• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde
“Há um lugar para quotas quando a mudança é lenta para ter sucesso”
Entrevista

“Há um lugar para quotas quando a mudança é lenta para ter sucesso”

Palavras de Aminah Pilgrim*, uma Kriola nascida nos Estados Unidos da América, com raízes em Barbados, defendendo a introdução de quotas para a ascensão das mulheres cabo-verdianas aos cargos públicos e políticos de relevo. Ela que, com a Terza Lima**, esta nascida em Cabo Verde, organizam a Poderozaconference 2018, cuja segunda edição acontece este sábado, 10 de Março, defende que deve haver mais conexão entre os cabo-verdianos nascidos nas ilhas e os que nasceram nos EUA.

Santiago Magazine - A Poderoza Conference é um evento com uma periodicidade Bi-anual. Para começar, gostaríamos que explicasse para os nossos leitores o porquê do nome Poderoza?

Aminah Pilgrim - O nome "poderoza" é usado em muitas canções populares cabo-verdianas, e primeiro veio à mente preparar uma exposição de arte de todas as artistas Kriolas, organizada anos atrás por Shokanti, que é um dos nossos maiores apoiantes. Quando chegou a hora de nomear a conferência, fez sentido usar o título, devido ao que a palavra/frase representa, isto é, todo o poder e o potencial de Kriolas e de sua agência, ou habilidade de definir-se em seus próprios termos e para moldar suas próprias vidas (um tema central do trabalho da Terza, e do meu próprio trabalho).

Quais são os grandes objectivos desta conferência bi-anual que reúne mulheres, quadros e pessoas de origem cabo-verdiana de todos os quadrantes sociais?

O principal objectivo do “poderoza” é o empoderamento. Fazemos isso através de painéis acadêmicos baseados na Comunidade e sessões que incentivam, educam e curam Kriolas, e fornecem recursos e oportunidades exclusivamente criados por e para nós. Também somos mais do que uma conferência. Somos um movimento que busca remarcar Kriolas e recuperar e redefinir nossas imagens individuais e colectivas.

Quantas conferências a organização já conseguiu realizar e qual o balanço que faz?

“Poderoza 2018” é a nossa segunda conferência e sentimos que já tivemos grande sucessos em alcançar esses objectivos.

A igualdade de género é hoje em dia um tema transversal em todas as sociedades ditas modernas e democráticas. Como encara este assunto, enquanto activista social e pessoa vinculada ao processo de desenvolvimento das sociedades humanas?

Eu gostaria de pensar da "equidade" como um objectivo um pouco differente da "igualdade". Digo isto, porque é necessário reconhecer a opressão histórica das mulheres através das sociedades e as formas que a diferença de género informa e torna as experiências das mulheres únicas. Também é importante reconhecer onde as mulheres têm desempenhado funções de poder e liderança ao longo da história em certas sociedades. Como educadoras e activistas, queremos as mulheres “Poderozas”, para serem vistas em toda a sua complexidade e plenitude e para serem valorizadas e atribuídas papéis em conformidade com as suas potencialidades, que lhes permitem usar as suas habilidades e afectar a mudança onde é necessária.

Em Cabo Verde está-se a falar em definição de quotas e paridades para ascensão das mulheres a certos cargos públicos e políticos. Como vê este assunto, do ponto de vista da sua legitimidade, mas também da promoção da mulher?

Eu acho que há um lugar para quotas quando a mudança é lenta para ter sucesso. No entanto, isso não é suficiente. Deve haver medidas de apoio para que essas mudanças sejam sustentáveis, e há que ter políticas e leis aprovadas para assegurar que essas mulheres não estejam enfrentando uma exploração baseada em gênero. Esta última questão, talvez, é mais difícil de abordar, uma vez que permeia a cultura patriarcal do nosso arquipélago.

Os Estados Unidos da América é seguramente o país onde reside a maior comunidade cabo-verdiana emigrada. Como avalia a integração da comunidade cabo-verdiana neste que é considerado a maior economia do mundo ocidental?

Eu acho que a nossa diáspora dos EUA está bem integrada, como podemos ver na lista de estrelas que participaram da Poderoza 2016 e as que fazem parte da linha até 2018. Há Kriolas e Kriolus em todas as áreas e em todos os domínios profissionais. No entanto, ainda temos oportunidades de alcançar mais poder político (em posições políticas de liderança nos níveis local, estadual e federal).

Os Estados Unidos da América é um país inclusivo para os emigrantes? Existe racismo nos Estados Unidos da América?

Os Estados Unidos certamente tiveram uma forte história de acolhimento de imigrantes e, no entanto, teve sua história de xenofobia (medo de imigrantes) também. E o racismo perdura nos EUA. Essas coisas dependem de muitos factores complexos, como status socioeconômico, fenótipo, geografia, etc.

Se tiver que dar conselhos aos cabo-verdianos e cabo-verdianas residentes nos Estados Unidos da América, o que é que lhes diriam?

O meu conselho seria que deveria haver mais colaboração e conexão entre os cabo-verdianos nascidos em Cabo Verde aqueles cabo-verdianos nascidos nos EUA. Terza e eu somos um excelente exemplo disso e a conexão deu à luz algo poderoso - Poderoza !!!

*AMINAH FERNANDES PILGRIM, Kriola, nascida nos EUA e descendente de Barbados, mãe, educadora, autora e artista. Graduado da Duke University e da Universidade Rutgers, ela está actualmente afiliada à UMass Boston e ao Instituto Pedro Pires para estudos cabo-verdianos em Bridgewater Universidade Estadual. Suas áreas de pesquisa incluem história afro-americana do final dos anos 19 e 20; história das mulheres afro-americanas; estudos da diáspora africana; estudos cabo-verdianos; pesquisa educacional e estudos críticos de hip hop. Activista da comunidade, trabalha em assuntos relacionados com crianças, violência entre jovens e gangues, o pipeline da escola para a prisão, empoderamento das mulheres e preocupações da comunidade cabo-verdiana. Fundadora da Iniciativa HIPHOP, MEMORIA Oral History Project, e co-fundadora de SABURA Youth Program em Brockton, MA.

**TERZA ALICE SILVA LIMA-NEVES, Kriola, esposa, mãe, educadora e defensora das mulheres e meninas. Ela nasceu e cresceu na Ilha de São Vicente, Cabo Verde. Ainda adolescente, Terza imigrou para Pawtucket, RI, com seus pais e duas irmãs mais novas. Estudou em Providence College (B.A.) e Clark Atlanta University (M.A. e Ph.D.). A Dra Lima-Neves é professora associada de ciência política na Universidade Johnson C. Smith em Charlotte, Carolina do Norte. Trabalha nos cursos sobre política africana, comparativa e internacional. Os seus interesses de pesquisa incidem sobre estudos de gênero cabo-verdianos, política moderna da diáspora africana, bem como mulheres e desenvolvimento.

Partilhe esta notícia

SOBRE O AUTOR

Redação

    Comentar

    Inicie sessão ou registe-se para comentar.

    Comentários

    • Este artigo ainda não tem comentário. Seja o primeiro a comentar!