tenho certeza absoluta que nenhum dirigente (seja ele de oposição seja ele da situação) permitirá que os seus filhos sejam expostos ao tamanho ridículo. Este sim é o estado de caos e a balbúrdia. Se necessário for a população de Santa Cruz que se una e faça uma manifestação em defesa dos mais elementares interesses das gentes de Ribeira Riba. Tenho a plena certeza que o senhor Pedro Alexandre Rocha, homem de berço, intelectual e eloquente notável, ao tomar conhecimento desta insensatez posicionar-se-á ao mais alto nível (aliás como terá feito em relação aos manuais) evitando, por esta via que a sua comunidade (e ele) seja exposto ao ridículo.
Responder
0 # Santacruzense 14-10-2017 10:56
Meus senhores eu não quero acreditar no que acabei de ler. O pior de tudo isso é que não há qualquer reacção das autoridades e personalidades com responsabilidades ao nível local e nacional. Falo concretamente do senhor Presidente da Câmara Municipal, do Presidente da Assembleia Municipal, dos de[censurado]dos municipais (os da oposição e os da situação), dos de[censurado]dos de Santiago Norte, dos de[censurado]dos nacionais, dos professores de Santa Cruz, dos pais e encarregados de educação. Se nos mantivermos calados isto vai mesmo acontecer e será antes de tudo uma vergonha para Santa Cruz e sua gente. Tamanha a pouca vergonha. Que deus nos livre.
Responder
0 # Sensato 14-10-2017 18:44
Caros santacruzenses estamos perante um caso gravíssimo que não podemos permitir que aconteça. Vamos sair à rua. Juntemos as nossas forças e digamos basta à discriminação. Isto nem no tempo de Almeida Henriques aconteceu. Os eleitos munipais e nacionais que se posicionem.
Responder
0 # Santa Cruz 13-10-2017 19:58
Esta falta de sensatez só podia acontecer com o povo de Sants Cruz. Imaginem isso em São Vicente. De facto em pleno século XXI l, esta é a maior pouca vergonha que algum dia se assiste ao nível da educação em Cabo Verde. Tenho por mim que assim como Ulisses ordenou a retirada dos manuais vai ordenar a retirada do contentor. Paxenxa na mundo
Responder
0 # Helena Fontes 13-10-2017 12:40
Upssssss!
Este o ensino de qualidade prometido pela Ministria da Edukasson, a tal dos manuais de matimatica!
Pollaaaaaaaaaaaaa!
:P
Responder
0 # ATENTO 13-10-2017 09:55
Ami nca ta acredita... Keli pa n acredita só si n odja ku nhas próprios odjos...
Si é verdade fora UCS, fora MINIstra da Educação, fora DNE, fora Delegado de Educação na Santa Cruz...
Ka tem um espaço pa luga pa poi minimos pa siste ses aulas em condições. Nhôs é desumanos, sima contentor é quente ainda más na Santa Cruz ki sol ta ratcha pedra, pa nhôs tem corage de porta dês manera? Sinceramente... Nhôs ta gasta montanhas de dinhero ku nhôs viagens de luxo, ku nhôs bem estar e principalmente goçi ku TACV, que dja nhôs da pa falido, agô educação que é futuro de nôs terra, alunos ta bai doence pmd ka tem espaço pa es estuda...
Dja nhôs fazi estudo kusé k kel calor de contentor pode traze pa saúde de kes crianças?
Si era nhôs fidjos nhôs ta permitiba?
Será k dja nhôs fazi um diagnóstico de situação e dja nhôs fazi IEC bem feitoku pais e encarregados de educação?
Se pais ka aceita é pamodi trabalho de IEC, ka foi feito, pmd si nhôs fala ku ês sobre tudo pormenores de viagens credivelmente, ês ta dexa sês meninos estuda longe de casa sim...
Mas ta custa acredita pmd goçi tudo kusa sa ta flado ta desflado, assi dja ta fika um pouco confuso pa kês pais k tem poucos rendimentos....
Nhôs ranja solução imediato, pmd resposta ta bem à altura.
Responder