Pub
Por: Redação

 imadoeno cabral 2

As queixas, reclamações e denúncias chegam de todos os lados – trabalhadores, utentes, até pessoal com cargos de responsabilidade. Dizem que o clima interno é de ameaça e medo. Falta diálogo e partilha de informações e quem tem arcado com as faturas, psicológicas, espirituais e financeiras são os utentes, com perdas de vidas humanas e tudo. Só fim de semana último dois falecimentos são debitados pelos familiares ao descaso e negligência desse hospital regional – Mariana Lopes Brito, 94 anos, de Ribeirão Manuel, falecida no sábado, 19, e Afonso, 57 anos, de Nhagar, Assomada, falecido no domingo, 20, no Hospital Agostinho Neto.

Os familiares estão revoltados. Francisco Pereira Gonçalves, filho da Mariana, disse ao Santiago Magazine que após a “esteira” da mãe ele irá saber junto das autoridades porque razão a sua progenitora foi tão maltratada quando foi levada para os serviços de urgência do Hospital Santa Rita Vieira a pedido do próprio diretor da região sanitária, também este médico.

Este homem, que vive na Suíça, diz que ainda está a aguardar os resultados do teste que foi feito à sua mãe. Entretanto, estranha que o hospital tivesse ordenado o enterro do corpo da sua progenitora sem a presença dos familiares, sem as exéquias fúnebres, apenas porque suspeitavam que ela estivesse infetada com coronavírus.

Agostado com o tratamento dado à sua mãe pela médica Cremilda Sanches, coadjuvada pelos enfermeiros Antónia Alves e Valódia Andrade, este emigrante diz que vai buscar a justiça pelo tratamento dispensado à sua mãe, por aqueles que são pagos para tratar da saúde e da vida das pessoas.

Quanto ao Afonso, que era condutor profissional, a esposa confidenciou ao Santiago Magazine que até este momento ainda aguarda a resposta das autoridades sanitárias, concretamente o ministro da Saúde, o diretor Nacional da Saúde, em relação à sua carta de 15 de setembro, onde expunha o tratamento dado ao seu esposo no Hospital Regional Santa Rita Vieira, solicitando tomada de medidas.

Com efeito, 5 dias após ter enviado a carta com as denúncias o seu marido faleceu. Neste momento de nojo, Carmelita Teixeira diz estranhar que tenham afirmado perante a comunicação social que o marido morreu vitima de Covid-19, quando no boletim de óbito consta pneumonia.

Ato criminoso

Na sua carta, Carmelita Teixeira acusava de “pura incompetência e negligência por parte dos médicos” que atendeu o marido no Hospital Santa Rita Vieira, a quem atribui toda a responsabilidade pelo estado de saúde do marido e eventualmente pela sua morte.

Em desespero, Carmelita Teixeira pedia “a quem de direito que tome as medidas severas que se impuserem, pois as incompetências e negligências verificadas, num caso deste, redundam-se num ato criminoso”.

E explica a sua indignação, sempre questionando, com as seguintes informações: “Do dia 26 de agosto, quando fomos ao hospital pela primeira vez, para o dia 11 de setembro, dia em que passaram a suspeitar do covid, são 15 dias. Durante esses 15 dias, o meu marido esteve em casa com a família e no hospital, como qualquer outro doente normal, sendo 05 dias em casa (de 26 a 02) e 9 dias no hospital (de 02 a 11). Quantas pessoas lidaram e aproximaram-se dele, incluindo os próprios médicos, enfermeiros e auxiliares? Durante os 09 dias em que esteve internado em Assomada, ele esteve num quarto com mais cinco doentes e depois foi mudado para um outro quarto com mais cinco doentes internados. Que riscos foram submetidos esses doentes, pela INCOMPETÊNCIA E NEGLIGÊNCIA DOS MÉDICOS? No dia 04 de agosto, ele foi mandado fazer TAC na Praia, apenas como um doente de AVC, num Hiace normal do hospital, acompanhado por alguns amigos, familiares e uma enfermeira. Na clinica do TAC foi tratado como um doente normal. Que riscos aqueles que ali o atendeu correram? Durante os dias em que esteve internado, ele recebeu visitas todos os dias de muitos amigos e familiares. Que riscos foram submetidas essas pessoas todas? Durante o seu internamento em Assomada, eu, como esposa, o acompanhei todos os dias e noites, e um dia um amigo dele passou a noite com ele. Que riscos fomos submetidos? No tempo em que estamos, porquê que desde a primeira hora, ou seja, no dia 26, quando o meu marido chegou ali com fortes dores de cabeça, o pessoal médico do Hospital Regional Santa Rita Vieira não teve o cuidado e a precaução de o submeter a teste? Porquê que quando pedimos no dia 29, para lhe submeter a teste não tiveram o cuidado de nos ouvir? Porque?”

Perguntas cujas respostas dos respectivos destinatários, ainda aguarda, 10 dias após ter enviado a carta e 5 dias após ter sepultado o marido.

Palavra dos trabalhadores

Mas as críticas em relação essa unidade de saúde, que responde pela vida de cerca de 121 mil almas, não ficam por aqui. Muitos profissionais concordam com as queixas dos utentes, reafirmando que o hospital funciona muito mal, debaixo de ditadura, do medo e das ameaças.

Sempre sob anonimato, informaram ao Santiago Magazine que o hospital não tem um aparelho de Raio X há já algum tempo. Os técnicos já nem sequer aparecem no trabalho, recebem o seu vencimento em casa. Falta um ortopedista há mais de um ano. Não há ambulância. Os doentes são transportados em viatura Hiaces para o hospital central da Praia, sem qualquer conforto.

O hospital não tem um serviço de neonatologia. Neste particular, informam que gestantes têm dado entrada no hospital com semana incompleta de gravidez, por exemplo, 32, 33, 34 semanas, que deveriam ser evacuadas para Praia, todavia, permanecem na região e as crianças nascem prematuras para depois serem enviadas à Praia. Nesta aventura, tem acontecido a morte de recém-nascidos, por causa da demora nas transferências e falta de ambulâncias para socorrer as parturientes em tempo.

Assim, ainda as mesmas fontes, entre 1 e 8 de setembro morreram 2 prematuros nessas condições.

No hospital, acrescentam, o descontentamento é generalizado, mas reina um silêncio absoluto, por medo de represálias, com punições arbitrárias e outros tipos de ameaças e bullying laboral.

No dia 22 de setembro este diário digital enviou um email ao diretor do Hospital Regional Santa Rita Vieira, Imadoeno Cabral (foto) dando-lhe conta que o jornal pretende avançar com uma peça sobre diversas denuncias relacionadas com o funcionamento da estrutura de saúde que ele dirige, entretanto, passados 3 dias ele não reagiu.

O jornal espera, todavia, contar com a sua contribuição posterior para o esclarecimento dessas e outras situações que poderão estar a criar problemas no funcionamento de uma estrutura de saúde que cobre uma região com cerca de 121 mil pessoas.

Comentários  

0 # Emanuel 30-09-2020 19:38
Ka nhos dexa Hospital de cruz grande morri si!!
Responder
0 # Djudu 28-09-2020 18:46
Caros compatriotas infelizmente nesse país a nível e péssimo caso peças segunda opinião prepara te ja tens um inimigo fatal a classe médica alguns não fca contente sou vítima
Responder
+1 # inês 28-09-2020 14:37
Nota-se claramente o estado de abandono do edifício. Onde devia ser espaço verde para dignificar o hospital está carregado de lixo.
Responder
0 # Selucreh Obol 28-09-2020 09:42
A pior desgraça de Cabo Verde foi optar pela independência total.
O país está às moscas e não há investimentos. CV vive de esmolas externas que são depois consumidas pela élite política que vive do bom e do melhor enquanto 50% da população de 500,000 vive na miséria e pobreza absoluta.
A nossa sina foi selada pelos melhores filhos do nosso povo quando rejeitaram o referendo em 1975 para a autonomia deste nosso país.
Responder
0 # Ana 29-09-2020 15:47
Os filhos da má mulher optaram pela independencia total para poderem ser Presidente da Republica, Primeiro Ministr o e Ministros.
Assim levaram a nossa nacionalidade portuguesa.
A tão valiosa nacionalidade europeia.

Que pena
Responder
0 # Olavinho 27-09-2020 12:48
A ERIS é uma palhaçada que não vai fazer a ponta de um corno a não ser dar de mamar aos dirigentes.
Responder
0 # João Carlos Lopes 26-09-2020 21:17
Quel senhor lá crê caba de saúde de Cabo verdiano sobretudo de pessoas de SN.
Tá geri hospital público na base de abuso de poder, intolerância e fatiotamentu.
Ulisses nu sta mente-l na 2021 se continua cu quês abusado lá em frenti de serviço de saúde.
Ministro de saúde se ka toma cuidado é tá Panha mau. Confiando na quês insensível lá.
Quenha que cá obi tá odja.
Responder
0 # Manuel Miranda 26-09-2020 11:41
A PGR e a PJ, devem investigar tudo isso e
esclarecer a opinião pública. E igualmente um caso de polícia.
Responder
+3 # Badiu 26-09-2020 10:59
Até quando iremos suportar estes malditos ditos "políticos" e os seus mandatários.
Culpado é nos me. Nu sta enxovalhado pa tudo lado, policia ta dadji só na coitado, tribunal ta sirbi só pa coitado, saude só pa es ma fora de CV, educason nton nem se fala. País ki ca tem segurança, ca tem educason, ca tem justiça é país?
Povo nu labanta nu caba cu es pessoal li, kenha ki sta djuntu cues cu tudo.
Responder
+3 # Terra terra 26-09-2020 09:51
Nao ha transporte para doentes, mas o hiacistas me informam que todos os dias de manha cedo, no percurso Assomada-Praia encontram com um condutor do alto dos Picos Senhor do Mundo fazendo o percurso inverso, pois dorme em casa, mesmo estando de turno a noite, com o carro do hospital (chapa amarela) em casa!
Responder
+2 # Surealismo 26-09-2020 09:09
O que está a acontecer em Santa Catarina e, talvez, neste país é Surrealista.

Há várias pessoas que fazem teses, mas que fiquem sem saber os resultados; Há aqueles em que o resultado é positivo, mas nunca o pessoal de saúde chega a casa delas para lhe dar alguma orientação, ou alguma palavra de conforto. Isto tudo é muito grave, num país em que a máquina do Estado funciona com recursos dos contribuintes. Que POUCA VERGONHA!
Responder
+5 # Chega de Amadorismo 26-09-2020 09:03
Nos países que se presem, não se apanha qualquer um para se colocar à frente de um Hospital. A Administração Hospitalar é uma especialidade própria, muito complexa e exigente! Não basta ser médico, ou um simples gestor, para se ser um bom Administrador Hospitalar. Mas esta é a nossa sina! E, depois, não entendemos porque somos ATRASADOS e as coisas não funcionam bem. Se um Ministro é um político, já o pessoal de Administração, do topo a base, não pode ser político. Têm de ser especialistas em Administração e Administração direcionada para cada uma das especificidades.
Responder
+2 # Tribunais 26-09-2020 08:51
O Familiares do falecido AFONSO, aguardam que o Ministro da Saúde tenha a dignidade, a responsabilidade e o sentido de Estado para responder a Família, pela carta recebida da denúncia, mas que, enquanto tutela e responsável estatal pela saúde dos cabo-verdianos, mande apurar todos os factos apontados na carta e que, seja ele próprio a mandar o caso para os Tribunais para que estes façam o seu trabalho, em nome do Estado de Direito, e dê satisfação aos familiares.
Responder
+2 # Planalto 26-09-2020 08:44
Que a justiça seja feita e os danos morais causados reparados. Não se pode estar a brincar com vidas humanas.
Responder
+1 # Furioso 26-09-2020 08:41
Neste país, é preciso muita e muita fé mesmo! Tudo vai mal e o pior é que se instalou o MEDO. MEDO de denúncias, MEDO de reclamações. E depois, dizem que vivemos numa democracia. Por onde anda o Presidente da República, o célebre defensor da Constituição e da Democracia? A Mediocridade se alastra de uma ponta a outra, mas quando as nossas vidas estão em riscos como as realidades descritas nessa peça noticiosa, é preciso sair ás ruas, GRITAR e, se preciso, Atirar Pedras aos dirigentes INCOMPETENTES e IRRESPONSÁVEIS.
Responder
+3 # José Lima Borges 25-09-2020 21:27
Lamentavelmente o que tem acontecido nos nossos hospitais já merecia por parte da tutela, do ministério público e da ordem dos médicos uma investigação para se apurar da veracidade das acusações. As denúncias têm caído quase que diariamente nessa altura da pandemia.
No dia 14 foi dado a terra, um jovem de 26 anos, causa da morte, covid 19, razão para se justificar o funeral numa espécie de maratona, entretanto esse falecimento não entrou na contabilidade desse dia.
A família do malogrado Afonso, já tinha feito as denúncias numa rede social, lamentavelmente o cidadão comum não tem onde recorrer para obter um simples esclarecimentos menos ainda para exigir justiça. A nossa Constituição tem direitos e garantias mas apenas e só para alguns, porque para a grande maioria não passa de uns parágrafos bem delineados.
Responder
0 # roxana 27-09-2020 16:57
o esclarecimento o da a AUTOPSIA , tem-se q exigir esta pelo o bem da das partes.
Responder
+1 # José António Brito 25-09-2020 21:18
Muito grave!
Responder
+2 # Fidjinho Brito 25-09-2020 21:13
Este imadoeno é como o julio andrade. Não são gestores publicos mas comissarios politicos e não estão preocupados com as pessoas. O que se espera é que o PGR mande investigar e veja se se está a forjar causas de morte e propagaçao de doença que sao crimes previstos no codigo penal. Será mais uma letargia dos procuradores ou terá uma reação? A ver vamos?
Responder
+2 # roxana 25-09-2020 21:08
Os doentes tem direito, desde a primeira consulta ser informado da IMPRESSÃO Diagnostica e ao registro na ficha ,msm sem os resultados dos exames complementarias, pois estes não diagnosticam . Tem direito tb a uma segunda opinião dum outro medico .Em quanto as queixas de negligencia desconheço o nível de atendimento nesse hospital Regional , qual e' a quantidade de médicos gerais e especialistas por habitantes e recursos q dispõe ,assim como a distancia e o acesso ao Hospital de referencia nacional ,na msm, e' hora de superar a politica de evacuação dos doentes graves/criticos pelo serviço de medicina intensiva em cada Hospital ,Santiago Norte tem numero de habitantes e distancia importante com o hospital de referencia nacional, q justifica a UCI . A Saude publica não pode ficar refém da visão do Ministro de saude de turno ,como bem demostrou a Pandemia ,pois com a chegada do SARS CoV-2 a CV , chegaram os ventiladores mecânicos e médicos intensivistas . Axo q se deve escutar vozes de profissionais nesta matéria como a pneumologista q foi uma vez a conferencia de imprensa do MS .
Responder